Scholarly article on topic 'Cardiorespiratory fitness and nutritional status of schoolchildren: 30-year evolution'

Cardiorespiratory fitness and nutritional status of schoolchildren: 30-year evolution Academic research paper on "Educational sciences"

CC BY-NC-ND
0
0
Share paper
OECD Field of science
Keywords
{"Nutritional status" / "Physical fitness" / "Physical activity" / "Aerobic exercise" / "Estado nutricional" / "Aptidão física" / "Atividade física" / "Exercício aeróbico"}

Abstract of research paper on Educational sciences, author of scientific article — Gerson Luis de M. Ferrari, Mario Maia Bracco, Victor K. Rodrigues Matsudo, Mauro Fisberg

Abstract Objective To compare the changes in cardiorespiratory fitness in evaluations performed every ten years since 1978/1980, according to the nutritional status and gender of students in the city of Ilhabela, Brazil. Methods The study is part of the Mixed Longitudinal Project on Growth, Development and Physical Fitness of Ilhabela. The study included 1,291 students of both genders, aged 10 to 11 years old. The study periods were: 1978/1980, 1988/1990, 1998/2000, and 2008/2010. The variables analyzed were: body weight, height, and cardiorespiratory fitness (VO2max - L.min−1 and mL.kg−1.min−1) performed using a submaximal progressive protocol on a cycle ergometer. Individuals were classified as normal weight and overweight according to curves proposed by the World Health Organization of body mass index for age and gender. Analysis of variance (ANOVA) with three factors followed by the Bonferroni method were used to compare the periods. Results The number of normal weight individuals (61%) was higher than that of overweight. There was a significant decrease in cardiorespiratory fitness in both genders. Among the schoolchildren with normal weight, there was a decrease of 22% in males and 26% in females. In overweight schoolchildren, males showed a decrease of 12.7% and females, of 18%. Conclusion During a 30-year analysis with reviews every ten years from 1978/1980, there was a significant decrease in cardiorespiratory fitness in schoolchildren of both genders, which cannot be explained by the nutritional status. The decline in cardiorespiratory fitness was greater in individuals with normal weight than in overweight individuals.

Academic research paper on topic "Cardiorespiratory fitness and nutritional status of schoolchildren: 30-year evolution"

J Pediatr ([Rio J) . 2013;89(4):366-373

ARTIGO ORIGINAL

Cardiorespiratory fitness and nutritional status of schoolchildren: 30-year evolution^

Gerson Luis de M. Ferrari3*, Mario Maia Braccob, Victor K. Rodrigues Matsudoc, Mauro Fisbergd

a Mestrando. Centro de Estudos do Laboratorio de Aptidao Física de Sao Caetano do Sul (CELAFISCS), Sao Caetano do Sul, SP, Brasil. Centro de Atendimento e Apoio ao Adolescente (CAAA), Departamento de Pediatria, Universidade Federal de Sao Paulo/Escola Paulista de Medicina (UNIFESP/EPM), Sao Paulo, SP, Brasil

b Doutor. Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein. Hospital Israelita Albert Einstein, Sao Paulo, SP, Brasil c Livre-docente. CELAFISCS, Sao Caetano do Sul, SP, Brasil d Doutor. CAAA, Departamento de Pediatria, UNIFESP/EPM, Sao Paulo, SP, Brasil

Recebido em 14 de julho de 2012; aceito em 20 de dezembro de 2012

KEYWORDS

Nutritional status; Physical fitness; Physical activity; Aerobic exercise

Abstract

Objective: To compare the changes in cardiorespiratory fitness in evaluations performed every ten years since 1978/1980, according to the nutritional status and gender of students in the city of Ilhabela, Brazil.

Methods: The study is part of the Mixed Longitudinal Project on Growth, Development and Physical Fitness of Ilhabela. The study included 1,291 students of both genders, aged 10 to 11 years old. The study periods were: 1978/1980, 1988/1990, 1998/2000, and 2008/2010. The variables analyzed were: body weight, height, and cardiorespiratory fitness (VO2max - L.min-1 and mL.kg"1.min"1) performed using a submaximal progressive protocol on a cycle ergometer. Individuals were classified as normal weight and overweight according to curves proposed by the World Health Organization of body mass index for age and gender. Analysis of variance (ANOVA) with three factors followed by the Bonferroni method were used to compare the periods.

Results: The number of normal weight individuals (61%) was higher than that of overweight. There was a significant decrease in cardiorespiratory fitness in both genders. Among the schoolchildren with normal weight, there was a decrease of 22% in males and 26% in females. In overweight schoolchildren, males showed a decrease of 12.7% and females, of 18%. Conclusion: During a 30-year analysis with reviews every ten years from 1978/1980, there was a significant decrease in cardiorespiratory fitness in schoolchildren of both genders,

DOI se refere ao artigo: http://dx.doi.Org/10.1016/j.jped.2012.12.006

☆Como citar este artigo: Ferrari GL, Bracco MM, Matsudo VK, Fisberg M. Cardiorespiratory fitness and nutritional status of schoolchildren: 30-year evolution. J Pediatr (Rio J). 2013;89:366-73.

