Scholarly article on topic 'Nomes de cientistas usados na classificação das vasculites'

Nomes de cientistas usados na classificação das vasculites Academic research paper on "Health sciences"

CC BY-NC-ND
0
0
Share paper
Academic journal
Revista Brasileira de Reumatologia
OECD Field of science
Keywords
{Vasculites / Cientistas / Epônimo / Vasculitis / "Scientific people" / Eponym}

Abstract of research paper on Health sciences, author of scientific article — Gokhan Sargin, Taskin Senturk

Resumo A primeira International Chapel Hill Consensus Conference (CHHC) ocorreu em 1994. Fizeram‐se sugestões sobre a nomenclatura das vasculites sistêmicas. Na segunda CHHC, 2012, adicionaram‐se importantes categorias à classificação da vasculite e fizeram‐se várias mudanças em nomes de doenças que não estavam incluídas na CHCC 1994. Introduziu‐se uma nova nomenclatura em vez de se usarem nomes como Churg‐Strauss e Wegener. Também foram adicionadas novas categorias, como de Behçet e Cogan etc. Essas pessoas são homenageadas pela classificação. Elas contribuíram para a ciência com seus estudos de caso, artigos científicos e observações. Este artigo analisa apenas epônimos presentes na classificação atual das vasculites. O objetivo é prestar informações sobre os cientistas mencionados na classificação das vasculites. Abstract The first International Chapel Hill Consensus Conference (CHHC) was held in 1994. There have been suggestions about the nomenclature of systemic vasculitis. Important categories were added to the classification of vasculitis, and many changes were made for disease names in the second CHHC 2012, which were not included in the CHCC 1994. The new nomenclature was introduced instead of being referred to by many names such as Churg‐Strauss and Wegener”s. New categories such as Behçet”s and Cogan etc. were also added. These people are honored by the classification. They contribute to science through their case studies, scientific articles, and observations. This article reviews only eponyms present in the current classification of vasculitis. The aim of this paper is to give information about scientists mentioned in the classification of vasculitis.

Academic research paper on topic "Nomes de cientistas usados na classificação das vasculites"

RBR3001-5

ARTICLE IN PRESS

rev bras reumatol. 2016;xxx(xx):xxx-xxx

REVISTA BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA

www.reumatologia.com.br

1 Artigo de Revisao

2 Nomes de cientistas usados na classificacao

3 das vasculites

4 qi Gokhan Sargin * e Taskin Senturk

5 Departamento de Reumatologia, Adnan Menderes University Medical Faculty, Aydin, Turquia

7 INFORMAgOES sobre O artigo

9 Histórico do artigo:

10 Recebido em 11 de setembro de 2015

11 Aceito em 6 de maio de 2016

12 On-line em xxx

14 Palavras-chave:

15 Vasculites

16 Cientistas

17 Eponimo

resumo

A primeira International Chapel Hill Consensus Conference (CHHC) ocorreu em 1994. Fizeram--se sugestoes sobre a nomenclatura das vasculites sistemicas. Na segunda CHHC, 2012, adicionaram-se importantes categorías á classificacao da vasculite e fizeram-se várias mudancas em nomes de doencas que nao estavam incluidas na CHCC 1994. Introduziu--se uma nova nomenclatura em vez de se usarem nomes como Churg-Strauss e Wegener. Também foram adicionadas novas categorías, como de Behcet e Cogan etc. Essas pessoas sao homenageadas pela classificacao. Elas contribuiram para a ciencia com seus estudos de caso, artigos científicos e observacoes. Este artigo analisa apenas eponimos presentes na classificacao atual das vasculites. O objetivo é prestar informacoes sobre os cientistas mencionados na classificacao das vasculites.

© 2016 Publicado por Elsevier Editora Ltda. Este e um artigo Open Access sob uma licenca CC BY-NC-ND (http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/).

19 Keywords:

20 Vasculitis

21 Scientific people

22 Eponym

Scientific people named in the classification of vasculitis

abstract

The first International Chapel Hill Consensus Conference (CHHC) was held in 1994. There have been suggestions about the nomenclature of systemic vasculitis. Important categories were added to the classification of vasculitis, and many changes were made for disease names in the second CHHC 2012, which were not included in the CHCC 1994. The new nomenclature was introduced instead of being referred to by many names such as Churg--Strauss and Wegener"s. New categories such as Behcet"s and Cogan etc. were also added. These people are honored by the classification. They contribute to science through their case studies, scientific articles, and observations. This article reviews only eponyms present in the current classification of vasculitis. The aim of this paper is to give information about scientists mentioned in the classification of vasculitis.

