Scholarly article on topic 'Tradução, adaptação cultural e validação para a língua portuguesa (Brasil) do Systemic Sclerosis Questionnaire (SySQ)'

Tradução, adaptação cultural e validação para a língua portuguesa (Brasil) do Systemic Sclerosis Questionnaire (SySQ) Academic research paper on "Educational sciences"

CC BY-NC-ND
0
0
Share paper
Academic journal
Revista Brasileira de Reumatologia
OECD Field of science
Keywords
{"Esclerose sistêmica" / "Qualidade de vida" / "Validação de questionário" / "Systemic sclerosis" / "Quality of life" / "Validation of questionnaire"}

Abstract of research paper on Educational sciences, author of scientific article — Roberta Ismael Lacerda Machado, Lais Medeiros Souto, Eutilia Andrade Medeiros Freire

Abstract Introduction Systemic sclerosis (SSc) is a multisystem disease, autoimmune disorder characterized by a fibroblastic disfunction, with significant impact on quality of life (QoL), measured by instruments or questionnaires that usually were formulated in other languages and in different cultural contexts. Objective Translate into Brazilian Portuguese, cross cultural adaptation and assess the reliability and validity of the Systemic Sclerosis Questionnaire (SySQ). Methodology Translation and adaptation: into Portuguese and cross-cultural adaptation was performed in accordance with studies on questionnaire translation methodology into other languages. Reliability: it was analyzed using three interviews with different interviewers, two on the same day (interobserver) and the third within 14 days of the first assessment (intraobserver).Validity was assessed by correlating clinical and quality of life parameters with the domain scores of Sysc. Statistical analysis: a descriptive analysis of the study sample. Reproducibility was assessed using an intraclass correlation coefficient (ICC). Internal consistency was assessed using Cronbach's alpha coefficient. To assess validity we used Spearman correlation coefficient. Five percent was the level of significance adopted for all statistical tests. Results In the evaluation of the questionnaires, the results were similar to the original questionnaire, the internal consistency ranging between 0.73 and 0.93 for each item. The interobserver reproducibility was very good for all domains (α = 0.786 to 0.983) and intraobserver agreement was considered very good for general symptoms domain (ICC = 0.916), good for musculoskeletal symptoms domain (ICC = 0.897) and cardiopulmonary domain (ICC = 0.842) and reasonable for gastrointestinal symptoms domain (ICC = 0.686). Conclusion The Brazilian Portuguese version of SySQ proved to be reproducible and valid for our population, using a recognized methodology for translation and cultural adaptation of questionnaires, as well as to assess the reproducibility and validity.

Academic research paper on topic "Tradução, adaptação cultural e validação para a língua portuguesa (Brasil) do Systemic Sclerosis Questionnaire (SySQ)"

ELSEVIER

REVISTA BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA

www.reumatologia.com.br

SOCIEDADE BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA

Artigo original

Traduqao, adaptaqao cultural e validaqao para a lingua portuguesa (Brasil) do Systemic Sclerosis Questionnaire (SySQ)

Roberta Ismael Lacerda Machadoa, Lais Medeiros Soutoa, Eutilia Andrade Medeiros Freireb'c*

a Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Joao Pessoa, PB, Brasil

bServigo de Reumatologia, Hospital Universitário Lauro Wanderley, Joao Pessoa, PB, Brasil cDepartamento de Medicina Interna, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Joao Pessoa, PB, Brasil

INFORMAgOES RESUMO

Histórico do artigo: Introdugao: A esclerose sistemica (ES) é uma doenga multissistemica, autoimune, caracte-Recebido em 2 de fevereiro de 2013 rizada por disfungao fibroblástica e vasculopatia, causando grande impacto na qualidade Aceito em 2 de setembro de 2013 de vida (QV). Esta é mensurada por instrumentos ou questionários, geralmente formulados __em outros idiomas e inseridos em contextos culturais distintos.

Palavras-chave: Objetivo: Traduzir, adaptar culturalmente e validar para a língua portuguesa (Brasil) o ques-

Esclerose sistemica tionário do Systemic Sclerosis Questionnaire (SySQ) de QV em ES.

