Scholarly article on topic '#4. Exodontia de terceiro molar com proximidade a nervo alveolar inferior bifurcado'

#4. Exodontia de terceiro molar com proximidade a nervo alveolar inferior bifurcado Academic research paper on "Health sciences"

CC BY-NC-ND
0
0
Share paper
Keywords
{}

Academic research paper on topic "#4. Exodontia de terceiro molar com proximidade a nervo alveolar inferior bifurcado"

com um comportamento agressivo localmente e uma baixa taxa de disseminacao e metastizacao a distancia. Pode afetar qualquer parte da mucosa oral e surgir em locais prévios de leucoplasia, eritroplasia e/ou leucoplasia verrucosa prolifera-tiva. Apesar de ainda pouco conhecida a sua etiologia, sabe-se que os hábitos tabágicos e alcoólicos contribuem para o seu desenvolvimento. O papel do HPV nesta patologia parece nao estar provado. Sabe-se ainda que existe uma entidade denominada CV híbrido, onde se verifica a coexistencia de CV e carcinoma pavimento celular na mesma lesao, o que torna ainda maior a necessidade de uma abordagem mais interven-tiva e segura nestes casos.

Descrigao do caso clínico: Neste trabalho, descrevemos o caso de uma doente com 54 anos de idade, fumadora de 20 UMA, que recorreu a consulta de medicina oral com uma lesao branca hiperqueratótica de tipo verrucoso, no dorso da língua, paramediana esquerda, com cerca de 1,5 cm de maior diámetro, nao dolorosa, com cerca de um ano de evolucao. A análise anatomopatológica da biópsia incisional revelou hiperplasia verruciforme, pelo que se realizou a excisao total da lesao com margens. O resultado anatomopatológico da peca operatória revelou focos de CV, com margens livres. Ao final de um ano de follow-up, a doente mantém-se sem lesöes.

Discussao e conclusao: A abordagem das hiperplasias ver-rucosas da mucosa oral deve ser semelhante a do CV (excisao total da lesao com margens) uma vez que, apenas com o resultado da biópsia incisional, nao é possível excluir focos de CV noutros locais da lesao. A probabilidade da coexistencia de focos de carcinoma pavimento celular com CV na mesma lesao (entidade denominada carcinoma oral híbrido) corrobora a necessidade de excisao total da lesao.

CrossMark

http://dx.doi.org/10.1016/j.rpemd.2015.10.060

#3. Impactaçâo do dente 21 causada pela presença de dois mesiodens - Caso clínico

Pedro Mesquita *, Helena Salgado

Faculdade de Medicina Dentária da Universidade do Porto (FMDUP)

Introducto: Os dentes supranumerários constituem uma anomalia dentária de número cuja prevalência varia, de acordo com os estudos, entre 0,1-3,5% para a denticao permanente e entre 0,05-1,9% para a denticao decidua. Podem ocorrer na maxila ou na mandíbula, uni ou bilateralmente, isolados, em pares ou em número variado. A localizacao mais frequente é: na linha média, entre incisivos centrais superiores, designando-se, nestes casos, mesiodens; ou na zona molar, lateral ou distalmente ao terceiro molar, designando--se, nestes casos, para ou distomolares, respetivamente. O mesiodens constitui cerca de 36% dos supranumerários, com localizacao, preferencialmente, palatina interincisiva e morfologia cónica ou triangular. Além de diastemas, os supranumerários podem originar atraso na erupcao dentária, erupcao ectópica, inclusao dentária, reabsorçôes radiculares dos dentes adjacentes ou quistos dentigeros.

Descrigao do caso clínico: Crianza do género masculino, raga caucasiana, com 10 anos de idade, veio a consulta de medicina dentária acompanhada dos pais, demonstrando preocupacao no atraso na erupcao dos incisivos superiores esquerdos. Ao exame clínico foi possível verificar a presenca na arcada do dente 61, tendo já esfoliado o dente 62 e erupci-onado o dente 11. Após realizacao de uma ortopantomografia, foi possível detetar a presenca de um dente supranumerá-rio na linha média, causador da impactacao do dente 21. Na tomografia axial computorizada verificou-se a presenca de um segundo dente supranumerário, um mesiodens, localizado por palatino. Os 2 dentes supranumerários foram removidos cirurgicamente, sob efeito de anestesia geral. O paciente tem sido controlado periodicamente para avaliar a erupcao espontanea do dente 21.