* Autor para correspondencia. E-mail: agerson@celafiscs.org.br (G.L.M. Ferrari).

2255-5 536/$ - see front ra atter © 20133 Pobiedade Brasileira de Pediatria. Tublicado pot Elsevier Editora Ltda. Todos os direitos reservados. http://dx.doi.Org/10.1016/j.jpedp.2012.12.008

which cannot be explained by the nutritional status. The decline in cardiorespiratory fitness was greater in individuals with normal weight than in overweight individuals. © 2013 Sociedade Brasileira de Pediatria. Published by Elsevier Editora Ltda. All rights reserved.

Aptidao cardiorrespiratória e estado nutricional de escolares: evolu^ao em 30 anos Resumo

Objetivo: Comparar as mudancas da aptidao cardiorrespiratória em avaliacoes a cada 10 anos a partir de 1978/1980, de acordo com o estado nutricional e o sexo de escolares do municipio de Ilhabela, Brasil.

Métodos: O estudo faz parte do Projeto Misto-Longitudinal de Crescimento, Desenvolvimiento e Aptidao Física de Ilhabela. Participaram do estudo 1.291 escolares de ambos os sexos, de 10 e 11 anos de idade. Os periodos analisados foram 1978/1980, 1988/1990, 1998/2000 e 2008/2010. As variáveis analisadas foram peso corporal, estatura e aptidao cardiorrespiratória (VO2máx - L.min-1 e mL.kg-1.min-1) realizada por um protocolo progressivo submáximo em um ciclo ergómetro. Os individuos foram classificados em eutróficos e excesso de peso mediante as curvas propostas pela Organizacao Mundial da Saúde de índice de massa corporal para idade e sexo. Para comparar os periodos, foi utilizado a ANOVA com tres fatores, seguida pelo método Bonferroni. Resultados: A quantidade de eutróficos (61%) foi maior do que a de excesso de peso. Houve diminuicao significativa da aptidao cardiorrespiratória em ambos os sexos. Entre os escolares meninos e as meninas eutróficas houve diminuicao de 22% e 26%, respectivamente. Nos escolares com excesso de peso, os meninos diminuíram em 12,7%, e as meninas, em 18%. Conclusao: Em uma análise de 30 anos, com avaliacoes a cada 10 anos a partir de 1978/1980, houve uma diminuicao significante da aptidao cardiorrespiratória em escolares de ambos os sexos, que nao pode ser explicada pelo estado nutricional. A queda da aptidao cardiorrespiratória foi maior nos escolares eutróficos do que nos obesos. © 2013 Sociedade Brasileira de Pediatria. Publicado por Elsevier Editora Ltda. Todos os direitos reservados.

PALAVRAS-CHAVE

Estado nutricional; Aptidao física; Atividade física; Exercício aeróbico

Introduçâo

Os níveis de aptidao física em jovens têm diminuido nos últimos anos, podendo contribuir para o desenvolvimiento de diabetes, hipertensao e síndrome metabólica, e para o aumento do risco de doenças metabólicas e cardiovasculares na idade adulta.1 Cerca de 80% dos adolescentes do mundo nao atingem a recomendaçao de 60 minutos de atividade física moderada a vigorosa por dia,2 que, aliado às enormes mudanças socioeconómicas nos últimos anos, teve como consequência o aumento do excesso de peso e obesidade.3

As baixas aptidóes e atividades físicas4 estao associadas ao excesso de peso5 e, com a crescente prevalência de obesidade e a proporçao de crianças com estilo de vida sedentario, sugerem que os níveis de aptidao cardiorrespiratória podem ter diminuído por distribuiçao aleatória em escolares de diferentes tamanhos.6

A aptidao cardiorrespiratória (VO2máx), a medida de forma absoluta (L.min-1) e a relativa à massa corporal total (mL. kg-1.min-1) têm sido adotadas, objetivando uma real com-paraçao do condicionamento físico entre escolares de diferentes estaturas.1,5 Os valores relativos sao mais utilizados para comparaçôes entre indivíduos que diferem na massa corporal total e na massa magra, pois a musculatura envolvida na atividade física influencia nessas variáveis.7

Ao longo dos anos, diversas pesquisas têm associado as modificaçôes da aptidao cardiorrespiratória a comporta-

mientos sedentarios, estado nutricional e variáveis antropométricas, principalmente em países desenvolvidos.8,9 Entretanto, a realidade em países em desenvolvimiento é distinta, e a quantidade de estudos nessas regioes ainda é pequena.10-12

Para uma melhor compreensao do comportamiento das variáveis de aptidao física de acordo com o estado nutricional de uma determinada populacao ao longo do tempo, estudos longitudinal's parecem explicar o fenómeno de forma mais adequada. Em se tratando do Brasil, é escassa a quantidade de estudos que analisaram a aptidao cardior-respiratoria de acordo com o estado nutricional ao longo dos anos, sendo que muitos deles foram realizados como parte do Projeto Misto-Longitudinal de Ilhabela.10,13

Como a aptidao cardiorrespiratória é um importante componente da síndrome metabólica e um forte preditor de morte prematura, identificar mudancas nos níveis de atividade física durante a epidemia da obesidade pode indicar a necessidade de intervencoes para melhorar o condi-cionamento físico de escolares.4 Neste estudo, a hipótese é de que a diminuicao da atividade física, analisada em um período de 30 anos, esteja ocorrendo tanto em escolares eutróficos quanto nos escolares com excesso de peso. Com isso, o objetivo do presente estudo foi comparar as mudan-cas da aptidao cardiorrespiratória com avaliacoes a cada 10 anos a partir de 1978/1980, de acordo com o estado nutricional e o sexo de escolares do município de Ilhabela, no estado de Sao Paulo.

