Scholarly article on topic 'The mediator role of psychological morbidity on sleep and health behaviors in adolescents'

The mediator role of psychological morbidity on sleep and health behaviors in adolescents Academic research paper on "Educational sciences"

CC BY-NC-ND
0
0
Share paper
OECD Field of science
Keywords
{Adolescents / "Psychological morbidity" / Sleep / "Health behaviors" / Adolescentes / "Morbidade psicológica" / Sono / "Comportamentos de saúde"}

Abstract of research paper on Educational sciences, author of scientific article — Silvia Helena Modenesi Pucci, Maria da Graça Pereira

Abstract Objective This study examined the mediation role of psychological morbidity, defined in this study as depression/anxiety, in the relationship between excessive daytime sleepiness and sleep quality, and between sleep habits and health behaviors, in adolescents. Methods A total of 272 students, between 12 and 18 years old, underwent a psychological protocol assessing excessive daytime sleepiness, sleep quality, sleep habits, health behavior, and psychological morbidity. Results Psychological morbidity was not associated with the relationship between excessive daytime sleepiness and sleep quality, but was associated, with statistical significance, in the relationship between sleep habits and health behaviors. These results emphasize the role of psychological morbidity in adolescent health behaviors. Conclusion Analyzing the symptoms of depression and anxiety in pediatric patients may help in a more accurate diagnosis, especially in relation to sleep problems and health behaviors. Resumo Objetivo Este estudo analisa o papel mediador da morbidade psicológica, definida neste estudo como depressão e ansiedade, na relação entre a sonolência diurna excessiva e qualidade do sono e entre hábitos de sono e comportamentos de saúde em adolescentes. Método Foram entrevistados 272 estudantes, entre 12 e 18 anos, por meio de um protocolo de avaliação que acessou dados acerca da sonolência diurna excessiva, qualidade do sono, hábitos de sono, comportamentos de saúde e morbidade psicológica. Resultados Os resultados mostraram que a morbidade psicológica não estava associada, com significância estatística, na relação entre a sonolência diurna excessiva e qualidade do sono, mas estava associada, com significância estatística, na relação entre hábitos de sono e comportamentos de saúde. Esse resultado reforça a importância da morbidade psicológica nos comportamentos de saúde dos adolescentes. Conclusão Investigar sintomas de depressão e ansiedade nas consultas pediátricas pode auxiliar o profissional num diagnóstico mais preciso, principalmente em relação a problemas de sono e comportamentos de saúde.

Academic research paper on topic "The mediator role of psychological morbidity on sleep and health behaviors in adolescents"

J Pediatr (Rio J). 2016;92(1):53-57

Jornal de

Pediatría

www.jped.com.br

ARTIGO ORIGINAL

The mediator role of psychological morbidity on sleep and health behaviors in adolescents^

Silvia Helena Modenesi Pucci* e Maria da Graca Pereira

CrossMark

Escola de Psicología, Universidade do Minho (UMinho), Braga, Portugal Recebido em 17 de novembro de 2014; aceito em 25 de março de 2015

KEYWORDS

Adolescents; Psychological morbidity; Sleep;

Health behaviors

PALAVRAS-CHAVE

Adolescentes; Morbidade psicológica; Sono;

Comportamentos de saúde

Abstract

Objective: This study examined the mediation role of psychological morbidity, defined in this study as depression/anxiety, in the relationship between excessive daytime sleepiness and sleep quality, and between sleep habits and health behaviors, in adolescents. Methods: A total of 272 students, between 12 and 18 years old, underwent a psychological protocol assessing excessive daytime sleepiness, sleep quality, sleep habits, health behavior, and psychological morbidity.

Results: Psychological morbidity was not associated with the relationship between excessive daytime sleepiness and sleep quality, but was associated, with statistical significance, in the relationship between sleep habits and health behaviors. These results emphasize the role of psychological morbidity in adolescent health behaviors.

Conclusion: Analyzing the symptoms of depression and anxiety in pediatric patients may help in a more accurate diagnosis, especially in relation to sleep problems and health behaviors. © 2015 Sociedade Brasileira de Pediatria. Published by Elsevier Editora Ltda. All rights reserved.

O papel mediador da morbidade psicológica em hábitos de sono e comportamentos de saúde em adolescentes

Resumo

Objetivo: Este estudo analisa o papel mediador da morbidade psicológica, definida neste estudo como depressao e ansiedade, na relaçao entre a sonolência diurna excessiva e qualidade do sono e entre hábitos de sono e comportamentos de saúde em adolescentes.

