Scholarly article on topic 'Desfechos da gestação em pacientes com dermatomiosite e polimiosite'

Desfechos da gestação em pacientes com dermatomiosite e polimiosite Academic research paper on "Health sciences"

CC BY-NC-ND
0
0
Share paper
Academic journal
Revista Brasileira de Reumatologia
OECD Field of science
Keywords
{Dermatomiosite / "Miopatias inflamatórias" / "Intercorrências obstétricas" / Polimiosite / Gestação / Dermatomyositis / "Inflammatory myopathies" / "Obstetric intercurrences" / Polymyositis / Pregnancy}

Abstract of research paper on Health sciences, author of scientific article — Larissa Sayuri Missumi, Fernando Henrique Carlos de Souza, Joelma Queiroz Andrade, Samuel Katsuyuki Shinjo

Resumo Introdução Há poucos estudos que descrevem a gravidez em pacientes com dermatomiosite/polimiosite. São, em grande parte, limitados a relatos de casos ou estudos com amostras pequenas. Objetivos Analisar a gestação em uma grande amostra de pacientes com dermatomiosite/polimiosite e os desfechos naquelas que engravidaram durante ou depois do início da doença. Métodos Foram analisados 98 pacientes do sexo feminino com miopatias inflamatórias idiopáticas (60 com dermatomiosite e 38 com polimiosite). Elas foram entrevistadas entre junho de 2011 e junho de 2012 para coletar seus antecedentes obstétricos e dados demográficos. Resultados Tinham antecedentes obstétricos 78 (79,6%) das 98 pacientes. Seis pacientes com polimiosite e nove com dermatomiosite engravidaram após o início da doença. O desfecho da gravidez nessas pacientes foi bom, exceto nos seguintes casos: um de reativação da doença, um de retardo do crescimento fetal, um de diabetes mellitus, um de hipertensão arterial, um de hipotireoidismo e dois de aborto (mesma paciente). Além disso, duas pacientes desenvolveram dermatomiosite durante a gravidez e quatro (duas polimiosite e duas dermatomiosite) durante o período pós‐parto, com bom controle a seguir com glucocorticoides e terapia imunossupressora. Conclusões Os eventos obstétricos adversos estiveram relacionados com as intercorrências clínicas e a gravidez não parece levar especificamente a um pior prognóstico na doença (por exemplo: recidiva). Além disso, a dermatomiosite ou polimiosite de início durante a gestação ou no período pós‐parto apresentou boa evolução depois do tratamento farmacológico. Abstract Background Currently, there are few studies that describe pregnancy in dermatomyositis/polymyositis patients, and they are largely limited to case reports or studies with few samples. Objectives Therefore, we describe the pregnancy in a large sample of patients with dermatomyositis/polymyositis and to analyze the outcomes in those who became pregnant during or after disease onset. Methods The present single‐center study analyzed 98 female patients with idiopathic inflammatory myopathies (60 dermatomyositis and 38 polymyositis patients). They were interviewed to obtain obstetric antecedent and demographic data from June 2011 to June 2012. Results Seventy‐eight (79.6%) of the 98 patients had obstetric histories. Six polymyositis and 9 dermatomyositis patients became pregnant after disease onset. The pregnancy outcomes in these cases were good, except in the following cases: 1 disease reactivation, 1 intrauterine growth retardation, 1 diabetes mellitus, 1 hypertension, 1 hypothyroidism, and 2 fetal losses (same patient). Moreover, 2 patients developed dermatomyositis during pregnancy and 4 (2 polymyositis and 2 dermatomyositis) during the postpartum period with good control after glucocorticoid and immunosuppressant therapy. Conclusions The adverse obstetric events were related to clinical intercurrences and the pregnancy does not seem to carry a worse prognosis specifically in disease (for example: disease relapsing). Moreover, dermatomyositis or polymyositis onset during pregnancy or the postpartum period had good outcome after drug therapy.