Qualidade de vida Metodologia: Tradugao e adaptagao: etapa realizada de acordo com metodologia específi-

Validagao de questionário ca de tradugao de questionários. Confiabilidade: foi analisada através de tres entrevistas,

realizadas por diferentes entrevistadores, sendo duas no mesmo dia (interobservagao) e uma terceira após 14 dias (intraobservagao). Validade: avaliada pela correlagao clínica e parámetros de QV com os dominios do Sysc. Análise estatística: realizada análise descri-tiva da amostra. A reprodutibilidade foi avaliada através de um coeficiente de correlagao intraclasse (ICC) e a consistencia interna pelo coeficiente alfa de Cronbach, já para analisar a validade utilizou o coeficiente de correlagao de Spearman.

Resultados: Foram observados 16 pacientes portadores de ES. Os nossos resultados foram semelhantes aos do questionário original, com a consistencia interna variando entre 0,73 e 0,93 para cada item. A reprodutibilidade interobservador foi muito boa para todos os do-mínios (a = 0,786 a 0,983), e a intraobservador foi muito boa para o domínio de sintomas gerais (CCI = 0,916), boa para os domínios de sintomas musculoesqueléticos (CCI = 0,897) e cardiopulmonares (CCI = 0,842) e razoáveis para o de sintomas gastrintestinais (CCI = 0,686). Conclusao: A versao na língua portuguesa do SySQ mostrou-se reprodutível e válida para nossa populagao através de metodologia reconhecida para tradugao e adaptagao cultural de questionários.

© 2014 Elsevier Editora Ltda. Todos os direitos reservados.

* Autor para correspondencia. E-mail: eutilia@terra.com.br (E.A.M. Freire). 0482-5004/$ - see front matter. © 2014 Elsevier Editora Ltda. Todos os direitos reservados. http://dx.doi.Org/10.1016/j.rbr.2014.03.003

Translation, cultural adaptation and validation into portuguese (Brazil) in Systemic Sclerosis Questionnaire (SySQ)

ABSTRACT

Keywords: Introduction: Systemic sclerosis (SSc) is a multisystem disease, autoimmune disorder char-

Systemic sclerosis acterized by a fibroblastic disfunction, with significant impact on quality of life (QoL), mea-

Quality of life sured by instruments or questionnaires that usually were formulated in other languages

Validation of questionnaire and in different cultural contexts.

Objective: Translate into Brazilian Portuguese, cross cultural adaptation and assess the reliability and validity of the Systemic Sclerosis Questionnaire (SySQ).

Methodology: Translation and adaptation: into Portuguese and cross-cultural adaptation was performed in accordance with studies on questionnaire translation methodology into other languages. Reliability: it was analyzed using three interviews with different interviewers, two on the same day (interobserver) and the third within 14 days of the first assessment (intraobserver).Validity was assessed by correlating clinical and quality of life parameters with the domain scores of Sysc. Statistical analysis: a descriptive analysis of the study sample. Reproducibility was assessed using an intraclass correlation coefficient (ICC). Internal consistency was assessed using Cronbach's alpha coefficient. To assess validity we used Spearman correlation coefficient. Five percent was the level of significance adopted for all statistical tests.

Results: In the evaluation of the questionnaires, the results were similar to the original questionnaire, the internal consistency ranging between 0.73 and 0.93 for each item. The interobserver reproducibility was very good for all domains (a = 0.786 to 0.983) and intrao-bserver agreement was considered very good for general symptoms domain (ICC = 0.916), good for musculoskeletal symptoms domain (ICC = 0.897) and cardiopulmonary domain (ICC = 0.842) and reasonable for gastrointestinal symptoms domain (ICC = 0.686). Conclusion: The Brazilian Portuguese version of SySQ proved to be reproducible and valid for our population, using a recognized methodology for translation and cultural adaptation of questionnaires, as well as to assess the reproducibility and validity.

© 2014 Elsevier Editora Ltda. All rights reserved.

Introdujo

A esclerose sistemica (ES) é uma doenga multissistemica, au-toimune, caracterizada por disfungao fibroblástica, juntamente com comprometimento microvascular, que culmina em fi-brose cutánea e de órgaos internos.1 Clinicamente, a extensao do envolvimento cutáneo e de órgaos internos pela doenga e sua gravidade variam intensamente.2 A doenga costuma ter um curso crónico, monofásico e indolente, sendo muito raros os casos com surtos de exacerbagao.