Material e métodos

O presente estudo faz parte do Projeto Misto-Longitudinal de Crescimento, Desenvolvimiento e Aptidâo Física de Ilhabela, desenvolvido pelo CELAFISCS desde 1968, de forma ininterrupta, com uma avaliaçâo semestral sempre nos meses de abril e outubro. Em -2 anos, houve 68 avaliaçoes, sendo o mais extenso e detalhado estudo realizado em países em desenvolvimiento nesta área do conhecimen-to, cuja principal característica reside no uso de equipamientos nao sofisticados e técnicas nao complexas, proporcionando facilidade e simplicidade de aplicaçao de testes em grandes grupos. Todas as avaliaçoes foram realizadas por profissionais da área de saúde previamente treinados, realizadas em três dias consecutivos, com o objetivo de coletar dados referentes à aptidao física (antropométricos, neuromotores e metabólicos), nível de atividade física e alimentar, de crianças a partir dos sete anos de idade, por meio de testes e medidas padronizadas.14

A cidade de Ilhabela localiza-se ao litoral norte do estado de Sao Paulo (Brasil), tendo uma área territorial de -48 km2. Consideraram-se os levantamentos feitos pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística de 1980, 1991, 2000 e 2010 com a faixa etária de 10 e 11 anos. A populaçao do município em 1980 era de 6.800 habitantes, sendo -94 escolares. Já em 1991, possuía 1-.5-8 habitantes, sendo 641 escolares. No ano de 2000, era constituída de 20.8-6 habitantes, sendo 80- de 10 e 11 anos. Em 2010, a popu-laçao do município era constituída de 28.166 habitantes e 1.0-6 escolares com 10 e 11 anos.15 A amostra participante da pesquisa (10 e 11 anos) representa 46% da populaçao do município em 1968/1980, 1988/1990 e 1998/2000, e 52% em 2008/2010, respectivamente. No período do estudo observou-se aumento da populaçao (-,6 vezes), diminuiçao proporcional dos escolares em relaçao ao total da populaçao e mudança da atividade económica, que passou a ser predominantemente de serviços.

Para compor a amostra deste estudo, foi analisado um banco de dados composto por mais de 16.000 avaliaçoes e -.200 escolares de ambos os sexos, de sete a 18 anos de idade, e que participaram das avaliaçoes entre 1968 e 2011, sendo que 1.291 escolares (fig. 1: 626 meninos, 565 meninas) entre 10 e 11 anos atendiam os seguintes critérios de inclusao: (a) ter uma avaliaçâo completa em um dos seguintes anos - 1968/1980, 1988/1990, 1998/2000 e 2008/2010; (b) ter entre 10 e 11 anos de idade; (c) estar regularmente matriculado na rede de ensino de Ilhabela; (d) nao ter limitaçoes clínicas nem funcionais para realizar teste de esforço; (e) os responsáveis deveriam assinar o Termo de Consentimiento Livre e Esclarecido conforme a Resoluçao 196/96 do Conselho Nacional de Saúde. O projeto foi aprovado pelo Comité de Ética da Universidade Federal de Sao Paulo sob o protocolo 0056/10.

Os 1.291 escolares que participaram da pesquisa foram analisados em quatro avaliaçoes, intercaladas a cada 10 anos, realizadas em um período de -0 anos: 1968/1980, 1988/1990, 1998/2000 e 2008/2010.

Em todas as avaliaçoes foram realizadas medidas de peso corporal (kg) e estatura (cm). O peso corporal foi obtido com o escolar em posiçao ortostática de costas para a escala da balança (Filizola® modelo Personal Life), com afastamento

lateral dos pés. Em seguida, era colocado no centro da plataforma, ereto, com o olhar num ponto fixo a frente.14 A estatura foi obtida por estadiometro com base fixa e cursor móvel, com o escolar na posicao ortostática, pés descalcos e unidos, procurando por em contato com o instrumento de medida as superficies posteriores do calcanhar, cintura pélvica, cintura escapular e regiao occipital. A medida foi feita com o individuo em apneia inspiratória, de modo a minimizar possíveis variacoes sobre esta variável antropométrica. A cabeca deveria estar no plano de Frankfurt, paralela ao solo. A medida foi feita com o cursor no ángulo de 90 graus em relacao a escala.14 Foram feitas tres medidas consecutivas, considerando a média aritmética como o valor final.