Academic research paper on topic "Desfechos da gestação em pacientes com dermatomiosite e polimiosite"

REVISTA BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA

www.reumatologia.com.br

SOCIEDADE BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA

Artigo original

Desfechos da gestagao em pacientes com dermatomiosite e polimiosite

Larissa Sayuri Missumia, Fernando Henrique Carlos de Souzaa, Joelma Queiroz Andradea e Samuel Katsuyuki Shinjob'*

a Departamento de Reumatologia, Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de Sao Paulo, Sao Paulo, SP, Brasil b Departamento de Reumatologia, Faculdade de Medicina da Universidade de Sao Paulo, Sao Paulo, SP, Brasil

CrossMark

informaqoes sobre o artigo

resumo

Histórico do artigo: Recebido em 17 de maio de 2014 Aceito em 6 de outubro de 2014 On-line em 7 de novembro de 2014

Palavras-chave: Dermatomiosite Miopatias inflamatorias Intercorrencias obstétricas Polimiosite

Gestaçao

Introduqao: Há poucos estudos que descrevem a gravidez em pacientes com dermatomio-site/polimiosite. Sao, em grande parte, limitados a relatos de casos ou estudos com amostras pequenas.

Objetivos:Analisar a gestacao em uma grande amostra de pacientes com dermatomio-site/polimiosite e os desfechos naquelas que engravidaram durante ou depois do inicio da doenca.

Métodos:Foram analisados 98 pacientes do sexo feminino com miopatias inflamatorias idio-páticas (60 com dermatomiosite e 38 com polimiosite). Elas foram entrevistadas entre junho de 2011 e junho de 2012 para coletar seus antecedentes obstétricos e dados demográficos. Resultados:Tinham antecedentes obstétricos 78 (79,6%) das 98 pacientes. Seis pacientes com polimiosite e nove com dermatomiosite engravidaram após o inicio da doenca. O desfecho da gravidez nessas pacientes foi bom, exceto nos seguintes casos: um de reativacao da doenca, um de retardo do crescimento fetal, um de diabetes mellitus, um de hipertensao arterial, um de hipotireoidismo e dois de aborto (mesma paciente). Além disso, duas pacientes desenvolveram dermatomiosite durante a gravidez e quatro (duas polimiosite e duas der-matomiosite) durante o periodo pós-parto, com bom controle a seguir com glucocorticoides e terapia imunossupressora.

Conclusoes: Os eventos obstétricos adversos estiveram relacionados com as intercorrencias clínicas e a gravidez nao parece levar especificamente a um pior prognóstico na doenca (por exemplo: recidiva). Além disso, a dermatomiosite ou polimiosite de inicio durante a gestacao ou no periodo pós-parto apresentou boa evolucao depois do tratamento farmacológico.

© 2014 Elsevier Editora Ltda. Todos os direitos reservados.

* Autor para correspondencia. E-mail: samuel.shinjo@gmail.com (S.K. Shinjo). http://dx.doi.org/10.1016/j.rbr.2014.10.001

0482-5004/© 2014 Elsevier Editora Ltda. Todos os direitos reservados.

Pregnancy outcomes in dermatomyositis and polymyositis patients

abstract

Keywords: Dermatomyositis Inflammatory myopathies Obstetric intercurrences Polymyositis Pregnancy

Bacfeground:Currently, there are few studies that describe pregnancy in dermatomyosi-tis/polymyositis patients, and they are largely limited to case reports or studies with few samples.

Objectiues:Therefore, we describe the pregnancy in a large sample of patients with derma-tomyositis/polymyositis and to analyze the outcomes in those who became pregnant during or after disease onset.

Methods:The present single-center study analyzed 98 female patients with idiopathic inflammatory myopathies (60 dermatomyositis and 38 polymyositis patients). They were interviewed to obtain obstetric antecedent and demographic data from June 2011 to June 2012.

ResuIts:Seventy-eight (79.6%) of the 98 patients had obstetric histories. Six polymyositis and 9 dermatomyositis patients became pregnant after disease onset. The pregnancy outcomes in these cases were good, except in the following cases: 1 disease reactivation, 1 intrauterine growth retardation, 1 diabetes mellitus, 1 hypertension, 1 hypothyroidism, and 2 fetal losses (same patient). Moreover, 2 patients developed dermatomyositis during pregnancy and 4 (2 polymyositis and 2 dermatomyositis) during the postpartum period with good control after glucocorticoid and immunosuppressant therapy.

ConcIusions:The adverse obstetric events were related to clinical intercurrences and the pregnancy does not seem to carry a worse prognosis specifically in disease (for example: disease relapsing). Moreover, dermatomyositis or polymyositis onset during pregnancy or the postpartum period had good outcome after drug therapy.