O curso da doenga apresenta quadro arrastado e indolente, sem maiores complicagoes que interfiram significativamente na qualidade de vida do paciente. Porém, pode apresentar envolvimento cutáneo e vascular progressivo, resultando em considerável morbidade, com prejuízo na aparencia física e funcional, o que pode levar á diminuigao da adequagao social. Os graves acometimentos gastrintestinal, renal, cardíaco, de hipertensao e/ou doenga intersticial pulmonar contribuem para a mortalidade da doenga, como também para o desem-penho individual e na sociedade. Poucas condigoes clínicas costumam causar limitagao funcional e orgánica tao significativa como a esclerose sistemica, devendo esses aspectos ser abordados especificamente na avaliagao desses pacientes.

Nas duas últimas décadas, os resultados de medidas de avaliagao centradas na opiniao do paciente demonstram importante papel no estudo de doengas crónicas, além da morbi-

dade e da mortalidade tradicionalmente mensuradas. No Colé-gio Americano de Reumatologia (ACR) o comité de medidas de resultados em ensaios clínicos, OMERACT (Outcome Measures in Rheumatology Clinical Trials),3 tem reconhecido a importancia da mensuragao da fungao e do bem-estar pela perspectiva do paciente como critério para determinar melhora clínica.

Medidas fisiológicas dao informagoes imprescindíveis aos clínicos, mas frequentemente se correlacionam pouco com a capacidade funcional e o bem-estar, aspectos com os quais os pacientes estao mais interessados e familiarizados.

Essas medidas de avaliagao, cada vez mais utilizadas em ensaios clínicos, sao instrumentos ou questionários que, em sua grande maioria, foram formulados na língua inglesa, di-recionados para utilizagao na populagao que fala esse idioma, podendo ser genéricos ou condigao-específicos. Portanto, para que possam ser utilizados em outras populagoes devem seguir normas preestabelecidas na literatura para sua tradu-gao num contexto cultural específico.4 E para o uso clínico em determinada populagao, essas medidas de avaliagao necessi-tam também ter suas propriedades psicométricas validadas nesse grupo, a fim de se certificar de que realmente avaliam de forma confiável o que se propoem. As propriedades de uma medida sao a confiabilidade, a validade e a responsividade.5

Ruof et al.6 desenvolveram um questionário que abrange o impacto funcional da esclerose sistémica, assim como sintomas gerais e viscerais frequentemente referidos pelos portadores dessa doenga, o Systemic Sclerosis Questionnai-

re (SySQ) (fig. 1). O questionário foi desenvolvido na língua alema, contendo 32 perguntas dividas em quatro categorias (sintomas gerais, gastrintestinais, musculoesqueléticos e car-diopulmonares).

A Escala de Likert graduada de 1 a 4 foi usada para pontuar os itens, devido a sua facilidade de compreensao, referindo-se

Por favor, use essa escala para responder ás próximas

questoes:

1D nao;

2D de vez em quando;

3D várias vezes;

4D sempre.

Você...

01. Sente fraqueza nas maos ao segurar objetos? 1D 2D 3D 4D

02. Deixa cair objetos de sua mao quando os segura? 1D 2D 3D 4D

03. Sente dores nas maos? 1D 2D 3D 4D

04. Tem as maos frias? 1D 2D 3D 4D

05. Tem dificuldades para engolir? 1D 2D 3D 4D

06. Sente dores ao engolir alimentos? 1D 2D 3D 4D

07. Se engasga durante as refeiçoes? 1D 2D 3D 4D

08. Tem azia? 1D 2D 3D 4D

09. Sente que o alimento volta após engolir? 1D 2D 3D 4D

PONTUAÇAO Escore Mín - Máx

Sintomas Gerais (G1 a G8) 0 - 24

Sintomas gastrintestinais 0-21

(GI 1 A Gl7)

Sintomas gastroesqueléticos 0-33

(ME1 a ME11)

Sintomas cardiopulmonares 0-18

(CP1 a CP6)

Figura 1 - Questionário de qualidade de vida em esclerose sistêmica traduzido e adaptado para o portugués (Brasil).

á habilidade de realizar uma atividade (1 corresponde a sem dificuldade e 4 a incapaz), á intensidade dos sintomas (0 corresponde a ausente e 4 a muito intenso) e á frequencia dos sintomas (1 corresponde a nunca e 4 a sempre). Demonstrou ser uma medida válida e reprodutível na populagao estudada.

