Scholarly article on topic '# 7. Caso clínico de metástases orais de adenocarcinoma do cólon'

# 7. Caso clínico de metástases orais de adenocarcinoma do cólon Academic research paper on "Health sciences"

CC BY-NC-ND
0
0
Share paper
Keywords
{}

Academic research paper on topic "# 7. Caso clínico de metástases orais de adenocarcinoma do cólon"

tardías. O planeamento pré-cirúrgico recorrendo a exame clínico e exames auxiliares de diagnóstico é fundamental para a realizado deste tipo de procedimentos em seguranca, para o paciente e para o profissional.

CrossMark

http://dx.doi.org/10.1016/j.rpemd.2015.10.062

#5. Estratégias de anticoagulagao em cirurgia oral: pacientes com alto risco tromboembólico

Rita Machado de Carvalho *, Cristina Gamboa, António Silva

Introducao: O objetivo deste caso clínico foi a abordagem da melhor estratégia para a descontinuado do anticoagulante oral, em vista a um procedimento cirúrgico, neste caso, den-tário.

Descricao do caso clínico: No ámbito deste caso clínico estudaram-se 2 pacientes com patologia clínica, ambos com elevado risco embólico. Paciente 1: homem, 71 anos, fibrilacao auricular, próteses mecánicas mitral e aórtica, medicado com varfarina. Plano de tratamento: colocacao de implantes den-tários e de uma ponte metalocerámica no maxilar superior; colocacao de uma prótese esquelética no setor inferior. Paciente 2: mulher, 67 anos, fibrilacao auricular, prótese mitral mecánica, medicada com varfarina. Plano de tratamento: tra-tamento endodontico do 23 e exodontia do 34. Em ambos os pacientes interrompeu-se a terapéutica anticoagulante, em vista a um procedimento dentário.

Discussao e conclusoes: No paciente 1, a vigiláncia e controlo dos parámetros de coagulacao e terapéutica da substituicao com heparina SC sao realizados em ambulatório. No paciente 2, todo este controlo é realizado em ambiente hos-pitalar com monitorizacao diária dos parámetros. No paciente 1, verificou-se a ocorréncia de um AVC isquémico no período pós-cirúrgico; na paciente 2 nao se verificaram intercorrén-cias de qualquer tipo. No caso dos doentes com alto risco embólico, no qual estao incluídos os doentes com próteses mecánicas com ou sem fibrilacao auricular, a estratégia deve ser sempre a que mantenha o doente com a terapéutica preventiva de embolias, tanto no período pré-operatório, como no pós-operatório. Deve ser ponderada a estratégia em funcao do risco tromboembólico vs. hemorrágico, caso a caso. Neste período estratégico, que requer a monitorizacao dos valores de coagulacao, este deve ser cuidadosamente supervisionado pelo médico cardiologista.

CrossMark

http://dx.doi.org/10.1016/j.rpemd.2015.10.063

# 6. Tumor de células granulares da língua -Caso clínico

Rita Azenha Cardoso, Ricardo Grazina *, Lia Jorge, Maria Manuela Carrilho

CHUC, Hospital de Braga

Introdugao: O tumor de células granulares, ou tumor de Abrikossoff, é uma neoplasia benigna rara, que é mais comum em mulheres na 4a a 6a décadas de vida, mas que pode ocor-rer em qualquer idade ou sexo. Embora possa afetar qualquer

parte de corpo, 45-65% das lesoes reportadas localizam-se na cabeca e pescoco, sendo que as lesoes intraorais corres-pondem a cerca de 70% destas. A localizacao intraoral mais comum é a língua.

Descricao do caso clínico: Os autores descrevem um caso de uma doente de 65 anos, que apresentava uma lesao nodular no bordo lateral esquerdo da língua, com cerca de 2 anos de evolucao, indolor e nao ulcerada. Nao apresentava ade-nopatias a palpacao das cadeias ganglionares cervicais, nem sintomatologia sistémica. Foi efetuada biópsia incisional, que revelou tratar-se de um tumor de células granulares. Perante este resultado, procedeu-se a excisao radical da lesao.