© 2014 Elsevier Editora Ltda. All rights reserved.

Introducáo

A dermatomiosite (DM) e a polimiosite (PM) sao miopatias inflamatorias sistemicas autoimunes caracterizadas por fra-queza simétrica na musculatura proximal de inicio subagudo. Além disso, as manifestacoes cutáneas, como eritema em heliótropo e pápulas de Gottron, estao presentes na DM. Ademais, as manifestacoes extramusculares, como as alteracoes articulares, cardiorrespiratórias e gastrointestinais, podem ser encontradas em ambas as doencas.1'2 A incidencia anual de DM/PM é 0,5 a 8,4 casos por milhao de habitantes e afeta duas vezes mais mulheres do que homens, sem predilecao por etnia. A DM afeta tanto criancas quanto adultos, enquanto a PM surge depois da quarta década de vida e muito raramente na infáncia.3-5

Vários estudos feitos em todo o mundo tem avaliado a gravidez em doencas reumáticas sistemicas. No lupus eri-tematoso sistemico, por exemplo, o risco de mortalidade materna é 20 vezes maior do que na gestante saudável. Essas mulheres também tem um alto risco de parto cesárea, parto prematuro, pré-eclámpsia, eventos tromboembólicos e complicares infecciosas e hematológicas.6 Na artrite reuma-toide, vários estudos tem mostrado melhoria dos sintomas durante a gravidez.7 No entanto, especialmente na artrite reu-matoide ativa, há um ligeiro aumento na taxa de criancas que nascem com baixo peso e idade gestacional reduzida.8

Existem poucos estudos que descrevem a gravidez em pacientes DM/PM. Sao, em grande parte, limitados a relatos de casos ou estudos com amostras pequenas.9-27 Assim, pouco se sabe sobre os efeitos da gestacao na DM/PM, se essas

pacientes tem mais dificuldade para engravidar ou se os desfechos da gravidez sao prejudicados pela miosite. Neste estudo, avalia-se a gravidez em uma grande amostra de pacientes com DM/PM e descrevem-se os desfechos naquelas que engravida-ram durante ou após o inicio da doenca.

Materiais e métodos

Este estudo de coorte retrospectiva foi feito em um único centro e incluiu 98 pacientes consecutivas com DM/PM (> 18 anos), de junho de 2011 a junho de 2012. Todas atendiam a pelo menos quatro dos cinco itens dos critérios de Bohan e Peter28 e eram regularmente acompanhadas na unidade de miopatia de nosso centro de atencao terciária, de 1993 a 2012. Pacientes com outras doencas autoimunes sistemicas associadas nao foram incluidas.

O estudo foi aprovado pelo comite de ética local e todas as participantes assinaram um termo de consentimento informado.

Todas as voluntárias foram submetidas a uma entrevista padronizada e seus prontuários médicos foram extensamente revisados. Coletaram-se os dados a seguir: dados demográficos básicos, idade de inicio da doenca, tratamento, quantidade de gestacoes antes e depois do inicio da doenca, atividade da doenca durante a gestacao e desfecho da gravidez.

Tratamento

Os pacientes foram inicialmente tratados com corticosteroi-des (prednisona por via oral, 1 mg/kg/dia), com posterior

redugäo gradual da dose de acordo com a estabilidade clínica e laboratorial. Em caso de doenca grave (dispneia progressiva, disfagia, perda significativa da forca muscular), foi feita pulsoterapia com metilprednisolona (1 g/dia por tres dias consecutivos). Foram usados como monoterapia ou terapia combinada os seguintes agentes poupadores de corticos-teroides: metotrexato (20 a 25 mg/semana), azatioprina (2 a 3 mg/kg/dia) ou ciclosporina (2 a 4 mg/kg/dia), difosfato de cloroquina (3 a 4 mg/kg/dia) e ciclofosfamida (0,5 a 1,0 g/m2 de superficie corporal). A ciclofosfamida foi usada na presenca de dispneia progressiva associada a alterares do parenquima pulmonar, confirmadas pela tomografia compu-tadorizada (opacidade "em vidro fosco" na forma de colmeia de abelha).