Método: Foram entrevistados 272 estudantes, entre 12 e 18 anos, por meio de um protocolo de avaliaçao que acessou dados acerca da sonolência diurna excessiva, qualidade do sono, hábitos de sono, comportamentos de saúde e morbidade psicológica.

DOI se refere ao artigo: http://dx.doi.Org/10.1016/j.jped.2015.03.008

* Como citar este artigo: Pucci SHM, Pereira MG. The mediator role of psychological morbidity on sleep and health behaviors in adolescents. J Pediatr (Rio J). 2016;92:53-7.

* Autor para correspondencia.

E-mail: shmpucci@gmail.com (S.H.M. Pucci).

2255-5536/© 2015 Sociedade Brasileira de Pediatria. Publicado por Elsevier Editora Ltda. Todos os direitos reservados.

Resultados: Os resultados mostraram que a morbidade psicológica nao estava associada, com significancia estatística, na relacâo entre a sonolência diurna excessiva e qualidade do sono, mas estava associada, com significancia estatística, na relacao entre hábitos de sono e comportamientos de saúde. Esse resultado reforca a importancia da morbidade psicológica nos comportamentos de saude dos adolescentes.

Conclusâo: Investigar sintomas de depressâo e ansiedade nas consultas pediátricas pode auxiliar o profissional num diagnóstico mais preciso, principalmente em relacao a problemas de sono e comportamentos de saúde.

© 2015 Sociedade Brasileira de Pediatria. Publicado por Elsevier Editora Ltda. Todos os direitos reservados.

Introduçâo

A adolescência é marcada por diversas mudancas biopsicos-sociais. Também é um período em que o sono passa por diversas mudancas estruturais, o que poderá causar problemas na qualidade do sono e, consequentemente, um impacto negativo em diversas áreas da vida de um adolescente, incluindo sua saúde mental.1 Sabe-se que o sono é essencial para o funcionamento e a manutençâo ade-quada da vida2 e que recentemente concluiu-se que uma das principais funcoes do sono é permitir que os neurônios facam a manutençâo das células.3 Apesar de todas essas funcoes complexas, os adolescentes dormem menos do que o esperado.4 Essa reducâo da qualidade e do tempo de sono pode ser devida a diversos fatores, incluindo maus hábitos de sono e comportamentos de saúde, que podem levar a consequências negativas, como sonolência diurna excessiva.

A ausência de hábitos de sono saudáveis tem sido comumente observada em estudos com adolescentes. Um dos fatores diretamente relacionados à queda de hábitos de sono saudáveis é o uso de eletrônicos, que exercem um grande impacto negativo sobre a qualidade do sono do adolescente,5 pois sâo um dos principais motivos das distraçoes que concorrem com o sono. Contudo, o problema poderá piorar quando, além de usar produtos eletrônicos, os adolescentes usam substâncias psicoativas, como bebidas com cafeína, para ficar mais tempo acordados, o que exerce um impacto sobre a qualidade do sono e a sonolência diurna.6 Esse tipo de comportamento poderá se tornar um ciclo vicioso, ou seja, o adolescente precisa acordar cedo para ir para a escola, apresentará sonolência diurna (reduçâo no tempo de sono) e precisará de bebidas com cafeína para ficar acordado durante as aulas.

A literatura apresenta uma relacâo entre sonolência diurna excessiva e privacâo do sono.7 Ademais, uma análise sistemática constatou uma relacâo direta entre problemas de sono e comportamentos de risco à saúde, como consumo de substâncias psicoativas e relacoes sexuais desprotegidas.8 Adicionalmente, os problemas de sono estavam relacionados a problemas emocionais e comportamentais entre adolescentes.8 Estudos anteriores constataram que adolescentes com menos horas de sono apresentaram níveis mais elevados de sintomas depressivos e prevalência mais elevada de transtornos de ansiedade.9 A literatura também encontrou taxas elevadas de comor-bidade entre adolescentes com problemas de sono e depressâo, ou seja, adolescentes que sofrem de distúr-bios do sono também apresentam transtornos depressivos concomitantemente.5