No Brasil ainda nao se dispoe de questionários específicos para avaliagao dos pacientes com ES validados para uso em nossa populagao. O objetivo deste estudo é traduzir para o portugués brasileiro, adaptar discrepancias culturais e validar o questionário SySQ, para que possa ser utilizado na prática clínica e em ensaios clínicos envolvendo pacientes com ES no Brasil.

Metodología

Foram selecionados aleatoriamente para compor a amostra 16 pacientes portadores de ES, atendidos no servigo de Reumato-logia da Universidade Federal da Paraíba, provenientes de diversas localidades do Estado da Paraíba, preenchendo os critérios de inclusao da pesquisa: idade entre 18 e 65 anos, ter diagnóstico de esclerose sistemica segundo os critérios do American College of Rheumatology (ACR) e ausencia de demencia ou déficit cognitivo. Os participantes foram caracterizados a partir de um protocolo contendo dados sociodemográficos e clínicos. Foram avaliados quanto ao estado funcional pelo Health Assessment Questionnaire com a escala visual analógica (EVA) para esclerose sistemica (sHAQ), e quanto á qualidade de vida através do Medical Outcomes Study 36-Item Short Form Health Survey (SF-36). Os questionários foram aplicados aos pacientes por entrevistadores, dado o nível sociocultural da populagao es-

QUESTIONÁRIO DE QUALIDADE DE VIDA EM ESCLEROSE SISTÉMICA

Obrigado por completar este questionário. Ele nos permitirá saber mais dos problemas do dia a dia que afetam os pacientes com esclerose sistemica. Também irá nos ajudar a entendé-los melhor e talvez conseguir melhorar o tratamento da doenga. Para cada item, marque apenas um número que melhor demonstre o efeito/importancia na sua vida. Por favor, nao pega ajuda para responder estas questoes, porque voce é a melhor pessoa para saber da sua doenga e como ela a afeta. Nao existem respostas certas ou erradas.

Por favor, use essa escala para responder ás próximas questoes:

1D sem dificuldade; 2D com pouca dificuldade; 3D com grande dificuldade; 4D impossível.

Voce consegue...

01. Cortar a carne com uma faca? 1D 2D 3D 4D

02. Tomar banho e se enxugar sozinho? 1D 2D 3D 4D

03. Colocar a meia? 1D 2D 3D 4D

04. Passar creme em seu corpo? 1D 2D 3D 4D

05. Abrir e fechar uma torneira? 1D 2D 3D 4D

06. Levantar-se de uma cadeira que nao tenha apoio para os bragos? 1D 2D 3D 4D

07. Deitar-se e levantar-se da cama? 1D 2D 3D 4D

08. Caminhar em uma rua plana? 1D 2D 3D 4D

09. Subir escadas? 1D 2D 3D 4D

10. Comer grandes pedagos de alimentos sem cortá-los? 1D 2D 3D 4D

11. Comer uma maga? 1D 2D 3D 4D

Por favor, use essa escala para responder ás próximas questoes:

1D nao; 2D leve; 3D moderada; 4D forte.

Voce sente...

01. Dores nos dedos ao tocar ou segurar objetos? 1D 2D 3D 4D

02. Rigidez nas maos? 1D 2D 3D 4D

03. Rigidez nos bragos? 1D 2D 3D 4D

04. Rigidez nas pernas? 1D 2D 3D 4D

05. Dores nas maos quando faz frio? 1D 2D 3D 4D

06. Dores nos pés quando faz frio? 1D 2D 3D 4D

07. Falta de ar ao caminhar em uma rua plana? 1D 2D 3D 4D

08. Falta de ar ao subir uma escada (2 escadas de cerca de 10 degraus) 1D 2D 3D 4D

09. Falta de ar ao trocar de roupa? 1D 2D 3D 4D

Voce tem...

10. Tosse? 1D 2D 3D 4D

11. Catarro no peito? 1D 2D 3D 4D

12. Dificuldade em respirar fundo? !□ 2D 3D 4D

tudada. Os dados foram catalogados em planilha do Excel 2010 e analisados pelo software SPSS versao 20.