Análise estatística

Os dados sao expressos com a média ± desvio padrao (DP) para as variáveis continuas ou com frequencias e percentuais para as variáveis categóricas.

Resultados

Foram encontrados antecedentes obstétricos em 78 (79,6%) das 98 mulheres com DM/PM (fig. 1). Dessas, 57 mulheres, que nao foram descritas neste estudo, tiveram uma gestacao antes do inicio da DM/PM.

Das demais pacientes, 15 engravidaram depois do diagnóstico da doenca; duas mulheres desenvolveram DM/PM durante a gravidez e quatro no período pós-parto. No total, houve 50 gestacoes e 10 mulheres tiveram história de aborto espontaneo. Doze pacientes tiveram entre duas e sete gestacoes e uma a quatro gestacoes ocorreram antes do diagnóstico de DM/PM.

A idade média das gestantes com a doenca estabelecida foi de 30,6 ± 3,7 anos (variacao de 22 a 37 anos), com uma duracao média da doenca de 13,4 ±4,3 anos. Houve nove casos de DM e seis de PM, em 21 gestacoes. Entre as complicares clínicas, houve dois abortos, um caso de retardo do crescimento fetal, um de diabetes gestacional descompensada, um de hipertensao arterial, um de hipotireoidismo descompensado

Figura 1 - Descrigao dos pacientes com dermatomiosite e polimiosite.

e um de trombofilia. Apenas um caso apresentou pioria no estado da doenca; os corticosteroides foram reintroduzidos e foi alcancado um bom controle da doenca. Quatro pacientes receberam corticosteroides durante a gestacao, com um bom controle clínico e laboratorial da enfermidade (tabela 1).

Em dois casos, a doenca (DM) se desenvolveu durante a gestacao (tabela 2). Particularmente na paciente n° 16, os cor-ticosteroides foram iniciados dois meses mais tarde, uma vez que as lesöes cutáneas foram inicialmente atribuidas a reacao alérgica e a fraqueza muscular progressiva nao era tao evidente clinicamente.

Em quatro casos, a DM/PM foi diagnosticada no período pós-parto (tabela 3).

Discussao

Neste estudo, avaliou-se a gestacao em uma grande amostra de pacientes com DM/PM e os desfechos naquelas que engra-vidaram durante ou após o inicio da doenca.

Existem várias pesquisas que analisam a gravidez em doencas reumáticas sistemicas, mas nao na DM/PM. Assim, este estudo somou-se aos poucos trabalhos disponiveis na literatura. Além disso, a vantagem deste estudo foi analisar os antecedentes obstétricos em uma grande amostra de pacientes com DM/PM.

Existem dois tipos de miosites relacionadas com a gestacao: um que se manifesta durante a gravidez e outro, menos comum, que se desenvolve no periodo pós-parto. No presente estudo, nao foi considerado o desfecho de gestacoes que ocorreram antes do diagnóstico de DM/PM.

A evolucao e o comportamento da gestacao nas miopatias inflamatórias ativas ou em remissao ainda é controverso na literatura. Há, por exemplo, uma descricao da gestacao em pacientes com DM/PM em franca atividade. No entanto, com a introducao da terapia medicamentosa, a doenca é controlada sem complicacoes depois do parto.9-13 England et al.16 relataram um caso sem complicares neonatais, mas que resultou em morte materna em razao de uma exacerbacao aguda do diabetes. Silva et al.29 relataram oito casos de desen-volvimento da doenca no periodo pós-parto. Gutierrez et al.30 observaram tres pacientes com doenca previamente inativa que tiveram uma exacerbacao durante a gestacao. Outros estudos tem relatado a doenca após um parto ou aborto e sugerem que o feto atua como um corpo estranho e perpetua a atividade da doenca somente durante a gestacao.'18-21 Neste estudo, todas as pacientes tiveram doenca estável e quatro usaram corticosteroides para controlar a miopatia durante a gestacao. Em contraste, apenas um caso demons-trou reativacao clinica e laboratorial da doenca, que exigiu o uso de corticosteroides, mas com um posterior bom controle da atividade da doenca. Do ponto de vista obstétrico, com excecao dos seis casos, gestacoes bem-sucedidas, sem complicacoes materno-fetais, foram a regra no periodo peri-parto.