© 2016 Published by Elsevier Editora Ltda. This is an open access article under the CC BY-NC-ND license (http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/).

* Autor para correspondencia. E-mail: gokhansargin@hotmail.com (G. Sargin). http://dx.doi.Org/10.1016/j.rbr.2016.05.001

0482-5004/© 2016 Publicado por Elsevier Editora Ltda. Este e um artigo Open Access sob uma licenca CC BY-NC-ND (http:// creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/).

RBR3001-5

ARTICLE IN PRESS

rev bras reumatol. 2016;xxx(xx):xxx-xxx

Introduçâo

Vasculite de vasos médios

A vasculite sistemica é uma condigao inflamatoria. O processo inflamatorio primário envolve a parede de vasos de diferentes órgaos e sistemas e afeta vasos sanguíneos de diferentes tipos e calibres. Há muitos anos a nomenclatura e classificacao das vasculites sistemicas é um problema para os pesquisado-res e médicos.1 Existem diferentes maneiras de classificar as vasculites, incluindo o calibre dos vasos predominantemente afetados, o tipo de infiltrado inflamatorio (p. ex., neutrófi-los, linfócitos), o agente etiológico (primário ou secundário), a extensao da doenca (vasculite de órgao único ou vasculite sistemica) e o mecanismo fisiopatológico envolvido (p. ex., depósitos de complexos imunes, ANCA). A primeira International Chapel Hill Consensus Conference (CHHC) ocorreu em 1994.2 Houve uma tentativa de substituir eponimos por termos nao eponimos que representassem o processo fisiopatológico. Adicionaram-se importantes categorias a classificacao das vasculites; na segunda CHHC, em 2012, alteraram-se muitos nomes de doencas que nao haviam sido incluidos na CHCC de 1994.2,3 Introduziu-se uma nova nomenclatura para muitos nomes previamente usados, como Churg-Strauss e de Wege-ner. Adicionaram-se também novas categorias ao sistema de classificacao, como vasculite de vasos variáveis. Essas pes-soas sao homenageadas pela classificacao. Elas contribuíram para a ciencia com seus estudos de caso, artigos científicos e observacoes. Este artigo analisa apenas eponimos presentes na classificacao atual das vasculites. O objetivo é prestar informacoes sobre os cientistas mencionados na classificacao das vasculites.