Tradugao e adaptagao cultural

A tradugao e a adaptagao cultural seguiram a metodologia, utilizada por outros estudos, sugerida por Falcao et al.7 O instrumento foi inicialmente traduzido para o portugués por um tradutor fluente em alemao (gerando a versao n° 1 em portugués). Em seguida, a tradugao inicial foi vertida á língua original (back translation), que entao foi comparada ao instrumento original. As discrepáncias encontradas foram analisadas por um reumatologista e um clínico, junto aos tradutores que par-ticiparam das etapas anteriores, adequando-as até se originar uma versao n° 2 em portugués. Nesta etapa foi analisada a equivalencia semántica, baseada na correspondencia gramatical e de vocabulário, a equivalencia idiomática, a tradugao de expressoes idiomáticas e, ainda, a equivalencia conceitu-al, uma vez que os termos podem ter equivalencia semántica sem que haja a de conceito. Essa versao foi entao aplicada a um grupo de cinco pacientes, sendo acrescentada a cada uma das questoes a opgao "nao aplicável", com a finalidade de identificar questoes que nao foram compreendidas ou nao sao utilizadas regularmente pela nossa populagao, assim consideradas culturalmente inadequadas. As questoes que apresentaram índice maior que 25% de respostas "nao aplicá-veis" foram analisadas pelo comite e, entao, substituídas por outras com o mesmo conceito. Essas modificagoes geraram novas versoes do questionário, que foram reaplicadas a esses pacientes até que nenhum item fosse considerado "nao apli-cável" por mais de 15% dos pacientes, gerando a versao final do questionário em portugues.

Avaliagao das medidas psicométricas do questionário

A confiabilidade da versao final do questionário traduzido foi avaliada através de tres entrevistas com cada paciente, sendo duas realizadas no mesmo dia por dois entrevistadores diferentes (entrevistador 1 e 2), para avaliar a reprodutibilidade interobservador, e a terceira 14 dias após a primeira avaliagao pelo entrevistador 1, quando se avaliou a reprodutibilidade intrao-bservador. No primeiro caso utilizou-se o coeficiente de corre-lagao intraclasse (CCI), enquanto para análise da consistencia interna das questoes foi calculado o alfa de Cronbach.

Validagao

A validade do questionário foi avaliada através da verificagao da relagao dos seus escores por domínio com os de questionários preexistentes, de avaliagao funcional, HAQ e s-HAQ, e de quali-dade de vida, SF-36. Foi utilizado o coeficiente de correlagao de Spearman.

Resultados

Foram analisados 16 pacientes portadores de ES, sendo 13 do sexo feminino (13/16) e tres do sexo masculino (3/16). A média de idade foi de 45,5 anos, e a caracterizagao sociodemográfica e clínica está descrita na tabela 1.

O questionário foi traduzido conforme a metodologia su-pracitada. No pré-teste, duas questoes foram consideradas como "nâo aplicáveis" pelos pacientes. A pergunta "Voce con-segue levantar-se de uma cadeira sem a ajuda dos braços?" nâo foi entendida por quatro dos cinco pacientes, que referiram nâo compreender o sentido do braço, se era o seu próprio braço ou o braço da cadeira. Após análise do comité, a questâo foi modificada para "Voce consegue levantar-se de uma cadeira que nao tenha apoio para os braços?" Outra questâo nâo entendida foi "Voce tem regurgitaçao?", quando novamente quatro entre cinco pacientes nâo compreenderam, sendo necessária a explicaçâo adicional: "O alimento volta após as refeiçoes?". Esta pergunta foi modificada pelo comité para "Sente que o alimento volta após en-golir?" Essas modificaçoes geraram uma nova versâo do questionário, que foi reaplicada ao grupo de cinco pacientes quando nenhum item foi considerado como "nâo aplicável" por mais de 15% dos pacientes, após a reformulaçâo da questâo.

O valor dos escores obtidos pelos pacientes por dominio do SySQ está apresentado na tabela 2.

A consisténcia interna entre os dominios e para cada dominio é mostrada na tabela 3, utilizando o alfa de Cronbach, bem como a reprodutibilidade interobservador, através do Coeficiente de Correlaçâo Intraclasse.

