Scholarly article on topic 'Relação entre Ansiedade ao Tratamento Dentário e Caracterização do “Dentista Ideal”: Estudo com Crianças e Adolescentes'

Relação entre Ansiedade ao Tratamento Dentário e Caracterização do “Dentista Ideal”: Estudo com Crianças e Adolescentes Academic research paper on "Educational sciences"

CC BY-NC-ND
0
0
Share paper
Keywords
{"Dentist-Patient Relation" / "Dental Public Health" / "Dental Anxiety" / "Relação Dentista-Paciente" / "Saúde Pública Oral" / "Ansiedade Dentária"}

Abstract of research paper on Educational sciences, author of scientific article — Elisabete Rabaldo Bottan, Eliane Garcia Silveira, Constanza Marín de los Ríos Odebrecht, Silvana Marchiori de Araújo, Maria Mercês Aquino Gouveia de Farias

Abstract Objective To identify if the degree of dental anxiety exerts influence in the description of the characteristics an ideal dentist. Methods Descriptive and cross-sectional study, with a group of students attending basic education in the city of Pouso Redondo (Santa Catarina- Brasil). A convenience sample rather then a probabilistic was obtained. The anxiety degree was evaluated through an adaptation of the Dental Anxiety Scale. For the characterization of the ideal dentist, the principles of the Test of Free Association of Words was adopted with two categories being created: personal and professional characteristics. The association between the dental anxiety degree and the characterization of the ideal dentist was determined through the test of the Chi-Square. Results 697 pupils were evaluated, with ages between 10 and 16 years; 51% were of the masculine gender. The majority (84%) presented some degree of anxiety. In general, both anxious and not anxious subjects, when describing the ideal dentist, detached the personal characteristics; however, comparing the two groups (anxious and not anxious) we found greater frequency of this category among the subjects with high degree of anxiety. Conclusion In the studied population, a statistically significant association was found between the degree of dental anxiety and the characteristics of an ideal dentist. Resumo Objectivo Identificar se o grau de ansiedade ao tratamento dentário exerce influência na caracterização do “dentista ideal”. Métodos estudo descritivo, transversal, com um grupo de escolares do ensino fundamental da cidade de Pouso Redondo (Santa Catarina-Brasil). A amostra foi do tipo não probabilístico, obtida por conveniência. O grau de ansiedade foi avaliado através de uma adaptação da Dental Anxiety Scale. Para a caracterização do “dentista ideal”, foram adoptados os princípios do Teste de Associação Livre de Palavras, tendo sido criadas duas categorias: características pessoais e características profissionais. A associação entre o grau de ansiedade e a caracterização do “dentista ideal” foi determinada através do teste do Qui-Quadrado. Resultados Foram avaliados 697 alunos, com idades entre 10 e 16 anos; 51% eram do género masculino. A maioria (84%) apresentou algum grau de ansiedade. De modo geral, sujeitos ansiosos e não ansiosos, ao descreverem o “dentista ideal”, destacaram as características pessoais; no entanto, comparando-se os dois grupos (ansiosos e não ansiosos) encontramos maior frequência desta categoria entre os sujeitos com alto grau de ansiedade. Conclusão Na população investigada, identificou-se que há uma associação estatisticamente significativa entre o grau de ansiedade ao tratamento dentário e a caracterização do “dentista ideal”.

Academic research paper on topic "Relação entre Ansiedade ao Tratamento Dentário e Caracterização do “Dentista Ideal”: Estudo com Crianças e Adolescentes"

INVESTIGAÇÂO

Relacao entre Ansiedade ao Tratamiento

Dentário e Caracterizacao do "Dentista Ideal":

Estudo com Criancas e Adolescentes

Elisabete Rabaldo Bottan*; Eliane Garcia Silveira**; Constanza Marín de los Ríos Odebrecht***; Silvana Marchiori de Araújo****; Maria Merces Aquino Gouveia de Farias****

*Mestre em Educacao e Ciencias; Professora Titular do Curso de Odontologia da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) e Pesquisadora do Grupo Atencao a Saúde Individual e Coletiva.