Há poucos estudos que envolvem uma amostra grande o suficiente para possibilitar generalizares sobre a gestacao em pacientes com DM/PM.9,29-32 Com base nesses estudos, as principais complicacoes obstétricas descritas sao o retardo do crescimento fetal, a prematuridade e a morte fetal.

Tabela 1 - Características gerais dos desfechos da gestagáo em pacientes com dermatomiosite e polimiosite

N° Idade G/P/A Evento adverso Doenga Duragao da Estado da Tratamento Tratamento Idade Peso do Evento

materna materno doen^a antes doen^a ao prévio atual (na gestacional feto (g) adverso fetal

(anos) da gravidez (anos) engravidar gravidez) (semanas)

1 33 6/0/5 Trombofilia venosa DM 12 Estável MTX 25 mg/semana, AZA 3 mg/kg/dia, CD 4 mg/kg/dia CD 4 mg/kg/dia 32s2d 2090 Saudável

1 35 7/1/5 Hipotireoidismo DM 14 Estável MTX 25 mg/semana, AZA 3 mg/kg/dia, CD 4 mg/kg/dia CD 4 mg/kg/dia Pred 10 mg/dia 37s3d 2410 Saudável

2 30 2/1/0 Saudável DM 6 Estável AZA 3 mg/kg/dia, CD 4 mg/kg/dia - Saudável

2 35 3/2/0 Saudável DM 11 Estável AZA 3 mg/kg/dia, CD 4 mg/kg/dia - Saudável

3 28 1/0/0 Saudável DM 9 Estável MTX 25 mg/semana, AZA 3 mg/kg/dia, CD 4 mg/kg/dia CD 4 mg/kg/dia Saudável

4 24 3/2/0 Saudável DM 6 Estável AZA 3 mg/kg/dia - Saudável

5 22 1/0/0 Saudável DM 18 Estável AZA 3 mg/kg/dia, CD 4 mg/kg/dia CD 4 mg/kg/dia 3410 Saudável

6 33 1/0/0 Saudável PM 12 Estável AZA 3 mg/kg/dia Pred 20 mg/dia 3180 Saudável

7 29 1/0/0 Saudável DM 5 Estável CYC 0,5 a 1,0 g/m2 SC - 3420 Saudável

8 34 4/1/2 Saudável PM 17 Estável AZA 3 mg/kg/dia Pred 30 mg/dia 39s1d 3090 Saudável

9 28 2/1/0 Saudável PM 13 Estável MTX 25 mg/semana, CD 4 mg/kg/dia - Saudável

9 30 3/2/0 PM 15 Estável MTX 25 mg/semana, CD 4 mg/kg/dia - Saudável

9 37 4/3/0 PM 17 Estável MTX 25 mg/semana, CD 4 mg/kg/dia - 3390 Saudável

10 31 1/0/0 DM 13 Estável MTX 25 mg/semana - Aborto

10 32 2/0/1 DM 14 Piora MTX 25 mg/semana Pred 1 mg/kg/dia Aborto

10 34 3/0/2 DM 16 Estável MTX 25 mg/semana - 40w RCF

11 33 2/1/0 PM 21 Estável MTX 25 mg/semana - 3600 Saudável

12 30 1/0/0 PM 19 Estável MTX 25 mg/semana, AZA 3 mg/kg/dia Pred 20 mg/dia Saudável

13 29 3/2/0 PM 13 Estável MTX 20 mg/semana - 3200 Saudável

14 30 3/2/0 DM 17 Estável AZA 3 mg/kg/dia - Saudável

15 26 2/1/0 DM 14 Estável AZA 3 mg/kg/dia - Saudável

SC, superficie corporal; N° número de identificado da paciente; G, gestagoes; P, partos (nascimentos); A, aborto espontáneo; RCF, retardo do crescimento fetal.

Fármacos: AZA, azatioprina; CD, difosfato de cloroquina; CYC, ciclofosfamida; MTX, metotrexato; Pred, prednisolona.