Tabela 1 - Características socioeconómicas e clínicas dos 16 pacientes portadores de esclerose sistêmica

Género

Masculino 3

Feminino 13 Idade (anos)

Média 44,96 Etnia

Branco 5

Negro 3

Pardo 8

Escolaridade Analfabeto

Ensino Fundamental Incompleto Ensino Fundamental Completo Ensino Médio Incompleto Ensino Médio Completo Ensino Superior Incompleto Ensino Superior Completo Forma de acometimento clínico Sintomas gerais Gastrintestinal Musculoesquelético Cardiopulmonar Renal

Subtipo da esclerose sistémica Difusa Limitada Sine Overlap Lúpus eritematoso sistémico Artrite reumatoide Fenómeno de Raynaud (FRy) Pacientes com FRy 15

Média de tempo (anos) 5

Gravidade (0 - 10) 4,81

Média de crises por semana 4,93

Duraçao da doença (anos) Média 9,33

0 9 1 2 3 0 1

16 6 10 10 0

12 2 0 2 1 1

Comparamos o questionário traduzido com outros instrumentos já validados na literatura, o questionário genérico de qualidade de vida SF-36, um questionário de avaliaçäo funcional HAQ acrescido à escala visual analógica para sintomas de ES, compondo o Scleroderma HAQ (sHAQ).

Os domínios do SySQ foram comparados com os domí-nios do SF-36, conforme mostra a tabela 4. O domínio de sintomas gerais do SySQ mostrou forte corre^äo com o domínio aspectos sociais do SF-36, moderada corre^äo com os domínios dor, estado geral e vitalidade do SF-36. Foi encontrada ainda forte corre^äo entre o domínio sintomas musculoesqueléticos e o domínio emocional do SF-36, além de moderada corre^äo com os domínios capacidade fun-

cional, dor, aspectos físicos e sociais do SF-36. O domínio de sintomas cardiopulmonares do SySQ obteve forte corre^äo com a capacidade funcional do SF-36 e moderada corre^äo com os domínios aspectos físicos, dor e estado geral. O do-mínio de sintomas gastrintestinais do SySQ näo se correla-cionou com os domínios do SF-36.

A tabela 5 mostra o nível de corre^äo entre os domínios do SySQ e do HAQ, porém näo houve significáncia relevante estatisticamente. Já a tabela 6 mostra a corre^äo entre os domínios do SySQ e os domínios da escala visual analógica (EVA) para ES do sHAQ. Foi encontrada corre^äo forte entre o domínio de sintomas gastrintestinais do SySQ e o envolvi-mento pulmonar do sHAQ.

Tabela 2 - Escores obtidos por dominio do questionário SySQ dos 1б pacientes portadores de esclerose sistêmica

Domínios Mínimo Máximo Média Desvio-padräo

Sintomas gerais (0 a 24) 0 21 9,8 6,9

Sintomas gastrintestinais (0 a 21) 0 21 7,4 4,9

Sintomas musculoesqueléticos (0 a 33) 1 24 12,2 7,2

Sintomas cardiopulmonares (0 a 18) 0 16 5 4,8

Tabela 3 - Consistência interna e reprodutibilidade do questionário SySQ nos 1б pacientes portadores de esclerose

sistêmica utilizando alfa de Cronbach e coeficiente de correlaçâo intraclasse, respectivamente

Domínios Interobservador Intraobservador

Sintomas gerais 0,983 0,916

Sintomas gastrintestinais 0,786 0,647

Sintomas musculoesqueléticos 0,959 0,897

Sintomas cardiopulmonares 0,924 0,842

Consisténcia interna entre os domínios 0,765

Tabela 4 - Correlaçâo entre os dominios do SySQ e os dominios do SF-36

SySQ SF-36 Sintomas Gerais Sintomas Sintomas Sintomas

Gastrointestinais Musculoesqueléticos Cardiopulmonares

Capacidade funcional -0,459 -0,190 -0,656b -0,725a

Aspectos físicos -0,473 -0,344 -0,633b -0,545b

Dor -0,559b 0,255 -0,662b -0,502a

Estado geral -0,600b 0,164 -0,672b -0,511a

Vitalidade -0,619b 0,025 -0,352 -0,094

Aspectos sociais -0,707b 0,203 -0,541a -0,288

Emocional -0,390 0,258 -0,782b -0,160

Saúde mental -0,246 -0,19 -0,457 -0,090

a p < 0,05.

b p < 0,01.