Discussao e conclusoes: Os supranumerários constituem uma anomalia que, apesar de muitas vezes permanecer assin-tomática, pode estar associada a complicares diversas. Uma vez que apenas 25% dos dentes supranumerários erupcionam, o exame radiográfico reveste-se de especial importancia para um correto e precoce diagnóstico destas anomalias. A remocao cirúrgica está indicada, sendo controverso qual o momento ideal para a sua realizacao. A maior parte dos incisivos impactados pela presenca de um supranumerário erupcionam espontaneamente após a sua remocao. No entanto, pode haver necessidade da realizacao de tracao ortodontica do incisivo. Daí ser fundamental o controlo periódico destes pacientes após a cirurgia.

http://dx.doi.org/10.10167j.rpemd.2015.10.061

#4. Exodontia de terceiro molar com proximidade a nervo alveolar inferior bifurcado

Tatiana Rodrigues Gomes*, Joana Cardoso Mendes, Bruno Leitäo de Almeida

Centro Regional das Beiras, Universidade Católica Portuguesa

Introducto: A exodontia de terceiros molares é uma prá-tica frequente na consulta de medicina dentária. A relacao anatómica destes dentes com o nervo alveolar inferior é já bem conhecida. Apesar disso, existem variares anatómicas que, embora pouco frequentes, devem ser observadas no pré--operatório. A bifurcacao do nervo alveolar inferior é uma delas.

Descricao do caso clínico: Paciente de 18 anos do sexo femi-nino, em fase final de tratamento ortodontico, apresentou-se na clínica com indicacao de exodontia do dente 3.8. Após exames auxiliares de diagnóstico (ortopantomografia e tomografia posterior), verifica-se a existencia de bifurcacao no trajeto do nervo alveolar inferior esquerdo. O procedimento cirúrgico foi realizado de forma convencional, respeitando a integridade das estruturas de interesse.

Discussao e conclusoes: A técnica cirúrgica cuidada per-mitiu a realizacao do caso sem complicares imediatas ou

tardías. O planeamento pré-cirúrgico recorrendo a exame clínico e exames auxiliares de diagnóstico é fundamental para a realizado deste tipo de procedimentos em seguranca, para o paciente e para o profissional.

CrossMark

http://dx.doi.org/10.1016/j.rpemd.2015.10.062

#5. Estratégias de anticoagulagao em cirurgia oral: pacientes com alto risco tromboembólico

Rita Machado de Carvalho *, Cristina Gamboa, António Silva

Introducao: O objetivo deste caso clínico foi a abordagem da melhor estratégia para a descontinuado do anticoagulante oral, em vista a um procedimento cirúrgico, neste caso, den-tário.

Descricao do caso clínico: No ámbito deste caso clínico estudaram-se 2 pacientes com patologia clínica, ambos com elevado risco embólico. Paciente 1: homem, 71 anos, fibrilacao auricular, próteses mecánicas mitral e aórtica, medicado com varfarina. Plano de tratamento: colocacao de implantes den-tários e de uma ponte metalocerámica no maxilar superior; colocacao de uma prótese esquelética no setor inferior. Paciente 2: mulher, 67 anos, fibrilacao auricular, prótese mitral mecánica, medicada com varfarina. Plano de tratamento: tra-tamento endodontico do 23 e exodontia do 34. Em ambos os pacientes interrompeu-se a terapéutica anticoagulante, em vista a um procedimento dentário.

Discussao e conclusoes: No paciente 1, a vigiláncia e controlo dos parámetros de coagulacao e terapéutica da substituicao com heparina SC sao realizados em ambulatório. No paciente 2, todo este controlo é realizado em ambiente hos-pitalar com monitorizacao diária dos parámetros. No paciente 1, verificou-se a ocorréncia de um AVC isquémico no período pós-cirúrgico; na paciente 2 nao se verificaram intercorrén-cias de qualquer tipo. No caso dos doentes com alto risco embólico, no qual estao incluídos os doentes com próteses mecánicas com ou sem fibrilacao auricular, a estratégia deve ser sempre a que mantenha o doente com a terapéutica preventiva de embolias, tanto no período pré-operatório, como no pós-operatório. Deve ser ponderada a estratégia em funcao do risco tromboembólico vs. hemorrágico, caso a caso. Neste período estratégico, que requer a monitorizacao dos valores de coagulacao, este deve ser cuidadosamente supervisionado pelo médico cardiologista.