Um estudo recente constatou que quando estudantes jovens tinham poucas horas de sono durante a semana havia consideravelmente mais queixas a respeito de ansiedade e tensâo.10 Uma metanálise constatou que 1/5 dos adolescentes sofre de depressâo e problemas de sono.11 A literatura descobriu uma relaçâo entre morbidade psicológica (depressâo e ansiedade sozinhas ou combinadas) e distúrbios do sono em adolescentes. A morbidade psicológica é o desconforto causado pela falta de bem-estar físico e psicológico, o que tem um impacto sobre a saúde do individuo. Neste tra-balho, o termo morbidade psicológica inclui a combinaçcâo de depressâo e ansiedade.12

De acordo com o Modelo de Coping de Estresse de Maes et al.,13 casos relacionados a doenças, tratamento de doençcas e características demográficas estâo relacionados a respostas emocionais e cognitivas, bem como coping, que preveem consequências psicológicas, físicas e sociais da doenca. O coping também é influenciado pelos recursos internos e externos do indivíduo. Com base no Modelo de Coping de Estresse, neste estudo, a resposta emocional foi analisada como morbidade psicológica, o evento relacionado à saúde considerou a sonolência diurna excessiva e as consequências psicológicas incluíam tanto a qualidade do sono quanto os comportamentos de saúde. Os hábitos de sono foram considerados um recurso interno que, por meio do coping, também poderia influenciar comportamentos de saúde. Com esses objetivos em mente, o foco desta pesquisa foi analisar o possível papel mediador da morbidade psicológica na relaçcâo entre a sonolência diurna excessiva e a qualidade do sono, bem como o papel mediador da morbidade psicológica na relaçcâo entre hábitos de sono e comportamentos de saúde.

Material e métodos Participantes

Duas escolas públicas no norte de Portugal concordaram em participar desta pesquisa. A amostra era composta de adolescentes de ambos os sexos entre 12 e 18 anos. Os critérios de inclusâo eram ser um adolescente entre 12 e 18 anos, ter uma autorizacçâo preenchida pelos pais e estar presente na aula no dia da inscriçcâo. Nâo houve critérios de exclusâo.

Medidas

Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh (PSQI).14 Esse instrumento avalia a qualidade do sono durante o mês anterior

e inclui 19 itens. O PSQI é composto de sete itens que ava-liam disfunçâo diurna, medicacâo para o sono, interrupcoes do sono, eficiência do sono, duracâo do sono, latência do sono e qualidade do sono. Escores mais elevados indicam pior qualidade do sono. Neste estudo, apenas a escala total foi usada e o alfa de Cronbach foi de 0,60.

Questionário de Hábitos de Sono (SHQ).15 Esse questioná-rio com 12 itens avalia o impacto de comportamentos que poderâo influenciar o sono de adolescentes (por exemplo: quantas vezes por semana o adolescente joga videogame após o horário de dormir, quantas vezes por semana o adolescente lê, estuda ou faz tarefa após o horário de dormir). Nesta amostra, o alfa de Cronbach da escala total foi de 0,70.

Escala Modificada de Sonolência Excessiva (MESSA).16 O instrumento avalia a propensâo de os adolescentes dormi-rem em diferentes situacoes e é composto de 13 itens. Um escore mais elevado indica a presenca de sonolência diurna excessiva. Neste estudo, o alfa de Cronbach da escala total foi de 0,78.

Escalas de Ansiedade e Depressâo Hospitalar (HADS).17 O instrumento avalia os níveis de depressâo e ansiedade. Ele tem 14 itens que fornecem uma escala global de morbidade psicológica com duas subescalas (ansiedade e depressâo). O escore limite da depressâo e da ansiedade clínicas é considerado 8, segundo os autores. A soma das duas subescalas fornece um escore de morbidade psicológica. Neste estudo, apenas a escala total foi usada. O alfa de Cronbach nessa amostra foi de 0,76.

Questionário de Comportamentos de Saúde (HBQ).18 O instrumento de 24 itens avalia comportamentos de saúde como exercícios, dieta saudável, higiene bucal e exames de rotina. Um escore mais elevado indica comportamentos mais saudáveis. Neste estudo, o alfa de Cronbach da escala total foi de 0,70.

Procedimento

O estudo foi aprovado pelo Comitê Geral de Educacâo. Os dados foram coletados em duas escolas públicas de ensino médio na regiâo norte de Portugal. Em cada escola, os professores que concordaram em participar ofereceram um de seus períodos de aula para a participacçâo dos alunos. Os pais assinaram um consentimento informado a respeito da participaçcâo voluntária do adolescente. Os questionários autoadministrados foram preenchidos durante o período de aula por um dos pesquisadores.