Foi feito o cálculo do índice de massa corporal (IMC) através das duas medidas citadas anteriormente. Para a classificacao do estado nutricional, os escolares foram clas-sificados em eutróficos com z-score entre -1 e 1 e excesso de peso com z-score maior que 1, de acordo com as curvas propostas pela Organizacao Mundial da Saúde (OMS) de IMC para idade e sexo.16 Pelo fato de os escolares classificados com z-score menor que -1 terem sidos excluidos da pesquisa, o presente estudo se caracteriza por comparar dois grupos, um com eutróficos e outro com excesso de peso. Essa classificacao tem sido utilizada para identificar o risco ou a condicao efetiva de obesidade em populacoes.9

Para avaliar a aptidao cardiorrespiratória, foi estimada a potencia aeróbica (VO2max) mediante um protocolo pro-gressivo submáximo em bicicleta ergométrica mecánica (Monark® modelo Ergomedic 828E) com duracao de oito minutos, com uma carga de aquecimento (quatro minutos) e outra carga de trabalho calculada a partir do peso corporal (quatro minutos). Os valores de pressao arterial, frequencia cardiaca e percepcao subjetiva de esforco foram medidos no repouso e a cada minuto do teste. Os escolares foram orientados a pedalar em uma rotacao de 50 RPM e as bicicletas foram previamente calibradas antes das ava-liacoes. Nos quatro periodos, foram utilizadas sempre as mesmas bicicletas ergométricas. O VO2max era apresentado em valores absolutos (L.min-1) e relativos á massa corporal (mL.kg-1.min-1), permitindo, assim, uma comparacao mais precisa entre escolares com diferentes tamanhos. Para calcular o VO2max absoluto e relativo utilizou-se o nomograma de Ástrand,17 considerando a frequencia cardiaca do último minuto da carga de esforco. Em todos os periodos analisados, todas as medidas e testes seguiram a mesma padro-nizacao.14 Como critério de qualidade interna de todas as medidas e testes, foram calculadas a objetividade e a reprodutibilidade das medidas obtidas em uma subamostra de 30 escolares selecionados aleatoriamente em cada ava-liacao. Foram encontradas variacoes da objetividade e da reprodutibilidade nos quatro periodos analisados, sendo: peso corporal 0,96 e 0,99, estatura 0,97 e 0,99 e potencia aeróbica 0,58 e 0,88, respectivamente.

Análise estatística

Foi utilizada estatistica descritiva, média, desvio-padrao, frequencia e porcentagem. A variacao entre 2008/2010 e 1978/1988 foi avaliada mediante o delta percentual (A%). A distribuicao dos dados foi verificada pelo teste de Kolmogorov-Smirnov.18 A comparacao entre as quatro ava-

Banco de dados 16.GGG avaliaç5es/3.2GG escolares de 7 a 18 anos. Avaliaçâo fisica de 1978 a 2G11

^ ill nutricional: lili

n=51 n=110 n=156 n=184 Eutrófico n=43 n=62 n=92 n=91

n=42 n=63 n=56 n=64 Excesso n=52 n=72 n=71 n=82

de peso

Figura 1 Fluxograma com a descricao do número de escolares de 10 e 11 anos de Ilhabela no presente estudo de acordo com avaliacao e estado nutricional.

liaçoes da aptidao cardiorrespiratória foi feita pela Análise de Variância com três fatores (sexo, década e estado nutricional), seguida pelo método de comparaçoes múltiplas de Bonferroni.18 Os cálculos foram realizados pelo software Statistical Package for the Social Sciences (SPSS) versao 18.0, e o nivel de significancia adotado foi de p < 0,01.18

Resultados

A partir de um banco de dados com mais de 16.000 avaliaçoes realizadas desde 1978 até 2011, 1.291 escolares atenderam os critérios de inclusao. Em ambos os sexos, nas quatro avaliaçoes realizadas no periodo de 30 anos com intervalos de 10 anos, a quantidade de eutróficos (n = 789; 61%) foi maior do que excesso de peso (n = 502). No sexo masculino, o número de escolares eutróficos foi maior do que excesso de peso em todas as avaliaçoes. Nas meninas, o mesmo ocorre nas avaliaçoes de 1998/2000 e 2008/2010 (fig. 1).

Na tabela 1, a análise de variância mostrou que, após três décadas, as médias dos valores dos dados antropométricos nao foram estatisticamente diferentes nas quatro avaliaçoes realizadas no periodo de 30 anos com intervalos

de 10 anos, tanto nos eutróficos quanto nos escolares com excesso de peso.

Quando comparado o estado nutricional, a tabela 1 exibe que as médias dos valores da estatura foram estatisticamente superiores em todas as avaliaçoes nos escolares com excesso de peso quando comparada com os eutróficos. Quando comparado o estado nutricional dos meninos, é possivel verificar que houve diferença significativa nas avaliaçoes de 1998/2000 e 2008/2010. Já nas meninas, houve diferença significativa em 1988/1990, 1998/2000 e 2008/2010 (p s 0,001).

Tanto a aptidao cardiorrespiratória absoluta e a relativa dos escolares eutróficos e com excesso de peso diminuiram significativamente ao se comparar a avaliaçâo de 2008/2010 com todas as outras. No VO, . absoluto e relativo, a dimi-

nuiçao foi maior nos escolares eutróficos (23,5% e 25,8%) do que naqueles com excesso de peso (15,2% e 16,2% respectivamente). Entre todos os periodos analisados, os resultados da avaliaçao de 2008/2010 foram inferiores estatisticamente aos das outras avaliaçoes (tabela 2).