Vasculite de grandes vasos

Doenca de Kawasaki 75

A doenga de Kawasaki é uma vasculite de vasos de médio 76

porte (artérias viscerais, seus ramos e especialmente artérias 77

coronárias) e geralmente ocorre em criangas pequeñas. A 78

doenga é caracterizada por febre, exantema eritematoso, con- 79

juntivite, língua de morango, linfadenopatia e descamacoes 80

específicas.2,3 O nome da doenca vem de Tomisaku Kawasaki, 81

um pediatra japones nascido em Tóquio em 1925. Kawasaki 82

formou-se na Faculdade de Medicina da Universidade de 83

Chiba em 1948.8 Em 1961, descreveu o caso de um menino 84

de quatro anos e tres meses que apresentava febre alta, 85

características mucocutaneas e adenopatia cervical; em 1962, 86

descreveu sete casos intitulados Non-scarlet fever desquamation 87

syndrome (Síndrome febril de descamado nao escarlate) no 88

Chiba Prefecture Pediatric Meeting; e em 1964 apresentou 20 89

casos intitulados Twenty cases of ocular-mucocutaneous syn- 90

drome (Vinte casos de síndrome ocular-mucocutanea) no 15th 91

Eastern and Central Japan Pediatric Meeting em Matsumoto.9-11 92

Em 1967, Kawasaki publicou uma observacao clínica de 50 93

pacientes sob o título Acute febrile mucocutaneous syndrome 94

^(Síndrome mucocutanea febril aguda).12 Nesse artigo, os 95

pacientes tinham envolvimento linfoide com descamacao 96

específica dos dedos das maos e dos pés. Mais tarde, em 97

setembro de 1974, Kawasaki et al. relataram 50 casos na 98

Pediatrics intitulados A new infantile acute febrile mucocutaneous 99

lymph node syndrome prevailing in Japan (Uma nova síndrome 100

febril aguda infantil de linfonodos mucocutaneos prevalente 101

no Japao).13 Ele aposentou-se pelo servico de pediatria do 102

Hospital da Cruz Vermelha do Japao.8 103

51 Arterite de Takayasu

Vasculite de pequeños vasos

A arterite de Takayasu (AT) é uma arterite granulomatosa idio-pática crónica da aorta e de seus ramos. É um tipo de vasculite de grandes vasos e geralmente afeta pacientes mais jovens (< 50 anos).2,3 A doenca é também conhecida como doenca sem pulso. Nesse caso, o nome vem de Mikito Takayasu, um oftalmologista japones nascido em 1860. Takayasu se formou na Universidade Imperial de Tóquio em 1887. Ele descreveu um caso no 12° Encontro Anual da Sociedade de Oftalmologia do Japao.4,5 O paciente nao tinha anormalidade em seu exame médico, exceto alterares peculiares nos vasos centrais da retina, com presenca de aortite. Na história do paciente havia relatos de disturbios visuais e perda completa da acui-dade visual com alterares retinianas. Após a apresentacao, esse caso foi publicado na Acta of the Ophthalmic Society of Japan em 1908.6 Em seguida, foram relatados casos seme-lhantes. Relatou-se que o termo "arterite de Takayasu" foi usado pela primeira vez por Yasuzo Shinmi; a comissao de pesquisadores do Departamento de Saude e Bem-Estar do Japao usou oficialmente o termo pela primeira vez em 1975.4,7 Mikito Takayasu morreu em novembro de 1938.4,5 Embora haja outros sinónimos, a doenca foi chamada de arterite de Takayasu na nomenclatura das vasculites na CHCC de 2012.3

Granulomatose com poliangeíte (Wegener) 104

A granulomatose com poliangeíte (de Wegener) é uma 105

vasculite granulomatosa necrotizante multifocal associada 106

a ANCA que afeta vasos de pequeno a médio calibre do 107

rim e trato respiratório superior e inferior.2,3 A doenca foi 108

classificada em referencia a Friedrich Wegener, patologista 109

alemao nascido em 1907 em Varel.14-16 Ele se formou médico 110

em 1932, no Departamento de Patologia da Universidade de 111

Kiel.16 Relata-se que era membro do partido nazista, como o 112

era metade dos médicos alemaes durante a Segunda Guerra 113

Mundial.17-19 Em Kiel, descreveu um caso de angeíte generali- 114

zada e granuloma necrotizante da parte superior e inferior do 115

sistema respiratório, rim e baco.14 Embora tenha trabalhado 116

como patologista em Lodz (um gueto judeu), havia relatos 117

conflitantes sobre onde trabalhara no servicio de saúde.16,19 118

Apesar da suspeita, Wegener foi liberado por falta de provas 119

da condenacao como criminoso de guerra.16 Relata-se que 120

permaneceu em silencio sobre os acontecimentos até a sua 121

morte.20 Wegener descreveu uma granulomatose rinogenica 122

peculiar com envolvimento marcante do sistema arterial e 123

rim e publicou artigos em 1936 e 1939.21,22 Nesses artigos, 124

foram definidos aspectos clínicos e patológicos da doenca. O 125

RBR3001-5 ARTICLE IN PRESS

rev bras reumatol. 2016;xxx(xx):xxx-xxx 3

termo "granulomatose de Wegener" foi usado pela primeira vez por Godman e Churg.23 Falk et al. recomendaram um nome opcional para a granulomatose de Wegener: granu-lomatose com poliangeite (de Wegener).18 Dai em diante, usou-se "granulomatose com poliangeite (de Wegener)" em vez de granulomatose de Wegener, pela CHHC 2012.3 Ele foi identificado como Wegener entre parenteses para evitar confusoes na literatura. Recebeu um premio de mestre clinico do American College of Chest Physicians em 1989.24 Rosen relatou na Chest em 2007 que o conselho votou quase unanimemente por rescindir o premio.25 Ele morreu em 1990, em Lübeck.14-16