Discussao e conclusoes: Devem ser considerados vários diagnósticos diferenciais na abordagem destas lesoes, nome-adamente, devem ser descartadas situacoes malignas. O tratamento de escolha consiste em excisao cirúrgica da lesao e a recorréncia é rara. Quando ocorre, pode ser localmente ou a distáncia, por isso, necessitam de um follow-up longo.

http://dx.doi.org/10.1016/j.rpemd.2015.10.064

# 7. Caso clínico de metástases orais de adenocarcinoma do cólon

Lia Jorge *, José Azenha Cardoso, Rita Azenha Cardoso, Ricardo Grazina, Álvaro Diogo Rodrigues

Hospital de Braga; Centro Hospitalar Universitário de Coimbra; Instituto Portugués de Oncología Francisco Gentil de Coimbra

Introducao: A metastizacao para a cavidade oral é incomum, representando cerca de 1% das neoplasias que envolvem este órgao. Na grande maioria dos casos, o tumor primário já é conhecido quando se diagnostica a lesao oral, mas esta poderá. Excecionalmente, ser o primeiro sinal de patologia neoplásica.

Descricao do caso clínico: Doente do sexo masculino, 87 anos de idade, antecedentes patológicos de adenocarci-noma do cólon, cirurgicamente tratado há 12 anos. Hábitos tabágicos e etílicos negados. Encaminhado para a consulta externa do servico de estomatologia e cirurgia maxilofa-cial do Instituto Portugués de Oncologia Francisco Gentil de Coimbra por apresentar tumefacao maxilar, envolvendo o primeiro quadrante por vestibular, com crescimento exuberante há cerca de um més e com áreas de ulceracao há cerca de uma semana. Biópsia incisional revelou resultado histológico compatível com adenocarcinoma, provavelmente metastático. Tomografia computadorizada cervico- toraco--abdomino-pélvica mostrou lesoes nodulares sólidas no rim esquerdo e no páncreas.

Discussao e conclusao: Para tumores de regioes inferiores, a via hematogénica é o mecanismo mais provável de disseminacao. A gengiva representa a localizacao mais comum de metastizacao para tecidos moles intraorais. As lesoes apresentam-se habitualmente como uma massa nodular, tipo granuloma piogénico. A metastizacao oral é mais frequente em homens idosos. A aparéncia microscópica da neoplasia metastática deve ser compatível com o tumor primário. Após discussao clínica, em consulta de decisao

terapéutica, decidiu-se paliar o doente. Posto isto, de notar que um exame objetivo intraoral rigoroso pode revelar achados subjacentes a condicoes neoplásicas a distancia e, como tal, permitir o seu diagnóstico e tratamento em fases mais precoces.

http://dx.doi.org/10.1016/j.rpemd.2015.10.065

# 8. Tratamento ortodontico-cirúrgico de um paciente com apneia obstrutiva do sono: caso clínico

Alexandra Vinagre *, Sandra Ferreira, Julio Fonseca, Ana Margarida Martins Torres Simöes, Joao Carreiro

Introducto: A Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono (SAOS) é uma doenca crónica de elevada prevaléncia, caracterizada pelo colapso e consequente obstrucao da via aérea superior (VAS) durante o sono, conduzindo a períodos de apneia ou hipopneia. A fragmentacao do sono resultante de obstrucöes repetidas e intermitentes da VAS ocasiona microdespertares noturnos recorrentes, que podem causar alteracöes sistémicas, funcionais, neurocognitivas e psicos-sociais, com implicacöes graves na qualidade de vida de um indivíduo.