**Mestre em Oodontopediatria; Professora Titular do Curso de Odontologia da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) e Pesquisadora do Grupo Atencao a Saúde Individual e Coletiva.

***Doutora em Periodontia; Professora Titular do Curso de Odontologia da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) e Pesquisadora do Grupo Atencao a Saúde Individual e Coletiva.

****Doutora em Odontopediatria; Professora Titular do Curso de Odontologia da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) e Pesquisadora do Grupo Atencao a Saúde Individual e Coletiva.

(Bottan ER, Silveira EG, Odebrechet CMR, Araújo SM., Farias MMAG. Relacao entre Ansiedade ao Tratamento Dentário e Caracterizacao do "Dentista Ideal": Estudo com Criancas e Adolescentes. Rev Port Estomatol Med Dent Cir Maxilofac 2D10;51:19-23]

Abstract: Objective: To identify if the degree of dental anxiety exerts influence in the description of the characteristics an ideal dentist. Methods: Descriptive and cross-sectional study, with a group of students attending basic education in the city of Pouso Redondo (Santa Catarina-Brasil). A convenience sample rather then a probabilistic was obtained. The anxiety degree was evaluated through an adaptation of the Dental Anxiety Scale. For the characterization of the ideal dentist, the principles of the Test of Free Association of Words was adopted with two categories being created: personal and professional characteristics. The association between the dental anxiety degree and the characterization of the ideal dentist was determined through the test of the Chi-Square. Results: 697 pupils were evaluated, with ages between 10 and 16 years; 51% were of the masculine gender. The majority (84%) presented some degree of anxiety. In general, both anxious and not anxious subjects, when describing the ideal dentist, detached the personal characteristics; however, comparing the two groups (anxious and not anxious) we found greater frequency of this category among the subjects with high degree of anxiety. Conclusion: In the studied population, a statistically significant association was found between the degree of dental anxiety and the characteristics of an ideal dentist.

Key-words:

Dentist-Patient Relation; Dental Public Health; Dental Anxiety

Palavras Chave:

Relacao Dentista-Paciente; Saúde Pública Oral; Ansiedade Dentária

Correspondência para: Elisabete Rabaldo Bottan

Email: erabaldo@univali.br

Resumo: Objectivo: Identificar se o grau de ansiedade ao tratamento dentário exerce influencia na caracterizacao do "dentista ideal". Métodos: estudo descritivo, transversal, com um grupo de escolares do ensino fundamental da cidade de Pouso Redondo (Santa Catarina-Brasil). A amostra foi do tipo nao probabilístico, obtida por conveniencia. O grau de ansiedade foi avaliado através de uma adaptacao da Dental Anxiety Scale. Para a caracterizacao do "dentista ideal", foram adoptados os principios do Teste de Associacao Livre de Palavras, tendo sido criadas duas categorias: características pessoais e características profissionais. A associacao entre o grau de ansiedade e a caracterizacao do "dentista ideal" foi determinada através do teste do Qui-Quadrado. Resultados: Foram avaliados 697 alunos, com idades entre 10 e 16 anos; 51% eram do género masculino. A maioria (84%) apresentou algum grau de ansiedade. De modo geral, sujeitos ansiosos e nao ansiosos, ao descreverem o "dentista ideal", destacaram as características pessoais; no entanto, comparando-se os dois grupos (ansiosos e nao ansiosos) encontramos maior frequencia desta categoria entre os sujeitos com alto grau de ansiedade. Conclusao: Na populacao investigada, identificou-se que há uma associacao estatisticamente significativa entre o grau de ansiedade ao tratamento dentário e a caracterizacao do "dentista ideal".