2 O l-i un 5

Tabela 2 - Descrkäo dos dois casos de dermatomiosite de inicio na gravidez

N0 Idade da mae G/P/A Evento adverso Doença Características clínicas e Tratamento Idade Parto Escore de Peso do Evento

(anos) materno laboratoriais gestacional cesárea Apgar feto (g) adverso fetal

(semanas)

Diabetes Hipertensao arterial

1/0/0 Hipotireoidismo

DM Fraqueza muscular

simétrica progressiva, eritema em heliótropo, pápulas de Gottron, creatina quinase 494 UI/L, aldolase 173 UI/L, eletromiografia (miopatia proximal de membro) DM Disfagia, fraqueza muscular progressiva simétrica, eritema em heliótropo, pápulas de Gottron, creatina quinase 22.858 UI/L, aldolase 159 UI/L, eletromiografia (miopatia proximal de membro)

Depois de 2 meses, foi 24s 37s 8/9/9 3210 Saudável

iniciada Perde 1 mg/kg/dia,

com bons resultados.

Depois do parto, foram

adicionados AZA e,

posteriormente, MTX e CP,

com um bom controle da

doença

Pred 1 mg/kg/dia. Depois do 25s 38s 9/10/10 3000 Saudável

parto, foi introduzido MTX, com um bom controle da doença

№, número de identificado da paciente; G, gestacoes; P, partos (nascimentos); A, aborto espontaneo. Fármacos: AZA, azatioprina; CP, ciclosporina; MTX, metotrexato; Pred, prednisolona.

Tabela 3 - Quatro casos de dermatomiosite/polimiosite que foram diagnosticados no período pós-parto

N0 Idade da mae G/P/A Evento adverso Doença Características clínicas e Tratamento Parto Escore Peso do Evento

(anos) materno laboratoriais depois do parto cesárea de Apgar feto (g) adverso fetal

1В 35 3/0/0 PM Dois meses depois do parto: fraqueza muscular simétrica progressiva, creatina quinase 2.300 UI/L, aldolase 29 UI/L, eletromiografia (miopatia proximal de membros), biópsia hepática consistente com uma miopatia inflamatória Cinco meses depois do inicio dos sintomas, foram introduzidos Pred 1 mg/kg/dia, AZA e MTX 40s 9/10/10 3500 Saudável

19 32 3/0/2 Hipotireoidismo PM Tres meses depois do parto: fraqueza muscular progressiva simétrica, creatina quinase 12.426 UI/L, aldolase 175 UI/L, eletromiografia (miopatia proximal de membros) Iniciados imediatamente Pred 1 mg/kg/dia, MTX e AZA. Os sintomas melhoraram após В meses de tratamento farmacológico 36s Morte fetal (macerafáo fetal intrauterina e hipóxia)

20 24 1/0/0 DM Dois meses após o parto, fraqueza muscular progressiva simétrica, creatina quinase 4.100 UI/L, aldolase 45 UI/L, eletromiografia (miopatia proximal de membros), eritema em heliótropo, pápulas de Gottron Iniciada imediatamente pulsoterapia com metilprednisolona (1 g/dia durante 3 dias consecutivos), seguido por Pred 1 mg/kg/dia, mais ciclofosfamida. Posteriormente, iniciado AZA e MTX, com bom controle da doença. 39s 9/10/10 3200

21 25 2/0/0 DM Um mes depois do parto, fraqueza muscular progressiva simétrica, creatina quinase 22000 UI/L, aldolase 45 UI/L, eletromiografia (miopatia proximal de membros), eritema em heliótropo, pápulas de Gottron Iniciado imediatamente Pred 1 mg/kg/dia, mais AZA, CP e MTX, com bom controle da doença. 39s 9/10/10 3300

N°, número de identificado da paciente; G, gestares; P, partos (nascimentos); A, aborto espontáneo.

Fármacos: AZA, azatioprina; CP, ciclosporina; CYC, ciclofosfamida; MTX, metotrexato; Pred, prednisolona.

w r А сл

u S А H

О ГО

No presente estudo, duas mulheres tiveram três gestaçбes depois do início da doenca. No primeiro caso, a paciente (DM) desenvolveu diabetes gestacional na terceira gravidez. No entanto, nao houve reativacao da doenca durante o período periparto ou pós-parto. No segundo caso, uma paciente com DM teve dois abortos; durante sua segunda gestacao, ela experimentou reativaçao da doenca, como mencionado anteriormente. Na terceira gestacao, ela teve retardo do cres-cimento fetal, mas com doenca estável. Em geral, nao houve compИcaçбes significativas na gestacao em nossa amostra, provavelmente porque a maior parte das pacientes tinha doenca estável.