Granulomatose eosinofílica com poliangeíte (Churg-Strauss)

A granulomatose eosinofilica com poliangeite (Churg-Strauss) é uma vasculite granulomatosa necrosante associada a ANCA que afeta predominantemente vasos de pequeno a médio calibre. Geralmente está associada á asma, sinusite paranasal, a infiltrados pulmonares, á europatia e á eosinofilia do sangue periférico ou tecidos.2,3 A doenca foi classifi-cada em referencia a Jacob Churg e Lotte Strauss. Jacob Churg foi um patologista nascido em 1910 em Dolhinow, Bielorrússia.26'27 Comecou a se interessar pela medicina aos oito anos, trabalhou no departamento de medicina interna, mas relatou-se que dizia nao se dar muito bem com os pacientes.27 Churg entao trabalhou como assistente no Departamento de Patologia da Universidade de Vilna. Ele descreveu um paciente com asma, linfadenopatia e eosinofilia que morreu de hemorragia craniana.27 As amostras de biópsia dos linfonodos mostraram infiltracao eosinofilica, granulomas em fase inicial, vasculite nas artérias cranianas e granulomas em vários tecidos. A Dra. Strauss também teve casos semelhantes.26 Lotte Strauss foi uma patologista nascida em 1913 em Nuremberg, Alemanha.26 Ela se especializou em patologia pediátrica e perinatal. Ambos os profissionais revisaram casos de asma, febre e hipereosinofilia. A maior parte deles tinha lesoes anatomicas especificas caracteristicas da enti-dade histopatológica denominada granuloma alérgico. Seu artigo foi publicado em 1951 e intitulado Granulomatose alérgica, angeíte alérgica e periarterite nodosa.28 Churg e Strauss descreve-ram a entidade e a chamaram de sindrome de Churg-Strauss. Ao procurar o termo "sindrome de Churg-Strauss" no PubMed, encontrou-se um primeiro artigo escrito por Abul-Haj e Flanagan em 1961 intitulado Asthma associated with disseminated necrotizing granulomatous vasculitis, the Churg-Strauss syndrome. Report of a case (Asma associada a vasculite granulomatosa necrotizante disseminada: sindrome de Churg-Strauss. Relato de caso).29 Jacob Churg morreu em 2005 e Lotte Strauss em 1985.26

a Eduard Heinrich Henoch e Johann Lukas Schönlein. Eduard Heinrich Henoch foi um pediatra alemao que nasceu em Ber-lim em 16 de julho de 1820 e morreu em Dresden em 28 de agosto de 1910.30,31 Formou-se médico em 1843 e estudou com Moritz Romberg e Johann Lukas Schönlein. Trabalhou como chefe da clínica pediátrica do Hospital Charité Real. Publicou seu famoso livro Lectures on Children's Diseases.32 Além disso, descreveu os casos de um paciente do sexo masculino de 15 anos que referia dor abdominal, artralgia e púrpura; um menino de sete anos com púrpura e nefrite; e um paciente com hematúria e púrpura. Esse artigo foi publicado em 1868 no Klin Wschr.33 Esses achados também foram descritos por Johann Lukas Schönlein como uma entidade. Schönlein era um professor alemao de medicina interna nascido em Bamberg, Alemanha, em 30 de novembro de 179 3.34,35 Trabalhou em Würzburg, Zurique e Berlim. Schönlein escreveu alguns artigos e descreveu a púrpura reumática rubra com sintomas cutáneos artríticos e lesöes renais.36,37 Descreveu também cristais tifoides nas fezes dos pacientes e o agente causador do favo (Tinea capitis). Johann Lukas Schönlein se aposentou em 1859 e morreu em Bamberg em janeiro de 1864.34-36