Tabela 5 - Correlaçâo entre os dominios do SySQ e os dominios do HAQ e sHAQ

SySQ HAQ e sHAQ Sintomas Gerais Sintomas Sintomas Sintomas

Gastrintestinais Musculoesqueléticos Cardiopulmonares

Vestir-se 0,150 0,184 0,061 0,162

Levantar-se -0,083 0,118 0,188 0,199

Alimentar-se 0,253 0,199 0,158 0,929

Caminhar -0,011 0,091 0,207 0,104

Higiene pessoal -0,84 0,172 0,134 0,002

Alcançar objetos 0,152 0,079 0,134 0,203

Apreender objetos 0,272 0,222 0,238 0,230

Outras atividades 0,019 0,156 0,179 0,231

Tabela 6 - Correlaçâo entre os domínios do SySC l e os domínios da Escala Visual Analógica para ES (SHAQ)

SySQ EVA Sintomas gerais Sintomas gastrintestinais Sintomas musculoesqueléticos Sintomas cardiopulmonares

Fenómeno de Raynaud Gastrintestinal Envolvimento pulmonar Dor Gravidade da doença 0,133 0,108 -0,215 0,189 0,407 0,351 0,203 0,724a 0,07 0,024 0,058 0,340 -0,003 -0,003 0,281 0,400 0,389 0,344 0,099 0,380

ap < 0,01

Discussâo

Medidas de avaliaçao centradas na percepçao do paciente têm sido cada vez mais usadas como ferramentas para determinar a melhora clínica em ensaios clínicos e na prática clínica. Para uso clínico em determinada populaçao essas medidas de avaliaçao precisam ter suas propriedades psi-cométricas validadas nesta populaçao a fim de se certificar que realmente elas avaliam de forma confiável aquilo a que se propoem.

No Brasil nao se dispoe de instrumentos específicos na língua portuguesa para avaliar os pacientes portadores de ES. Ao contrário de outras doenças reumatológicas, sao es-cassos na literatura questionários condiçâo-esperificos para avaliar pacientes com ES. Em ensaios clínicos envolvendo esse grupo de pacientes utiliza-se comumente o Health Assessment Questionnaire (HAQ) Disability Index, um questio-nário que avalia a capacidade funcional, desenvolvido com pacientes portadores de artrite reumatoide.

Ruof et al.6 desenvolveram um questionário autoadmi-nistrado na língua alema que abrange sintomas específicos (gerais, gastrintestinais e cardiopulmonares) e limitaçao funcional causados pela ES. A sintomatologia geral descrita foi dor, rigidez e frieza cutáneas. Os sintomas musculoes-queléticos analisados foram alteraçoes no desempenho de funçoes complexas motoras, na força em maos, na eleva-çao dos membros e no andar. Os sintomas cardiopulmo-nares avaliados foram dispneia e sintomas de vias aéreas superiores (tosse, expectoraçao e limitaçao da inspiraçao), os gastrintestinais foram azia, regurgitaçao, dificuldade de deglutir e de se alimentar.

Uma limitaçao deste questionário é o fato de nao avaliar itens importantes como o fenómeno de Raynaud e o envol-vimento renal, que nao sao captados pelo SySQ apesar dis-so, ele capta melhor os sintomas viscerais da doença quan-do comparado a outros instrumentos publicados.

Em nosso estudo o questionário traduzido mostrou-se reprodutível, o que atesta sua fidedignidade, sugerindo que ele pode ser usado para avaliar pacientes com ES. No Brasil esta medida é importante, uma vez que algumas questoes tiveram que ser modificadas na fase de adaptaçao cultural do questionário. Nossos resultados se assemelham aos obti-dos para o questionário original, que demonstrou consistên-cia interna variando entre 0,73 e 0,93 para cada item. Apesar da amostra pequena de pacientes, justificada pela raridade da doença, nao houve prejuízos maiores nas análises esta-tísticas utilizadas devido ao rigor da metodologia adotada.

A reprodutibilidade interobservador foi boa para todos os domínios (a variando de 0,786 a 0,983). A reprodutibilidade

intraobservador foi considerada muito boa para o domínio de sintomas gerais (CCI = 0,916), boa para os domínios de sintomas musculoesqueléticos (CCI = 0,897) e cardiopulmo-nares (CCI = 0,842), e razoável para o domínio de sintomas gastrintestinais (CCI = 0,686). Portanto, o questionário é considerado reprodutível. De forma semelhante, o instrumento original obteve a > 0,65 para todos os domínios.