Ainda comparando a avaliaçao de 2008/2010 com todas as outras, foi encontrada uma diminuiçao significante nos valores da aptidao cardiorrespiratória absoluta e relativa

Jabela 1 Proporçao de escolares eutróficos e excesso de peso e comparaçao das variáveis antropométricas entre os sexos e estado nutricional em escolares de Ilhabela

1978/1980 1988/1990 1998/2000 2008/2010 pa л%ь

Eutróficos

Meninos 51(27,2) 110(35,8) 156(41,6) 184(43,8)

Meninas 43(22,8) 62(20,2) 92(24,6) 91(21,6)

Total 94(50,0) 172(56,0) 248(66,2) 275(65,4)

Peso corporal

Meninos 31,53(6,23) 31,41(4,45) 31,94(4,70) 31,76(4,76) 1,00 0,7

Meninas 35,42(9,52) 34,36(7,25) 34,91(7,61) 35,70(7,23)c 1,00 0,7

Total 32,41(0,87) 32,48(0,54) 33,08 (0,44) 33,03 (0,42) 1,00 1,9

Estatura

Meninos 138,80(5,88) 138,83(7,46) 140,06(6,82) 139,82(7,43) 1,00 0,7

Meninas 141,31(6,46) 139,62(7,80) 141,68(6,58) 143,42(8,11) 0,87 1,4

Total 139,37(0,94) 139,11(0,58) 140,68(0,48) 140,98(0,45) 0,64 1,1

Excesso de peso

Meninos 42(22,3) 63(20,5) 56(14,9) 64(15,2)

Meninas 52 (27,7) 72(23,5) 71(18,9) 82(19,4)

Total 94(50,0) 135(44,0) 127(33,8) 146(34,6)

Peso corporal

Meninos 46,02(9,90)d 41,22(7,74)d 46,70(45,20)d 45,20(7,06)d 1,00 -1,7

Meninas 38,60(7,84) 39,57(9,54)d 37,85(8,38)c 38,73(8,39)c 1,00 0,3

Total 40,32(0,96)d 40,09(0,69)d 41,75 (0,63)d 41,21 (0,66)d 1,00 2,2

Estatura

Meninos 145,60(9,21) 141,60(10,65) 146,76(8,12)d 145,51 (5,40)d 1,00 0

Meninas 147,18(7,96) 145,77(8,51)d 146,50(9,14)d 148,40(7,63)d 0,93 0,8

Total 146,83(1,04)d 144,46(0,74)d 146,62(0,67)d 147,30(0,71)d 1,00 0,32

a Análise de variância. b Delta percentual.

Teste de comparaçoes múltiplas de Bonferroni. c p < 0,01: para comparaçoes entre sexo masculino e feminino. d p < 0,01: para comparaçoes entre eutróficos e excesso de peso.

nos escolares eutróficos em ambos os sexos e nas meninas com excesso de peso (tabela 2).

Quando comparado o estado nutricional, no que se refere à aptidao cardiorrespiratória absoluta, os escolares com excesso de peso tiveram valores estatisticamente diferentes e maiores somente na avaliaçao de 1998/2000. Já no caso da aptidao cardiorrespiratória relativa, os escolares com excesso de peso tiveram valores estatisticamente menores nas quatro avaliaçoes (tabela 2).

No que se refere à potência aeróbica (L.min-1), é possivel verificar que nao houve diferença significativa de acordo com o estado nutricional em todas as avaliaçoes realizadas, com exceçao na avaliaçao de 1998/2000 (tabela 2).

Na potência aeróbica em termos relativos (mL.kg-1.min-1), os meninos eutróficos obtiveram valores estatisticamente maiores do que os com excesso de peso na avaliaçao de 1978/1980 (p = 0,003), 1998/2000 (p = 0,001) e 2008/2010 (p s 0,001). Nas meninas, é possivel verificar que nao foi encontrada diferença estatistica entre o estado nutricional e no VO2máx relativo (tabela 2).

Comparando os sexos dos escolares eutróficos, os meninos obtiveram valores superiores aos das meninas no VO2máx

absoluto, na avaliaçao de 2008/2010, e em todas as ava-liaçôes no VO, . relativo. Já nos escolares com excesso de

J 2máx

peso, os meninos tiveram valores estatisticamente superiores aos das meninas, somente em 2008/2010, no VO

' ' 2máx

absoluto.

Discussao

No estudo atual, foi possivel encontrar uma diminuiçào significante da aptidao cardiorrespiratória em ambos os sexos em quatro avaliaçoes realizadas no periodo de 30 anos, com intervalos de 10 anos, que nao pode ser explicada pelo estado nutricional. Essa queda foi maior nos escolares eutróficos do que nos obesos de Ilhabela.