Vasculite de vasos variáveis

Síndrome de Cogan

A sindrome de Cogan é uma doenca inflamatória crónica rara caracterizada pela vasculite de vasos de pequeno a grande porte, queratite intersticial nao sifilitica e disfuncpao vestibulo-auditiva, como zumbido, perda auditiva e vertigem.3 A doenca foi classificada em homenagem a David Glendenning Cogan, um oftalmologista americano nascido em Massachusetts, em 1908.38 Formou-se no Dartmouth College, Universidade de Harvard, e continuou sua carreira na Harvard Medical School, na Chicago University Clinics e na Massachusetts Eye and Ear Infirmary. Cogan foi certificado pelo American Board of Ophthalmology em 1937 e tornou-se membro do conselho editorial das revistas Archives of Ophthalmology, Investigative Ophthalmology, Albrecht von Graefes Archivfur Klinische und Expe-riementelle Ophthalmologie e Journal of Neurological Science.38 Em 1945, descreveu cinco pacientes com queratite intersticial nao sifilitica e sintomas vestibulo-auditivos como uma sindrome no Archives of Ophthalmology.39 A partir de entao, essa enti-dade clinica veio a ser chamada de sindrome de Cogan. Cogan interessava-se por neuroftalmologia e manifestares oftalmológicas das doencas vasculares sistemicas e publicou muitos livros sobre esses temas.40,41 Morreu em Wayne após um infarto agudo do miocárdio em 9 de setembro de 1993.42

Doenga de Behget

Púrpura de Henoch-Schonlein

A púrpura de Henoch-Schonlein geralmente afeta os vasos de pequeño calibre com depósito de imunoglobulina A e granu-lócitos nos vasos. As características clínicas incluem púrpura palpável, artrite, dor abdominal, hemorragia gastrointestinal e glomerulonefrite.2,3 A doenca foi classificada em referencia

A doenca de Behcet é uma vasculite inflamatória crónica que envolve múltiplos sistemas e é caracterizada por úlceras orais recorrentes, úlceras genitais e uveite.3 A doenca geralmente afeta grupos étnicos, como individuos do Mediterráneo e da Ásia Oriental ao longo da rota da seda. Hulusi Behcet foi um dermatologista turco, o primeiro professor da vida academica turca, nascido em Istambul, Turquia, em 20 de fevereiro de 1889.43'44 Formou-se pela Military Medical School em 1910 e

ARTICLE IN PRESS

RBR3001-5

rev bras reumatol. 2016;xxx(xx):xxx-xxx

trabalhou como assistente na clínica de dermatología Gulhane até 1914. Em julho de 1914, foi nomeado assistente-chefe no Kirklareli Military Hospital e trabalhou como dermatologista no Edirne Military Hospital. Trabalhou também no Charité Hospital, Hasköy Dermatology and Venereal Diseases Hospital e Guraba Hospital.45 Interessava-se pela sífilis, leishmaniose e pelas micoses. Hulusi Behcet descreveu dois casos de úlceras aftosas orais e genitais recorrentes e uveíte com hipópio. Publicou os achados e suas opiniöes em 1937 na Dermatologische Wochenschrift e com mais detalhes na mesma revista em 1938.46 A doenca foi chamada de "Morbus Behcet" pelo professor Mis-chner em 1947 no International Medical Congress of Geneva.45 Foi entäo codificada como doenca de Behcet (M35.2) na versäo de 2015 do CID-10.47 Ele foi homenageado com o Tübitak Science Award em 1975 e com o Eczacibasi Science Award em 1982.45 Também foi homenageado por sua producâo durante o National Dermatology Congress em 1996. Morreu em 8 de marco de 1948.43-45

Conclusáo

248 Embora as vasculites descritas neste artigo já tenham sido

249 descritas por outros cientistas espetaculares, esses eponimos

250 sao comumente usados na nomenclatura da classificacao das

251 vasculites em homenagem aos cientistas que as estudaram.

252 O American College of Rheumatology, a European League Against

253 Rheumatism e a American Society of Nephrology recomendam ter-

254 mos diagnósticos em vez de eponimos como Churg-Strauss,

255 de Wegener etc. Muitas novas nomenclaturas e termos diag-

256 nósticos indicam informacoes clinicopatológicas da doenca.

257 Como resultado, essas pessoas que contribuíram para a cien-

258 cia realcam o significado da observacao clínica, abordagem e

259 pesquisa.

Conflitos de interesse

26^2 Os autores declaram nao haver conflitos de interesse.

referencias

1. Luqmani RA, Suppiah R, Grayson PC, Merkel PA, Watts R. Nomenclature and classification of vasculitis - Update on the ACR/EULAR diagnosis and classification of vasculitis study (DCVAS). Clin Exp Immunol. 2011;164:11-3.