INTRODUCAO

O profissional da Medicina Dentária tem importante funcao social, mas, no entanto, tal importancia nem sempre é reconhecida pela sociedade, porque a imagem do dentista como alguém que destrói, tritura, agride e aniquila, ainda, faz parte do imaginário de algumas pessoas. Esta percepcao deve-se ao fato de que, até algumas décadas atrás, o dentista era formado para actuar, prioritariamente, na dimensao curativa das doencas da cavidade bucal e esta condicao gerou uma visao distorcida sobre este profissional da saúde.

A persistencia desta imagem negativa pode ser considerada como um dos desencadeadores do comportamento de medo do tratamento dentário, que atinge de 15 a 20% da populacao em geral e mais da metade dos pacientes infantis11,21. Há que se considerar que o medo leva o individuo a cancelar ou adiar suas consultas odontológicas o que, geralmente, agrava a sua condicao de saúde oral. E, vários trabalhos atestam que individuos temerosos ao tratamento dentário tem baixa saúde oral, quando comparados a individuos nao temerosos13-111.

Os estudos sobre imagem do profissional da Medicina Dentária e medo/ansiedade ao tratamento dentário sugerem a existencia de uma relacao entre ambos. Assim, temáticas sobre como este profissional é visto pela sociedade e qual o significado da relacao profissional-paciente tem sido enfocadas em trabalhos procedentes de distintos contextos socio-culturais, porque a percepcao do paciente influencia a sua reaccao para com o tratamento dentário12,3,11-161.

E, foi na relacao entre ansiedade ao tratamento dentário e a concepcao da imagem do dentista que se enfocou o objecto da investigacao que deu origem a este artigo. Considerandose, pois, a importancia do tema, definiu-se como objectivo desta pesquisa identificar, junto a um grupo de criancas e adolescentes de uma cidade de Santa Catarina (Brasil), a associacao entre o grau de ansiedade ao tratamento dentário e as características conceptualizadas do "dentista ideal".

Esta investigacao se caracteriza como um estudo descri-tivo, do tipo transversal, através do levantamento de dados primários. Ela foi desenvolvida com escolares do ensino fundamental (5a a 8a séries) de tres escolas públicas, situadas no perímetro urbano da cidade de Pouso Redondo, regiao do Alto Vale, no Estado de Santa Catarina, sul do Brasil. Esta

cidade situa-se a 264 quilómetros da capital do Estado, possui uma área territorial de 362,4 km2 e uma populaçâo de, aproximadamente, 12 mil habitantes, procedentes, na sua maioria, de colonizaçâo alema e italiana. Suas principais actividades económicas sao a agricultura e a indústria cerámica.

De acordo com os dados fornecidos pela Gerência de Educaçao, Ciência e Tecnologia, da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Regional, no perímetro urbano daquela cidade, o número de unidades escolares públicas com ensino fundamental de 5a a 8a séries era três. À época da pesquisa, nestas escolas, havia um total de 764 alunos matriculados, os quais formaram a populaçao-alvo.

A partir da populaçao-alvo, foi constituida uma amostra nao probabilística, obtida por conveniência. Isto é, integraram a amostra todos os sujeitos que, no dia da colecta de dados, estavam presentes em sala de aula e aceitaram por livre e espontánea vontade participar.

Anteriormente à realizaçao da pesquisa, foram mantidos contactos com a Direcçao das Unidades Escolares, quando se explicou sobre os objectivos e os procedimentos da pesquisa, bem como a forma do retorno dos resultados da investigaçao. O projecto de pesquisa foi aprovado pela Comissao de Ética em Pesquisa da UNIVALI, sob o n° 285/2006.

Para a colecta de dados, que ocorreu em Julho de 2007, os sujeitos foram, inicialmente, submetidos a uma avaliaçao do grau de ansiedade ao tratamento dentário, através de um questionário que foi adaptado da Dental Anxiety Scale - DAS(17). O instrumento constou de um questionário auto-aplicável com quatro questôes do tipo fechado. A cada uma das alternativas de resposta, em cada questao, foi atribuido um valor que variou de um a quatro pontos, os quais somados definiram o perfil do sujeito quanto à ansiedade ao tratamento dentário.