Uma revisao de literatura mostrou que, em 33 anos (1970-2003), a aptidao cardiorrespiratória (VO2máx) diminuiu -0,46% por ano em escolares de 27 paises do mundo, valores inferiores aos do presente estudo (0,51%)19. Os achados do presente estudo corroboram com outras pesquisas realizadas em que maiores declinios em atividade fisica sao encontrados nas meninas do que nos meninos.20 Já Tomkinson et

Tabela 2 Comparacao da aptidao cardiorrespiratória entre os sexos e estado nutricional em escolares de Ilhabela

1978/1980 1988/1990 1998/2000 2008/2010 Pa A%b

Eutróficos

VO2máx (^min-1)

Meninos 1,57(0,30)c 1,43(0,32 )c 1,50(0,30)c 1,26(0,33) < 0,001 -19,7

Meninas 1,36(0,41) 1,36(0,10)c 1,35(0,20)c 1, 10(0,15)d < 0,001 -19,1

Total 1,53 (0,45)c 1,40(0,26 )c 1,44(0,21 )c 1,17 (0,23) < 0,001 -23,5

VO2máx (mL.kg-1.min-1)

Meninos 50,06(5,95)c 46,01 (9,81 )c 47,22(9,38)c 38,98(4,78) < 0,001 -22,1

Meninas 36,64(5,97)d 39,81 (4,18)cd 39,51 (5,83)c-d 27,15(4,61 )d < 0,001 -25,9

Total 47,90(1,37)c 43,88 (0,79)c 44,32(0,65)c 35,5(3,24) < 0,001 -25,8

Excesso de peso

VO2máx (L.min-1)

Meninos 1,67(0,27) 1,63(0,36) 1,63(0,33) 1 ,47(0,34) 0,08 -12

Meninas 1,46(0,35)c 1,44(0,25)c 1,46(0,19)c 1, 17(0,20)d < 0,001 -20

Total 1,51(0,51)c 1,49(0,33)c 1,53(0,30)c-e 1,28(0,35) < 0,001 -15,2

VO2máx (mL.kg-1.min-1)

Meninos 36,50(6,10)e 40,53(6,59) 35,63(5,36)e 31,84(6,37)e 0,07 -12,7

Meninas 37,15(3,69) 36,15(4,93)c 39,63(4,42)c 30,42(3,68) < 0,001 -18

Total 36,98(1,56)ce 38,23(1,01 )c-e 37,84(0,91 )c-e 30,96(4,74)e < 0,001 -16,2

■ Análise de variancia. b Delta percentual.

Teste de comparacoes múltiplas de Bonferroni.

c p < 0,01: para comparacoes entre 1978/1980, 1988/1990, 1998/2000 com 2008/2010. d p < 0,01: para comparacoes entre sexo masculino e feminino. e p < 0,01: para comparacoes entre eutróficos e excesso de peso.

VO2 ,, aptidao cardiorrespiratoria.

al.21 verificaram uma queda de 0,46% ao ano nos meninos e 0,41% nas meninas.

Embora diversos estudos10,22 sejam apresentados na literatura em relacao a tendencia secular de crescimento, é de suma importancia ressaltar a importancia da discus-sao baseada em estudos desenvolvidos no mesmo projeto, com uma populacao que vive no mesmo lugar, utilizando a mesma metodologia e padronizacao de medidas.10,13 Rejman e Matsudo13 realizaram uma pesquisa com escolares do Projeto de Ilhabela e verificaram que, em 10 anos, os meninos apresentaram altura significativamente maior (3,2 cm). Nas meninas, nao foi encontrada diferenca no período analisado, porém verificou-se um aumento de 1,4 cm. Utilizando o mesmo método do presente estudo para controlar o estado nutricional, Ferrari et al.10 encontraram modificacoes da adiposidade em 20 anos (1990-2010), sendo que, em ambos os sexos, o aumento foi maior nos escolares com excesso de peso do que nos eutróficos.

As enormes mudancas socioeconómicas no Brasil nas últimas tres décadas tiveram como consequencia o aumento da obesidade e da estatura, que estao se aproximando dos países desenvolvidos.3 O número de criancas brasileiras acima do peso mais que triplicou (1975-2009), passando de 9,8% para 33,4%.23 No presente estudo, verificou-se estabilidade no peso corporal no período de 30 anos.

A obesidade e a aptidao cardiorrespiratória em jovens possuem alta relacao com fatores de risco cardiovascula-res.19 Desconsiderando o estado nutricional, alguns auto-res24'25 verificaram uma diminuicao da aptidao cardiorrespiratória ao longo dos anos, principalmente nos meninos.24

Apoiando os nossos achados, a reducao da aptidao car-diorrespiratória foi observada nao somente em escolares ingleses obesos, mas também em eutróficos.4 Em oposicao aos resultados encontrados da aptidao cardiorrespiratória (L.min-1), escolares obesos, quando realizaram avaliacao do VO2máx em testes de corrida, tiveram resultados piores de aptidao física do que os eutróficos.26,27 Isso ocorre principalmente quando escolares obesos se exercitam em eventos onde existe a sustentacao do peso corporal, como na cor-rida.7 Alguns autores4,26,27 verificaram uma relacao inversa entre antropometria e aptidao física, nao sendo possível estabelecer uma relacao causa-efeito.