2. Jennette JC, Falk RJ, Andrassy K, Bacon PA, Churg J, Gross WL, et al. Nomenclature of systemic vasculitides: the proposal of an international consensus conference. Arthritis Rheum. 1994;37:187-92.

3. Jennette JC, Falk RJ, Bacon PA, Basu N, Cid MC, Ferrario F, et al. 2012 revised International Chapel Hill Consensus Conference Nomenclature of Vasculitides. Arthritis Rheum. 2013;65:1-11.

4. Numano F. The story of Takayasu arteritis. Rheumatology (Oxford). 2002;41:103-6.

5. Numano F, Kakuta T. Takayasu arteritis-five doctors in the history of Takayasu arteritis. Int J Cardiol. 1996;54:1-10.

6. Takayasu M. A case with peculiar changes of the retinal central vessels (in Japanese). Acta Soc Ophthal Jpn. 1908;12:554-5.

266 267

7. Sinmi Y. A case of Takayasu's arteritis (in Japanese). Sogo 281 Gannka. 1942;36:1404-10. 282

8. Kenrick V. Tomisaku Kawasaki 2007; Disponivel em: 283 http://www.japantimes.co.jp Q3 284

9. Kawasaki T, Naoe S. History of Kawasaki disease. Clin Exp 285 Nephrol. 2014;18:301-4. 286

10. Kawasaki T. Non-scarlet fever desquamation syndrome. 287 Chiba Med J. 1962;38:279. 288

11. Kushnera HI, Burnsb JC, Bastianc JF, Turnerd CH. The histories 289 of Kawasaki disease. Progress in Pediatric Cardiology. 290 2004;19:91-7. 291

12. Kawasaki T. Infantile acute febrile mucocutaneous lymph 292 node syndrome with specific desquamation of the fingers 293 and toes. Clinical observation of 50 cases. Jpn J Allerg. 294 1967:178-222. 295

13. Kawasaki T, Kosaki F, Okawa S, Shigematsu I, Yanagawa H. A 296 new infantile acute febrile mucocutaneous lymph node 297 syndrome (MLNS) prevailing in Japan. Pediatrics. 298 1974;54:271-6. 299

14. Deremee R. Life and times with Friedrich Wegener. Lupus. 300 2010;19:781-2. 301

15. Grzybowski A, Rohrbach JM. Should we abandon the eponym 302 'Wegener's granulomatosis'? A historical excursion. Klin 303 Monbl Augenheilkd. 2011;228:641-3. 304

16. Rosen MJ. Dr. Friedrich Wegener, the ACCP, and History. Chest. 305 2007;132:739-41. 306

17. Woywodt A, Haubitz M, Haller H, Matteson EL. Wegener's 307 granulomatosis. Lancet. 2006;367:1362-6. 308

18. Falk RJ, Gross WL, Guillevin L, Hoffman G, Jayne DR, Jennette 309 JC, et al. Granulomatosis with polyangiitis (Wegener's): an 310 alternative name for Wegener's granulomatosis. J Am Soc 311 Nephrol. 2011;22:587-8. 312

19. Scheinberg MA. Nazi past and changes in disease names: the 313 Wegener's disease case. Rev Bras Reumatol. 2012;52:300-1. 314

20. Lefrak SS, Matteson EL. Freidrich Wegener: the past and 315 present. Chest. 2007;132:2065. 316

21. Wegener F. Über generalisierte septische Gefäßerkrankungen. 317 Verh Deut Pathol Ges. 1936;29:202-10. 318

22. Wegener F. Über eine eigenartige rhinogene Granulomatose 319 mit besonderer Beteiligung des Arteriensystems und der 320 Nieren. Beitr Pathol Anat. 1939;102:30-68. 321

23. Godman GC, Churg J. Wegener's granulomatosis: pathology 322 and review of the literature. Arch Pathol. 1954;58:533-53. 323

24. DeRemee RA. Dr Friedrich Wegener and the American College 324 of Chest Physicians Award. Chest. 2010;138:753, author reply 325 753-4. 326

25. Rosen MJ. Dr. Friedrich Wegener and the ACCP, Revisited. 327 Chest. 2007;132:1723, discussion 1723-4. 328

26. Camposa F, Gellerb S. Churg-Strauss Syndrome: a syndrome 329 described on clinical observation and autopsy findings. 330 Autopsy and Case Reports. 2013;3:1-4. 331