Descricao do caso clínico: Paciente (C. J. P. A.) do sexo masculino, 42 anos, com diagnóstico de SAOS (Epworth 15; Polisonografia [PSG]: IAH 24; SpO2 80%). Fez terapéutica com CPAP com uma duracao de 2 anos, relatando desconforto e intolerancia, pelo que foi proposto tratamento ortodontico-cirúrgico (TOC). O paciente enquadra-se num padrao de classe I esquelética, com biretrusao maxi-lomandibular e contorno cervicomandibular mal definido. Na telerradiografia de perfil da face observa-se um estreita-mento da VAS, em especial na área da oro e laringofaringe e uma biretrusao incisiva. Após a preparacao ortodontica, que visou aumentar a inclinacao dos incisivos superiores e retroinclinar ligeiramente os incisivos inferiores, por forma a aumentar o trespasse horizontal, foi planeada a etapa cirúr-gica com avanco maxilomandibular total de 12 mm, com desimpactacao posterior do maxilar superior de 2mm. Os resultados pós-cirúrgicos relatados pelo paciente indicaram uma melhoria da qualidade dos índices subjetivos relativos ao período de descanso noturno, deixando de usar o CPAP nesta fase. Após a conclusao do TOC, verificou-se um bom equi-líbrio facial, oclusal e funcional, denotando-se um aumento volumétrico da via aérea na radiografia de perfil da face. O restabelecimento funcional da VAS e funcao respiratória foi confirmado pela PSG (IAH 12; SpO2 93%). A consciencializacao e aconselhamento sobre medidas comportamentais e higiene do sono foram perentoriamente recomendadas ao paciente.

Discussao e conclusöes: A dimensao da hipofaringe está relacionada com o posicionamento e morfologia maxiloman-dibular, sendo suscetível as alteracöes espaciais promovidas

pela cirurgia ortognática. O tratamento da SAOS por intermedio de um TOC tem evidenciado elevados níveis de sucesso clínico, com uma eficácia terapéutica idéntica ao CPAP. O retorno da qualidade do sono dos pacientes coloca esta abor-dagem na primeira linha de tratamento para casos de SAOS moderada ou grave.

http://dx.doi.org/10.1016/j.rpemd.2015.10.066

# 9. Cirurgia pré-protética: osteoplastia maxilar - Caso clínico

Ana Borges *, Catarina Sequeira, Joao Braga, António Felino

Faculdade de Medicina Dentária, Universidade do Porto

Introducao: A reabilitacao oral com prótese removível é uma opcao terapéutica em pacientes parcialmente edéntu-los. Perante variacoes anatómicas, que podem comprometer o sucesso do tratamento protético, podem estar indicadas correcoes cirúrgicas pré-protéticas.

Descricao do caso clínico: Paciente de 64 anos, género masculino, consultado no servico de cirurgia oral da FMDUP. Ao exame clínico e radiográfico, verificou-se a presenca de exostoses ósseas na cortical vestibular, auséncia de espaco interoclusal para realizacao de tratamento reabilitador proté-tico e inclusao dentária do 28. A espessura da mucosa alveolar encontrava-se dentro dos parámetros considerados normais. Perante o quadro clínico descrito, foi proposta exodontia do 28 incluso e osteoplastia maxilar, para posterior reabilitacao com prótese removível esquelética. Montaram-se os modelos de estudo em articulador, mantendo-se a dimensao vertical de oclusao, definindo-se o local da plastia. Foi realizada uma incisao linear sobre a crista alveolar e descolado um reta-lho de espessura total no 1.° e 2.° quadrantes. Procedeu-se á osteotomia, com brocas de Lindemann e esférica laminada, montadas, respetivamente, em contra ángulo e peca de mao reta. A exodontia do 28 ocorreu sem complicares.

Removeu-se o excesso de tecido mole com lámina de bisturi n.° 15. A ferida operatória foi suturada com fio sintético (polia-mida 4/0, revestida - sutura contínua ligada). O procedimento cirúrgico foi realizado em bloco operatório sob anestesia geral.

Discussao e conclusoes: A elaboracao de um plano de tra-tamento, num paciente parcialmente edéntulo, implica um planeamento de todas as fases do tratamento. A cirurgia pré--protética está indicada, sempre que o resultado esperado permita uma melhoria na estabilidade, retencao e suporte da prótese, proporcionando um tratamento reabilitador protético com resultados mais satisfatórios e previsíveis.

http://dx.doi.org/10.1016/jj.rpemd.2015.10.067