Análise de dados

O cálculo do tamanho da amostra teve como base a fórmula de Tabachnick e Fidell.19 As mediacoes foram feitas por meio do método bootstrap.10 O bootstrap é um método estatís-tico nâo paramétrico por meio do qual é possível chegar a intervalos de confianca mais precisos do que os métodos convencionais. As estimativas do parámetro tiveram como base 3.000 amostras bootstrap. O viés corrigiu e antecipou intervalos de confianca de 95%, que foram, entâo, examinados e se os intervalos de confiançca nâo contivessem zero, o efeito indireto era considerado significativo em p<0,05.

Resultados

A amostra era composta de 272 adolescentes do ensino médio entre 12 e 18 anos (M=15,48, DP = 1,61), 58% do sexo feminino, 90% brancos. Da amostra total, 31% consumiam 1-2 xícaras de café por dia e 23% consumiam bebidas energéticas. Além disso, 79% dos adolescentes tinham pais casados e 35% relataram ter um membro da familia com problemas de sono. Os adolescentes relataram que 73% de seus pais bebiam álcool, bem como 51% de suas mâes. Além disso, 31% dos pais de adolescentes e 15% de suas mâes fumavam.

Morbidade psicológica como mediadora na relacâo entre sonolência diurna excessiva e qualidade do sono

O efeito indireto da sonolência diurna excessiva sobre a qua-lidade do sono nâo foi mediado pela morbidade psicológica (intervalo de confianca de 95% = 0,009 para 0,047, p = ns) (tabela 1, fig. 1).

Morbidade psicológica como mediadora na relacâo entre hábitos de sono e comportamentos de saúde

A morbidade psicológica foi uma mediadora significativa na relacçâo entre hábitos de sono e comportamentos de saúde (intervalo de confianca de 95% = -0,044 para -0,004, p = 0,02) (tabela 2, fig. 2). '

Discussâo

O primeiro objetivo deste estudo foi analisar se a morbidade psicológica (depressâo e ansiedade) era mediadora na relaçcâo entre a sonolência diurna excessiva e a qualidade do sono em adolescentes. O efeito indireto da sonolência diurna excessiva sobre a qualidade do sono nâo foi mediado pela morbidade psicológica. Esse resultado foi surpreen-dente porque, conforme descrito anteriormente, o sono está relacionado à morbidade psicológica em adolescentes e a transtornos de humor.21 Os estudos constataram uma relaçcâo bidirecional entre a morbidade psicológica, a saúde mental e a qualidade do sono.22,23 Outro estudo que compara adolescentes deprimidos com grupos de controle, que usou EEG, apresentou conclusoes incoerentes em termos de padroes de sono.24 Os autores concluíram que a meditacâo negativa e a angústia no horário de dormir, em adolescentes, acentuou ainda mais a interaçcâo entre a morbidade psicológica e a insônia. Os transtornos de ansiedade tendem a seguir os mesmos padroes que a depressâo com relacâo a problemas de sono. Na verdade, adolescentes com transtornos de ansiedade reclamam sobre despertar noturno e dificuldade de adormecer.24 Contudo, de acordo com alguns estudos longitudinais, problemas de sono preveem morbidade psicológica, e nâo o contrário.11 Nossos resultados estâo de acordo com esses estudos que nâo mostram efeito causal entre a morbidade psicológica e a qualidade do sono.

A morbidade psicológica foi mediadora na relacâo entre hábitos de sono e comportamentos de saúde. Estudos anteriores constataram uma forte relaçcâo entre a morbidade psicológica e o vício em internet25 e entre o

Tabela 1 Análise Bootstrap da Significancia Estatística e Magnitude do Efeito Indireto

Independente Variável Mediador Variável Dependente Variável Média B Efeito Indireto DP da Média Média de IC de 95% Efeito Indireto (menor e maior)

MESSA HADS PSQI 0,025 0,009 0,009a - 0,047

MESSA, Escala Modificada de Sonolência Excessiva; HADS, Escala de Ansiedade e Depressâo Hospitalar; PSQI, Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh. a Valor significativo.