27. Blantz R. International Society of Nephrology. Dr. Jacob Churg 332 interviewed by Roland Blantz, University of California at San 333 Diego, LA, Jolla, California, May 22, 1997. Disponivel em: 334 http://cybernephrology.ualberta.ca/ISN/VLP/Trans/Churg.htm Q4 335

28. Churg J, Strauss L. Allergic granulomatosis, allergic angiitis, 336 and periarteritisnodosa. Am J Pathol. 1951;27:277-301. 337

29. Abul-Haj Sk, Flanagan P. Asthma associated with 338 disseminated necrotizing granulomatous vasculitis, the 339 Churg-Strauss syndrome. Report of a case. Med Ann Dist 340 Columbia. 1961;30:670-6. 341

30. Dunn PM. Dr Eduard Henoch (1820-1910) of Berlin: pioneer of 342 German paediatrics. Arch Dis Child Fetal Neonatal Ed. 343 1996;74:149-50. 344

31. Emed A. Eduard Heinrich Henoch (1820-1920). Harefuah. 345 1999;137:508. 346

32. Henoch E. Lectures on Children's Diseases. Translated by J 347 Thomson. London: The New Sydenham Society; 1889. 348

ARTICLE IN PRESS

RBR3001-5

rev bras reumatol. 2016;xxx(xx):xxx-xxx

349 33. Henoch E. The association of purpura and intestinal 41. Smith JL, Walsh FB, Cogan DG, Hoyt WF. 370

350 disturbance. Klin Wschr. 1868;5:517-9. Neuro-ophthalmology, past, present, and future. Basic 371

351 34. KeitelW. Johann Lukas Schönlein (1793-1864). The degraded Clinical Neuro-Ophthalmology. 1976. 372

352 honorary citizen. Z Rheumatol. 2007;66:716-23. 42. David G. Cogan, 85, Dies,1993. Disponivel em: 373

353 35. Wiedemann HR. Johann Lukas Schönlein (1793-1863). Eur J http://www.washingtonpost.com/archive/local.hto Q5 374

354 Pediatr. 1994;153:621. 43. Saylan T. Life story of Dr. Hulusi Behcet. Yonsei Med J. 375

355 36. Hierholzer J, Hierholzer C, Hierholzer K. Johann Lukas 1997;38:327-32. 376

356 Schönlein and his contribution to nephrology and medicine. 44. Ustün C. A famous Turkish dermatologist, Dr. Hulusi Behcet. 377

357 Am J Nephrol. 1994;14:467-72. Eur J Dermatol. 2002;12:469-70. 378

358 37. Koelbing HM. Johann Lucas Schönlein (1793-1864), a 45. Erdemir AD, Öncel Ö. Prof. Dr. Hulusi Behcet (A famous 379

359 researcher and clinician. Hautarzt. 1990;41: Turkish physician) (1889-1948) and Behcet's disease from the 380

360 174-7. point of view of the history of medicine and some results. 381

361 38. Hughes SS. Ophthalmology Oral History Series, a Link with JISHIM. 2006:5. 382

362 Our Past. The Foundation of the American Academy of 46. Behcet H. Uber rezidivierende, aphthose, dürchein Virus 383

363 Ophthalmology, San Francisco Regional Oral History Office, verursachteGeshwure am Munde, am Auge und an den 384

364 University of California at Berkeley 1990. Genitalien [in German]. Dematologische Wochenschrift. 385

365 39. Cogan DG. Syndrome of nonsyphilitic interstitial keratitis and 1937;36:1152-7. 386

366 vestibuloaudiotry symptoms. Arch Ophthalmol. 47. Organizacäo Mundial da Saude (OMS). International 387

367 1945;33:144-9. Statistical Classification of Diseases and Related Health 388

368 40. Cogan DG. Ophthalmic manifestations of systemic vascular Problems 10th Revision (ICD-10)-2015-WHO Version for;2015. 389

369 disease. Major problems in internal medicine. Philadelphia: Disponivel em: http://apps.who.int/classifications/icd10/ 390 Saunders; 1974. browse/2015/en#/M35.2 Q6 391