Desfavorável composicao corporal e atividade física pos-sui alta relacao com fatores de risco para doenca cardiovascular, podendo ser prejudicial a saúde pública, indicando um risco aumentado de morte prematura.27

Considerando o transporte ativo para a escola como atividade física de intensidade leve ou moderada, Smpokos et al.28 verificaram uma queda da mesma (1992/93-2006/07) em escolares da Grécia. Com a experiencia de mais de tres décadas na realizacao do Projeto de Ilhabela, os achados no presente estudo mostraram considerável diminuicao nos valores do VO , tanto em

J 2máx'

escolares eutróficos quanto em obesos. Estes resultados sugerem que a diminuicao da aptidao cardiorrespiratória e da atividade física possa, estar relacionadas ao com-portamento sedentário. Assim, é sugerida a hipótese de que a diminuicao da prática de atividade física e da uti-lizacao do transporte ativo para a escola (caminhada ou bicicleta)2 poderiam explicar os presentes achados, uma

vez que o transporte ativo para escola pode contribuir em cinco vezes mais chances para um bom nível de aptidao cardiorrespiratória.29

Apoiando os nossos achados, meninas têm menores taxas na prática da atividade física praticada dentro ou fora da escola quando comparadas com os meninos, além de quantidades elevadas de inatividade física.2'11 Portanto, a determinaçao da prevalência de inatividade física e a iden-tificaçao de grupos de risco sao importantes no sentido de direcionar estratégias de intervençao.

Apesar da riqueza de um estudo envolvendo três décadas que aconteceu em uma ilha em um país em desenvolvimiento, minimizando assim a taxa de migraçao, contribuin-do para diminuiçao da influência de fatores externos, os autores consideram que a atual pesquisa possui algumas limitaçôes. Utilizou-se a aptidao cardiorrespiratória submá-xima no presente estudo. No entanto, testes submáximos sao adequados em ambientes nao hospitalares em funçao da menor possibilidade de complicaçoes cardiorrespirató-rias;30 os valores médios da qualidade dos dados em todas as décadas variaram de moderado a alto na aptidao cardiorrespiratória; nao foi avaliado se a diminuiçao da aptidao cardiorrespiratória está associada ao aumento do nível de sedentarismo dos escolares. Estratégias de intervençao devem ser dirigidas nao só às crianças obesas, mas também àquelas que possuem baixa aptidao física e elevado tempo de comportamento sedentário.

Em uma análise de 30 anos, com avaliaçoes a cada 10 anos a partir de 1978/1980, houve uma diminuiçao significante da aptidao cardiorrespiratória em escolares de 10 e 11 anos de idade, de ambos os sexos, que nao pode ser explicada pelo estado nutricional. A queda da aptidao cardiorrespiratória foi maior nos escolares eutróficos do que nos obesos.

Futuras pesquisas sao necessárias a fim de identificar os fatores determinantes na reduçao da aptidao cardiorrespiratória, a fim de relacionar o estilo de vida, como a atividade física habitual, com a aptidao cardiorrespiratória de escolares de ambos os sexos. Estratégias de intervençao devem ser dirigidas nao só às crianças obesas, mas também àquelas eutróficas e/ou com baixa aptidao física e elevado tempo de comportamento sedentário.

Financiamento

Fundaçao de Amparo à Pesquisa do Estado de Sao Paulo (FAPESP - 2010/20749-8), Coordenaçao de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e Conselho Nacional de Desenvolvimiento Científico e Tecnológico (CNPq -47.807/2011-8).

Conflitos de interesse

Os autores declaram nao haver conflitos de interesse.

Agradecimentos

À Fundaçao de Amparo à Pesquisa do Estado de Sao Paulo (FAPESP - 2010/20749-8), à Coordenaçao de

Aperfeicoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e ao Conselho Nacional de Desenvolvimiento Científico e Tecnológico (CNPq - 47.807/2011-8); aos participantes, pais e responsáveis; aos professores e a coordenacao da Escola Municipal José Antonio Verzegnassi e da Escola Municipal Eva Esperanca; e a Prefeitura Municipal de Ilhabela.

Referencias

1. He QQ, Wong TW, Du L, Jiang ZQ, Yu TS, Qiu H, et al. Physical activity cardiorespiratory fitness and obesity among Chinese children. Prev Med. 2011; 52:109-13.

2. Hallal PC, Andersen LB, Bull FC, Guthold R, Haskell W, Ekelund U. Global physical activity levels: surveillance progress, pitfalls, and prospects. Lancet. 2012; 380: 247-57.

3. Bergmann GG, Bergmann ML, Pinheiro ES, Moreira RP, Marques AC, Gaya A. Indice de massa corporal: tendencia secular em criancas e adolescentes brasileiros. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2009; 11: 280-5.

4. Stratton G, Canoy D, Boddy LM, Taylor SR, Hackett AF, Buchan IE. Cardiorespiratory fitness and body mass index of 9-11-year-old English children: a serial cross-sectional study from 1998 to 2004. Int J Obes. 2007; 31: 1172-8.

5. Dencker M, Thorsson O, Karlsson MK, Linden C, Svensson J, Wollmer P, et al. Daily physical activity and its relation to aerobic fitness in children aged 8-11 years. Eur J Appl Physiol. 2006; 96: 587-92.

6. Mak K, Ho A, Lo W, Thomas GN, McNaus AM, Day Jr, LT. Health-related physical fitness and weight status in Hong Kong adolescents. BMC Public Health. 2010;10: 1-5.