CrossMark

http://dx.doi.org/10.1016/j.rpemd.2015.10.063

# 6. Tumor de células granulares da língua -Caso clínico

Rita Azenha Cardoso, Ricardo Grazina *, Lia Jorge, Maria Manuela Carrilho

CHUC, Hospital de Braga

Introdugao: O tumor de células granulares, ou tumor de Abrikossoff, é uma neoplasia benigna rara, que é mais comum em mulheres na 4a a 6a décadas de vida, mas que pode ocor-rer em qualquer idade ou sexo. Embora possa afetar qualquer

parte de corpo, 45-65% das lesoes reportadas localizam-se na cabeca e pescoco, sendo que as lesoes intraorais corres-pondem a cerca de 70% destas. A localizacao intraoral mais comum é a língua.

Descricao do caso clínico: Os autores descrevem um caso de uma doente de 65 anos, que apresentava uma lesao nodular no bordo lateral esquerdo da língua, com cerca de 2 anos de evolucao, indolor e nao ulcerada. Nao apresentava ade-nopatias a palpacao das cadeias ganglionares cervicais, nem sintomatologia sistémica. Foi efetuada biópsia incisional, que revelou tratar-se de um tumor de células granulares. Perante este resultado, procedeu-se a excisao radical da lesao.

Discussao e conclusoes: Devem ser considerados vários diagnósticos diferenciais na abordagem destas lesoes, nome-adamente, devem ser descartadas situacoes malignas. O tratamento de escolha consiste em excisao cirúrgica da lesao e a recorréncia é rara. Quando ocorre, pode ser localmente ou a distáncia, por isso, necessitam de um follow-up longo.

http://dx.doi.org/10.1016/j.rpemd.2015.10.064

# 7. Caso clínico de metástases orais de adenocarcinoma do cólon

Lia Jorge *, José Azenha Cardoso, Rita Azenha Cardoso, Ricardo Grazina, Álvaro Diogo Rodrigues

Hospital de Braga; Centro Hospitalar Universitário de Coimbra; Instituto Portugués de Oncología Francisco Gentil de Coimbra

Introducao: A metastizacao para a cavidade oral é incomum, representando cerca de 1% das neoplasias que envolvem este órgao. Na grande maioria dos casos, o tumor primário já é conhecido quando se diagnostica a lesao oral, mas esta poderá. Excecionalmente, ser o primeiro sinal de patologia neoplásica.

Descricao do caso clínico: Doente do sexo masculino, 87 anos de idade, antecedentes patológicos de adenocarci-noma do cólon, cirurgicamente tratado há 12 anos. Hábitos tabágicos e etílicos negados. Encaminhado para a consulta externa do servico de estomatologia e cirurgia maxilofa-cial do Instituto Portugués de Oncologia Francisco Gentil de Coimbra por apresentar tumefacao maxilar, envolvendo o primeiro quadrante por vestibular, com crescimento exuberante há cerca de um més e com áreas de ulceracao há cerca de uma semana. Biópsia incisional revelou resultado histológico compatível com adenocarcinoma, provavelmente metastático. Tomografia computadorizada cervico- toraco--abdomino-pélvica mostrou lesoes nodulares sólidas no rim esquerdo e no páncreas.

Discussao e conclusao: Para tumores de regioes inferiores, a via hematogénica é o mecanismo mais provável de disseminacao. A gengiva representa a localizacao mais comum de metastizacao para tecidos moles intraorais. As lesoes apresentam-se habitualmente como uma massa nodular, tipo granuloma piogénico. A metastizacao oral é mais frequente em homens idosos. A aparéncia microscópica da neoplasia metastática deve ser compatível com o tumor primário. Após discussao clínica, em consulta de decisao