Assim, para a classificaçao da ansiedade dentária, foram constituidas quatro categorias, a saber: sem ansiedade (somatório de pontos igual ou inferior a quatro); baixa ansiedade (somatório entre cinco e oito pontos); alta ansiedade (entre nove e doze pontos); e exacerbada ansiedade (de treze a dezasseis pontos).

A caracterizaçâo conceptual do "dentista ideal" foi obtida através do Teste de Associaçao Livre de Palavras(18), que teve como estímulo indutor a expressao "para mim, dentista ideal é". Para a análise do conteúdo das respostas emitidas, com base na literatura revisada(6,13,15,16,19), foram estabeleci-das duas categorias, a saber: Características Pessoais e Características Profissionais. As manifestaçôes foram tabuladas segundo o grau de ansiedade, com auxílio do programa Microsoft Office Excel 2007, tendo sido, posteriormente, calculada a frequência relativa.

MATERIAIS E MÉTODOS

O tratamento estatístico adoptado para identificacao da existencia de relacao entre grau de ansiedade e caracteriza-cao do dentista foi o teste nao paramétrico do Qui-Quadrado (x2). Estabeleceu-se, para tais fins, o agrupamento dos sujeitos classificados como portadores de alta e exacerbada ansiedade em uma única categoria ficando, portanto, tres classes definidoras do grau de ansiedade (sem ansiedade, baixa ansiedade e alta ansiedade).

RESULTADOS

O grupo de pesquisados ficou formado por 697 alunos, ou seja, 91,2% da populaçâo-alvo. A idade destes sujeitos variou de 10 a 16 anos, sendo que a maioria estava incluida na faixa de 10 a 12 anos. Com relaçao ao género, a amostra ficou equilibrada, pois 51% eram do sexo masculino e 49% do feminino.

A maioria (84%) classificou-se como portadora de ansiedade ao tratamento dentário. A categoria alta ansiedade apre-sentou uma frequência duas vezes maior do que a categoria sem ansiedade (Figura 1 ).

Figura 1 - Distribuicao da frequencia relativa (%) das categorias definidoras dos graus de ansiedade dentária dos sujeitos pesquisados.

Com base na frequencia relativa calculada para as categorias de análise, observou-se que independentemente do grau de ansiedade, as características pessoais foram bem mais destacadas (62,1%) do que as características profissionais (37,9%).

Ao se proceder a análise em funcao do grau de ansiedade, verificou-se que há uma tendencia de crescimento linear da

frequência da categoria características pessoais, à medida que o grau de ansiedade aumenta (Figura 2). Ou seja, sujeitos altamente temerosos, ao descreverem o "dentista ideal", valorizam mais as características pessoais do que os sujeitos sem ou com baixa ansiedade.

Através do cálculo do Qui-Quadrado (x2), para um p critico de 0,002% encontrou-se, no grupo investigado, uma relaçao estatisticamente significativa entre grau de ansiedade ao tratamento dentário e caracterizaçào do "dentista ideal".

DISCUSSAO

Figura 2 - Distribuicao da frequencia relativa (%) das categorias definidoras de um dentista ideal, segundo o grau de ansiedade dentária (Teste do Qui-Quadrado, p crítico<0,0002).

O tratamento dentário, em algumas circunstancias, se torna um grande desafio para o paciente e para o profissional. Estudos, em diferentes contextos socioculturais, atestam que experiencias negativas no consultório odontológico, geralmente acompanhadas de dor intensa, favorecem ou reforcam a associacao entre dentista, dor, sofrimento. Assim, problemas com o manejo de pacientes representam uma das principais dificuldades para a clínica odontológica. Um expressivo número de dentistas considera que a ansiedade do paciente é uma barreira para seu trabalho(2M10iU'20'211.