7. Denadai BS. Consumo máximo de oxigenio: fatores determinantes e limitantes. Rev Bras Ativ Fis Saúde. 1995;1: 85-94.

8. Marques-Vidal P, Madeleine G, Romain S, Gabriel A, Bovet P. Secular trends in height and weight among children and adolescents of the Seychelles, 1956 - 2006. BMC Public Health. 2008;8:166.

9. Cardoso HF. Secular changes in body height and weight of Portuguese boys over one century. Am J Hum Biol. 2008;20:270 - 7.

10. Ferrari TK, Ferrari GL, Silva Jr JP, Silva LJ, Oliveira LC, Matsudo VK. Modifications of adiposity in school-age-children according to nutritional status: a 20-year analysis. J Pediatr (Rio J). 2012;88:239-45.

11. Ceschini FL, Andrade DR, Oliveira LC, Araújo Júnior JF, Matsudo VK. Prevalence of physical inactivity and associated factors among high school students from state's public schools. J Pediatr (Rio J). 2009;85:301-6.

12. Ferrari GM, Silva LJ, Ceschini FL, Oliveira LC, Andrade DR, Matsudo VK. Influencia da maturacao sexual na aptidao física de escolares do municipio de Ilhabela - um estudo longitudinal. Rev Bras Ativ Fis Saude. 2008;13:141-8.

13. Rejman ER, Matsudo VK. Tendencia secular da variável estatura em estudantes de uma regiao de baixo desenvolvimento socioeconómico. Rev Bras Cien Mov. 1991;5:64-72.

14. Matsudo VK. Testes em Ciencias do Esporte. 7a ed. Sao Caetano do Sul: Centro de Estudos do Laboratório de Aptidao Física de Sao Caetano do Sul; 2005.

15. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Indicadores sociais municipais: uma análise dos resultados do universo do censo demográfico. [Internet] [acessado em 1 Jun 2012]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/ populacao/censo2010/indicadores_sociais_municipais/ default_indicadores_sociais_municipais.shtm

16. de Onis M, Onyango AW, Borghi E, Siyam A, Nishida C, Siekmann J. Development of a WHO growth reference for school-aged children and adolescents. Bull World Health Organ. 2007;85:660-7.

17. Âstrand, PO, Ryhming I. A nomogram for calcualtion of aerobic capacity (physical fitness) from pulse rate during submaximal work. J Appl Physiol. 1954;7:218-21.

18. Field A. Descobrindo a estatistica usando o SPSS. 2a ed. Porto Alegre: Artmed; 2009.

19. Tomkinson GR, Olds TS. Secular changes in pediatric aerobic fitness test performance: the global picture. Med Sport Sci. 2007;50:46-66.

20. Craags C, Corder K, Esther MF, Sluijs V, Griffin SJ. Determinants of change in physical activity in children and adolescents: a systematic review. Am J Prev Med. 2011;40:645-58.

21. Tomkinson GR, Léger LA, Olds TS, Gazorla G. Secular trends in the performance of children and adolescents (1980 - 2000). An analysis of 55 studies of the 20m shuttle run test in 11 countries. Sports Med. 2003;33: 285-300.

22. Andersen LB, Froberg K, Kristensen PL, Moller NC, Resaland GK, Anderssen AS. Secular trends in physical fitness in Danish adolescents. Scand J Med Sci Sports. 2010;20:757-63.

23. Pesquisa de orçamentos familiares 2008-2009: Antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica; 2010. 130 p.

24. Slinger J, Breda EV, Kuipers H. Aerobic fitness data for Dutch adolescents (2002-2005). Pediatr Exerc Sci. 2009;21:10-8.

25. Dyrstad SM, Aandstad A, Hallen J. Aerobic fitness in young Norwegian men: a comparison between 1980 and 2002. Scand J Med Sci Sports. 2005;15:298-303.

26. Kim J, Must A, Fitzmaurice GM, Gillman MW, Chomitz V, Kramer E, et al. Relationship of physical fitness to prevalence and incidence of overweight among schoolchildren. Obes Res. 2005; 13:1246-54.

27. Tremblay MS, LeBlanc AG, Kho ME, Saunders TJ, Larouche R, Colley RC, et al. Systematic review of sedentary behaviour and health indicators in school aged children. Int J Behav Nutr Phys Act. 2011;8:1-22.

28. Smpokos EA, Linardakis M, Papadaki A, Lionis C, Kafatos A. Secular trends in fitness, moderate-to-vigorous physical activity, and TV-viewing among first grade school children of Crete, Greece between 1992/93 and 2006/07. J Sci Med Sport. 2012;15:129-35.

29. Cooper AR, Wedderkopp N, Wang H, Andersen LB, Froberg K, Page AS. Active travel to school and cardiovascular fitness in Danish children and adolescents. Med Sci Sports Exerc. 2006; 38:1724-31.

30. Tsiaras V, Zafeiridis A, Dipia K. Prediction of peak oxygen uptake from a maximal treadmil test in 12-to 18-years old active male adolescents. Pediatr Exerc Sci. 2010;22:624-37.