Tabela 2 Análise Bootstrap da Significancia Estatística e Magnitude do Efeito Indireto

Independente Variável Mediador Variável Dependente Variável Média B Efeito Indireto DP da Média Média de IC de 95% Efeito Indireto (menor e maior)

SHQ HADS HBQ -0,021a 0,010 -0,044a --- -0,004

HADS, Escala de Ansiedade e Depressâo Hospitalar; HBQ, Questionário de Comportamentos de Saúde; SHQ, Questionário de Hábitos de Sono. a Valor significativo.

hábito de assistir a programas de mídia (televisâo, jogos de computador, internet) e os padroes de sono.26 Adi-cionalmente, comportamentos que envolvem o consumo de álcool também foram relacionados a problemas de sono (insônia, por exemplo),27 o consumo de cafeína foi associado com o uso de tecnologia e apresentou um impacto sobre a qualidade do sono do adolescente.6

Os distúrbios do sono implicam um risco nâo apenas de transtornos mentais, mas também de morbidade física.28 Além disso, a morbidade psicológica (depres-sâo/ansiedade), o consumo de drogas e os problemas comportamentais sâo dificuldades normalmente relatadas por adolescentes com sono perturbado.29 Portanto, nâo surpreende que a morbidade psicológica desempenhe um

a p S 0,001.

Figura 1 Morbidade psicológica como mediadora na relacâo entre sonolência diurna excessiva e qualidade do sono.

Morbidade psicológica

a = -0,058a b = 0,376b

Hábitos de sono c = -0,006 Comportamentos de saúde

a p S 0,001. b p < 0,01.

Figura 2 Morbidade psicológica como mediadora na relacâo entre hábitos de sono e comportamentos de saúde.

papel mediador na relacâo entre hábitos de sono e comportamentos de saúde. A restricâo de sono pode ter vários fatores de risco e a carga acumulada desses fatores poderá afetar a cronicidade e a frequência de problemas de sono mais intensamente.30

Este estudo tem várias limitacoes que precisam ser reco-nhecidas. A amostra era apenas do norte do país, o que limita a generalizacâo das conclusoes. O alfa de Cronbach do Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh foi satisfató-rio, porém baixo. E a amostra incluiu apenas adolescentes do ensino médio. Futuros estudos longitudinais devem verificar como a morbidade psicológica desempenha um papel no estilo de vida do adolescente e no desenvolvimento de distúrbios do sono.

O estudo atual destaca a importancia da morbidade psicológica, de hábitos de sono e comportamentos de saúde em adolescentes. De acordo com os resultados, a morbidade psicológica tem um importante papel mediador entre o sono e os comportamentos de saúde do adolescente. A conscientizaçâo de profissionais da saúde na deteccâo de sintomas de depressâo e ansiedade deve ser levada em consideracâo em consultas pediátricas, principalmente quando problemas de sono e comportamentos de saúde de risco estâo envolvidos.

Finançiamento

Erasmus Mundus 15. Conflitos de interesse

Os autores declaram nâo haver conflitos de interesse. Referencias

1. Paiva T, Gaspar T, Matos MG. Sleep deprivation in adolescents: correlations with health complaints and health-related quality of life. Sleep Med. 2015;16:521-7.

2. Mindell JA, Owens JA. A clinical guide to pediatric sleep: diagnosis and management of sleep problems. Philadelphia: Lippincott Williams а Wilkins; 2009.

3. Vyazovskiy VV, Harris KD. Sleep and the single neuron: the role of global slow oscillations in individual cell rest. Nat Rev Neu-rosci. 2013;14:443-51.

4. Owens J. Adolescent Sleep Working Group; Committee on Adolescence. Insufficient sleep in adolescents and young adults: an update on causes and consequences. Pediatrics. 2014;134:e921-32.

5. Lemola S, Perkinson-Gloor N, Brand S, Dewald-Kaufmann JF, Grob A. Adolescents' electronic media use at night, sleep disturbance, and depressive symptoms in the smartphone age. J Youth Adolesc. 2015;44:405-18.

6. CalamaroCJ, Mason TB, RatcliffeSJ. Adolescents living the 24/7 lifestyle: effects of caffeine and technology on sleep duration and daytime functioning. Pediatrics. 2009;123:e1005-10.

7. Johns MW. What is excessive daytime sleepiness? In: Fulke P, Vaughan S, editors. Sleep deprivation: causes, effects, and treatment. New York: Nova Science; 2009. p. 59-94.