A análise da bibliografia revisada apontou que uma imagem positiva do dentista está associada a excelentes qualidades técnicas e a capacidade de respeitar e responder as expectativas do paciente. Portanto, a profissao do dentista vai além da habilidade técnica para realizar procedimentos clínicos; ela, também, requer o conhecimento e a capacidade para lidar com o comportamiento humano e suas variac6es(5A10'u'15'19'20).

Os achados desta pesquisa, como o reportado na literatura, indicam que as características pessoais, aquelas vinculadas ao relacionamento do profissional com o paciente, foram as mais citadas pelos sujeitos ao descreverem o "dentista ideal". No entanto, é de destacar o facto de que esta categoria tem percentuais superiores entre os portadores de alto grau de ansiedade, quando comparados ao grupo classificado como nao portador de ansiedade.

Esse comportamento sugere que os sujeitos mais temerosos necessitam, de forma mais enfática, que o profissional lhes de uma atencao mais humanizada o que pode ser considerado como mecanismo facilitador da reducao do impacto gerado pelo temor a consulta odontológica. Isto reforca a ideia de que, para se romper o ciclo vicioso do medo/ansiedade ao tratamento dentário, que acarreta a fuga a consulta e baixa qualidade de saúde oral(4), é fundamental o estabelecimento de uma relacao empática entre paciente e profissional.

Desta forma, o tipo de comunicacao que se constrói, por

ocasiao da consulta, poderá trazer ¡números beneficios para a saúde oral. O profissional da Medicina Dentária deve conhecer seus pacientes, deve saber interagir e se comunicar, para criar um vinculo de confianca. Deve ser atencioso, responder as perguntas demandadas, o que fará com que o paciente sinta-se acolhido e mais tranquilo durante o procedimento a que será submetido(21).

Cabe, portanto, ao dentista compreender e especificar a ansiedade de seu paciente e orientá-lo quanto as possibili-dades de lidar com este factor, objectivando a sua reducao e favorecendo a instalacao de um comportamento positivo em relacao a procura por atendimento odontológico na perspectiva da promocao da saúde(10'n20).

Dai a importancia de que uma imagem positiva do dentista seja amplamente divulgada, como um dos mecanismos de reducao da ansiedade, em especial nos grupos de crian-cas e adolescentes. E, considerando-se que a saúde oral da populacao brasileira, ainda, nao atingiu niveis estimados pela Organizacao Mundial para a Saúde (OMS), é fundamental, pois, que seja dada relevancia a relacao entre saúde oral, ansiedade ao tratamento dentário e o papel do dentista,

BIBLIOGRAFIA

1 - Lima-Alvarez M, Casanova-Rivero Y. Miedo, ansiedad y fobia al tratamiento estomatológico. Rev Hum Med [on line] 2006.

[Acedido 2008 Fev 4]; 6(1):0-0. Disponível:http://scieloprueba.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S172781202006000 100007&lng=es&nrm=iso.

2 - Drugowick RM. Avaliaçâo das variáveis relacionadas ao comportamento de pacientes odontopediátricos. [Dissertaçâo -

Mestrado]. Rio de Janeiro: Faculdade de Odontologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2005.

3 - Abrahamsson KH, Berggren U, Hallbrg L, Carlsson SG. Dental phobic patients' view of dental anxiety experiences in dental

care: a qualitative study. Scand J Caring Sci 2002;16:188-96.

4 - Armfield JM, Stewart JF, Spencer AJ. The vicious cycle of dental fear: exploring the interplay between oral health, service

utilization and dental fear. BMC Oral Health 2007;14:1.

5 - Ferreira MA, Manso MC, Gavinha S. Ansiedade e Fobia Dentária: Avaliaçâo psicométrica num estudo transversal. Rev Port

Estomatol Cir Maxilofac 2008; 49: 77-86.