Para testar a validade do questionário comparamos suas pontuagoes com as obtidas em questionários já validados na literatura, sabendo que nao seriam os melhores instrumentos para comparar, uma vez que nao sao específicos para a doenga como o SySQ.

Entre todos os domínios do SySQ, o que apresentou maior número de correlagoes clinicamente satisfatórias com os domínios do SF -36 foi o de sintomas musculoesqueléticos, seguido pelos domínios de sintomas gerais e cardiopulmo-nares, já que este é um questionário mais abrangente. O domínio de sintomas gastrintestinais só apresentou corre-lagao com o domínio de envolvimento pulmonar do sHAQ.

Cruz-Dominguez et al.8 traduziram o questionário para a língua espanhola com pacientes mexicanos, apresentando resultados semelhantes mas fraca correlagao com o índice de gravidade da doenga (p = 0.526, p < 0.0001). Em nosso ser-vigo nao dispomos dos exames necessários para classifica-gao da gravidade da doenga, sendo esta, portanto, excluída da avaliagao dos pacientes.

Nao foi observada correlagao estatisticamente significante com os domínios do HAQ, questionário de avaliagao funcional, o que pode ser justificado pelo fato de o SySQ ser um questionário mais abrangente em relagao aos sintomas causados pela ES.

Khanna e Merkel9 afirmam que houve grande progres-so no desenvolvimento e na validagao de medidas de ava-liagao em ES, e que estas caminham cada vez mais para a abrangencia dos sistemas envolvidos especificamente em ES.

Uma lacuna deste questionário é que nao avalia o fenómeno de Raynaud nem o envolvimento renal, importantes manifestagoes da doenga, porém o autor sugere que se utilize uma escala visual analógica para o fenómeno de Ray-naud e exame físico (medida da pressao arterial) e laboratoriais (ureia e creatinina séricos) para o envolvimento renal.6

A versao na língua portuguesa do SySQ mostrou-se re-produtível e válida para uso em nossa populagao, utilizando metodologia reconhecida para tradugao e adaptagao cultural de questionários, bem como para avaliar a repro-dutibilidade e a validade. Sao necessários estudos que ava-liem sua sensibilidade de resposta a mudangas clínicas ao longo do tempo.

Financiamento

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq. Programa de Bolsas de Iniciagao Científica da Universidade Federal da Paraíba (PIBIC/UFPB).

Conflitos de interesse

Os autores declaram näo haver conflitos de intéressés. REFERÊNCIAS

1. Bernatsky S, Joseph L, Pineau CA, Belisle P, Hudson M, Clarke AE. Scleroderma prevalence: Demographic variations in a population-based sample. Arthritis Rheum. 2009;61:400-404.

2. Della Rossa A, Valentini G, Bombardieri S, Bencivelli W, Silman AJ, D'Angelo S, et al. European multicentre study

to define disease activity criteria for systemic sclerosis. I. Clinical and epidemiological features of 290 patients from 19 centres. Ann Rheum Dis. 2001;60:585-591.

3. Furst DE. Outcome measures in rheumatologic clinical trials and systemic sclerosis. Rheumatol. 2008;47:v29-v30.

4. Ciconelli RM. Medidas de avaliaçâo de qualidade de vida. Editorial. Rev Bras Reumatol. 2003;43:IX-XIII.

5. Pope JE, Bellamy N. Outcome measurement in scleroderma clinical trials. Semin Arthrit Rheum.1993;22:22-33.

6. Ruof J, Bruhlmann P, Michel BA, Stucki G. Development and validation of a self-administered systemic sclerosis questionnaire (SySQ). Rheumatol. 1999;38:535-42.

7. Falcao DM, Ciconelli RM, Ferraz MB. Translation and cultural adaptation of quality of life questionnaire: an evaluation of methodology. J Rheumatol. 2003;30:379-85.

8. Cruz-Dominguez MP, Casarrubias-Ramirez M, Martinez VG, Lastra OLV, Quezada LJJ, Montes-Cortes DH. Self-administered systemic sclerosis questionnaire. Validation of a Spanish version (SYSQ) in Mexicans. [abstract]. Arthrit Rheum. 2011;63:665.

9. Khanna D, Merkel PA. Outcome measures in systemic sclerosis: An update on instruments and current research. Curr Rheumatol Rep. 2007;9:151-157.