8. Shochat T, Cohen-Zion M, Tzischinsky O. Functional consequences of inadequate sleep in adolescents: a systematic review. Sleep Med Rev. 2014;18:75-87.

9. Alfano CA, Zakem AH, Costa NM, Taylor LK, Weems CF. Sleep problems and their relation to cognitive factors, anxiety, and

depressive symptoms in children and adolescents. Depress Anxiety. 2009;26:503-12.

10. Baum KT, Desai A, Field J, Miller LE, Rausch J, Beebe DW. Sleep restriction worsens mood and emotion regulation in adolescents. J Child Psychol Psychiatry. 2014;55:180-90.

11. Lovato N, Gradisar M. A meta-analysis and model of the relationship between sleep and depression in adolescents: recommendations for future research and clinical practice. Sleep Med Rev. 2014;18:521-9.

12. Gregory AM, Sleep Sadeh A. emotional and behavioral difficulties in children and adolescents. Sleep Med Rev. 2012;16:129-36.

13. Maes S, Leventhal H, de Ridder DT. Coping with chronic diseases. In: Zeidner M, Endler S, editors. Handbook of coping: theory research and applications. New York: John Willey; 1996. p. 221-51.

14. Buysse DJ, Reynolds CF, Monk TH, Berman SR, Kupfer DJ. The Pittsburgh Sleep Quality Index: a new instrument for psychiatric practice and research. Psychiatry Res. 1989;28: 193-213.

15. Billings T, Berg-Cross L. Sleep competing activities and sleep problems. Washington, DC: Howard University; 2010.

16. Billings T, Berg-Cross L. The Modified Epworth Sleepiness Scale for Adolescents: a brief measure of daytime sleepiness in adolescents. Washington, DC: Howard University; 2010.

17. McIntyre T, Pereira MG, Soares V, Gouveia J, Silva S. Escala de ansiedade e de depressäo hospitalar. Versäo portuguesa de investigacäo. Braga: Universidade doMinho; 1999.

18. Pedras CS. Variaveis de saude, familiares e de psicopatologia em filhos de veteranos da guerra colonial portuguesa. Braga: Universidade do Minho; 2009.

19. Tabachnick BG, Fidell LS. Using multivariate statistics. 5 ed. Boston: Pearson Education; 2007.

20. Preacher KJ, Hayes AF. SPSS and SAS procedures for estimating indirect effects in simple mediation models. Behav Res Methods Instrum Comput. 2004;36:717-31.

21. Farias AC, Cordeiro ML. Mood disorders in children and adolescents: update for pediatricians. J Pediatr (Rio J). 2011;87:373-81.

22. Riemann D, Berger M, Voderholzer U. Sleep depression -results from psychobiological studies: an overview. Biol Psychol. 2001;57:67-103.

23. Cortese S, Brown TE, Corkum P, Gruber R, O'Brien LM, Stein M, et al. Assessment and management of sleep problems in youths with attention-deficit/hyperactivity disorder. J Am Acad Child Adolesc Psychiatry. 2013;52:784-96.

24. Dahl RE, Lewin DS. Pathways to adolescent health sleep regulation and behavior. J Adolesc Health. 2002;31:175-84.

25. Whang LS, Lee S, Chang G. Internet over-users' psychological profiles: a behavior sampling analysis on internet addiction. Cyberpsychol Behav. 2003;6:143-50.

26. Van den Bulck J. Television viewing, computer game playing, and Internet use and self-reported time to bed and time out of bed in secondary-school children. Sleep. 2004;27:101-4.

27. Huang R, Ho SY, Lo WS, Lai HK, Lam TH. Alcohol consumption and sleep problems in Hong Kong adolescents. Sleep Med. 2013;14:877-82.

28. Vgontzas AN, Bixler EO, Lin HM, Prolo P, Mastorakos G, Vela-Bueno A, et al. Chronic insomnia is associated with nyctohemeral activation of the hypothalamic-pituitary--adrenal axis: clinical implications. J Clin Endocrinol Metab. 2001;86:3787-94.

29. Roberts RE, Roberts CR, Duong HT. Sleepless in adolescence: prospective data on sleep deprivation, health and functioning. J Adolesc. 2009;32:1045-57.

30. Roberts RE, Roberts CR, Xing Y. Restricted sleep among adolescents: prevalence, incidence, persistence, and associated factors. Behav Sleep Med. 2011;9:18-30.