No que diz respeito à fertilidade, tem sido sugerido que as taxas sao significativamente diferentes antes e depois do iní-cio da DM/PM.9 No entanto, a idade avançada ao surgimento e o uso de contraceptivos impedem uma avaliaçao precisa da influência da doenca sobre a fertilidade. Diferentes períodos de seguimento, a falta de mformaçбes sobre o uso de contraceptivos e a escassez de casos também dificultam essa análise. Neste estudo, seis pacientes tiveram uma nova gravidez depois do início da DM/PM. Além disso, uma delas teve duas gestaçбes depois do início da doenca.

Nesta pesquisa, em quatro casos, o início da DM/PM ocor-reu durante o período pós-parto. Em todos esses casos, houve um bom controle da doenca após a introduçao de corticosteroides e imunossupressores. Kofteridis et al.14 descreveram um início agudo de diabetes na gestacao, que levou à rabdo-miólise e ao aborto. A doenca autoimune pode ser induzida como resultado de alteraçбes hormonais maternas, alteraçao na funcao imune durante a gestacao ou em decorrência da exposicao materna a antígenos fetais,33 o que pode explicar o aparecimento da DM/PM no período pós-parto.

Este estudo tem algumas Иmitacбes, como sua metodologia de coorte retrospectiva. Além disso, abrange as características da populaçao de estudo, que era de um centro de atençao terciária e, provavelmente, representa um espectro mais grave da doenca; portanto, a frequência de gravidez e suas repercussбes na DM/PM podem nao ter sido bem estimadas.

Conclusoes

Os eventos obstétricos adversos estiveram relacionados com intercorrencias clinicas e a gravidez nao parece levar especificamente a um pior prognóstico na doenca (por exemplo: recidiva da doenca). Além disso, a dermatomiosite ou poli-miosite iniciada durante a gestacao ou no periodo pós-parto apresentou boa evolucao depois do tratamento farmacológico.

Conflitos de interesse

Os autores declaram nao haver conflitos de interesse.

Agradecimentos

SKS recebeu uma bolsa da Federico Foundation; LSM recebeu uma bolsa da Fundacao de Amparo a Pesquisa do Estado de Sao Paulo (Fapesp), # 2011/15517-3.

referências

1. Callen JP. Dermatomyositis. In: Callen JP, editor. Dermatological signs of internal disease. 2th ed. Saunders; 1995.

2. Fathi M, Lundberg IE. Interstitial lung disease in polymyositis and dermatomyositis. Curr Opin Rheumatol. 2005;17:701-6.

3. Drake LA, Dinehart SM, Farmer ER, Goltz RW, Graham GF, Hordinsky MK, et al. Guidelines of care for dermatomyositis. Am Acad Dermatol. 1996;34:824-9.

4. Feldman BM, Rider LG, Reed AM, Pachamn LM. Juvenile dermatomyositis and other idiopathic inflammatory myopathies of childhood. Lancet. 2008;281:2201-2.

5. Greenberg SA. Inflammatory myopathies: evaluation and management. Semin Neurol. 2008;28:241-9.

6. Baer AN, Witter FR, Petri M. Lupus and pregnancy. Obstetrical and gynecological survey. Obstet Gynecol Surv. 2011;66:639-53.

7. Hazes JMW, Coulie PG, Geenen V,Vermeire S, Carbonnel F, Louis E, et al. Rheumatoi arthritis and pregnancy: evolution of disease activity and pathophysiological considerations for drug use. Rheumatology. 2011;50:1955-68.

8. Chakravarty EF. Rheumatoid arthritis and pregnancy: beyond smaller and preterm babies. Arthritis Reum. 2011;63:1469-71.

9. Ishii N, Ono H, Kawaguchi T, Nakajima H. Dermatomyositis and pregnancy. Case report and review of the literature. Dermatologica. 1991;183:146-9.

10. King CR, Chow S. Dermatomyositis and pregnancy. Obstet Gynecol. 1985;66:589-92.

11. Ohno T, Imai A, Tamaya T. Successful outcomes of pregnancy complicated with dermatomyositis. Case reports. Gynecol Obstet Invest. 1992;33:187-9.