6 - Fioravante DP, Soares MRZ, Silveira JM, Zakir NSA. Análise funcional da interaçâo profissional-paciente em odontopediatria.

Estudos de Psicologia (Campinas) 2007; 24 : 267-77.

7 - Bottan ER, Pelegrini, FM, Stein JC, Farias MMGA, Araújo SM. Relaçâo entre consulta odontológica e ansiedade ao trata-

mento dentário: estudo com um grupo de adolescentes. RSBO 2008; 5 : 27-32.

8 - Mellor A. Management of the anxious patient: what treatments are avaiable? Dent Update 2007; 34: 108-10,113-4.

9 - Oliveira MMT, Colares V, Campioni A. Ansiedade, dor e desconforto relacionado à saúde oral em crianças menores de 5

anos. Odontologia. Clín-Científ 2009; 8:47-52. 10 - Possobon RF, Carrascoza KC, Moraes ABA, Costa Junior AL. O tratamento dentário como gerador de ansiedade. Rev Psicol Estud 2007; 12: 609-16.

quando do planeamento de acçôes de promoçâo da saúde, no ámbito dos distintos municipios.

CONCLUSÖES

No grupo investigado, observou-se que há uma asso-ciacao estatisticamente significativa entre o grau de ansiedade e a caracterizacao do "dentista ideal", mostrando que pessoas com maior grau de ansiedade valorizam proporcio-nalmente mais as características pessoais, ao descreverem o "dentista ideal".

AGRADECIMENTOS Ao programa de Iniciacao Científica Artigo 170 do Governo do Estado de Santa Catarina e a Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduacao, Extensao e Cultura da Universidade do Vale do Itajai, pelo financiamento desta pesquisa.

A Lyara Trentini, que, na condicao de Bolsista de Iniciacao Cientifica, efectuou a colecta e organizacao dos dados.

11 - Vermaire JH, Jongh A, Aartman IH. Dental anxiety and quality of life: the effect of dental treatment. Community Dent Oral

Epidemiol 2008; 36: 409-16.

12 - Amorim VCSA, Santos MFS. Visao que a crianca tem do dentista através da interpretacao de desenhos. Rev Assoc Bras

Odontol 2000; 7: 359-363.

13 - Morano Júnior M, Mialhe FL. Critérios utilizados por diferentes grupos etários na escolha do dentista. Odont Clínico-científica

2007; 6: 33-7.

14 - Barbieri CM. Estudo do paradigma da cárie dentária e da imagem do dentista na populacao infantil. [Dissertacao-Mestrado].

Aracatuba:Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho; 2000.

15 - Bibancos F A, Loureiro C. A imagem do dentista. Rev ABO Nac 2004; 12: 17-9.

16 - Freeman R. Viewing positive images of dentistry reduces anticipatory anxiety in children. Evid Based Dent 2007; 8: 47.

17 - Corah NL. Development of a dental anxiety sacale. J Dent Res 1969; 48:596.

18 - Bauer MW, Aarts B. A construcao do corpus: um principio para coleta de dados qualitativos. In: Bauer MW, Gaskell G. Pesquisa

qualitativa com texto, imagem e som. Petrópolis: Vozes, 2002: 39-63.

19 - Garcia EG, Almeida MI. Percepcoes expectativas dos usuários acerca das relacoes dentista-paciente. Rev Odontol Univ Cid

Sao Paulo 2005; 17: 29-39.

20 - Zacca GG, Sala MRA. Comunicación dialogada en la toma de decisiones informadas en la atención estomatológica. Rev Cuba

Estomatol [on line] 2006. [Acedido 2007 Nov 22]; 43 (1): 0-0. Disponível em: http:// wwwscielo.sld.cu

21 - Daniel TS, Guimaraes MS, Long SM, Marotti NRL, Josgrilberg EB. Percepcao do paciente infantil frente ao ambiente odon-

tológico. Odontologia Clín-Científ 2008; 7:129-132.