12. Pinheiro Gda R, Goldenberg J, Atra E, Pereira RB, Camano L, Schmidt B. Juvenile dermatomyositis and pregnancy: report and literature review. J Rheumatol. 1992;19:1798-801.

13. Houck W,Melnyk C, Gast MJ. Polymyositis in pregnancy. A case report and literature review. J Reprod Med. 1987;32:208-10.

14. Kofteridis DP, Malliotakis PI, Sotsiou F Vardakis NK, Vamvakas LN, Emmanouel DS. Acute onset of dermatomyositis presenting in pregnancy with rhabdomyolysis and fetal loss. Scand J Rheumatol. 1999;28:192-4.

15. Oros J, Gil B, Risco Cortes R, Torres V,Cervera Aguilar R, Ayala AR. Dermatomyositis and eclampsia. Analysis of a case and review of the literature. Ginecol Obstet Mex. 1994;62:103-6.

16. England MJ, Perlmann T, Veriava Y.Dermatomyositis in pregnancy. A case report. J Reprod Med. 1986;31:633-6.

17. Kanoh H, Izumi T, Seishima M, Nojiri M, Ichiki YKitajima Y.A case of dermatomyositis that developed after delivery: the involvement of pregnancy in the induction of dermatomyositis. Br J Dermatol. 1999;141:897-900.

18. Bauer KA, Siegler M, Lindheimer MA. Polymyositis complicating pregnancy. Arch Intern Med. 1979;139:449.

19. Harris A, Webley M, Usherwood M, Burge S. Dermatomyositis presenting in pregnancy. Br J Dermatol. 1995;133:783-5.

20. Ditzian-Kadanoff R, Reinhard JD, Thomas C, Segal AS. Polymyositis with myoglobinuria in pregnancy: a report and review of the literature. J Rheumatol. 1988;15:513-4.

21. Tojyo K, Sekijima Y, Hattori T, Tsuyuzaki J, Nakamura A, Kita N, et al. A patient who developed dermatomyositis during the 1st trimester of gestation and improved after abortion. Rinsho Shinkeigaku. 2001;41:635-8.

22. Le Thi Huong D, Wechsler B, Combes R, Seebacher J, Cruveiller J, Caille B, et al. Twin pregnancy in polymyositis. Ann Med Interne (Paris). 1986;139:286-7.

23. Katz AL. Another case of polymyositis in pregnancy. Arch Intern Med. 1980;140:1123.

24. Gatti CM, De Vito EL, Goldemberg DB. Polymyositis and pregnancy. Medicina (B Aires). 1984;44:402-6.

25. Pasrija S, Rana R, Sardana K, Trivedi SS. A case of autoimmune myopathy in pregnancy. Indian J Med Sci. 2005;59:109-12.

26. Emy PLenormand V,Maitre F Robillt P, Tescher M, Bentata J, et al. Polymyositis, dermatomyositis and pregnancy: high-risk pregnancy. A further case report and review of the literature. J Gynecol Obstet Biol Reprod (Paris). 1986;15:785-90.

27. Papapetropoulos T, Kanellakopoulou N, Tsibri E, Paschalis C. Polymyositis and pregnancy: report of a case with three pregnancies. J Neurol Neurosurg Psychiatry. 1998;64:406.

28. Bohan A, Peter JB. Polymyositis and dermatomyositis. Pt I N Engl J Med. 1975;292:344-407.

29. Silva CA, Sultan SM, Isenberg DA. Pregnancy outcome in adult-onset idiopathic inflammatory myopathy Rheumatology. 2003;42:1168-72.

30. Gutiérrez G, Dagnino R, Mintz G. Polymyositis/dermatomyositis and pregnancy. Arthritis Rheum. 1984;27:291-4.

31. Juárez-Azpilcueta A, Pol-Kipes G, Olivo-Arroyo G, Ortiz-Pavón A, Coronel-Cruz F. Dermatomyositis and pregnancy. Gac Med Mex. 2003;139:509-11.

32. Glickman FS. Dermatomyositis associated with pregnancy. U S Armed Forces Med J. 1958;9:417-25.

33. Nelson JL. Pregnancy, immunology and autoimmune disease. J Reprod Med. 1998;43:335-40.